Letramento e Atividades Instrumentais de Vida Diária: uma relação evidente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178182022e0034

Palavras-chave:

Letramento, Atividades Instrumentais de Vida Diária, Autonomia.

Resumo

O propósito deste artigo é identificar a relação entre letramento e as atividades instrumentais de vida diária (AIVD). O estudo caracteriza-se como uma pesquisa de cunho bibliográfico, de caráter conceitual, posta em circulação a partir de uma pesquisa de doutorado. Para tanto, utilizaram-se principalmente referências da área da Educação e da Psicologia, que permitiram fomentar a discussão sobre as implicações do letramento na autonomia da pessoa com déficit cognitivo. Os resultados do estudo apontaram que há relação evidente entre as práticas de letramento e o desempenho de tarefas instrumentais de vida diária. A diferenciação entre as AIVDs e as atividades de vida diária (AVDs) são alguns pontos de destaque do presente ensaio. Como qualquer iniciativa de natureza científica, a proposta dessa nova perspectiva apresenta um caráter generalizante, na medida em que se constitui uma ação de caráter amplo e, ao mesmo tempo, específico, que visa oferecer princípios teóricos e diretrizes iniciais para a relação entre práticas de letramento relacionadas ao uso dos intrumentos de vida diária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Luciana Correia; LEITE, Iúri da Costa; MACHADO, Carla Jorge. Conceituando e mensurando a incapacidade funcional da população idosa: uma revisão de literatura. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 1199-1207, jul./ago. 2008.

BAYNHAM, Mike. Language and Education, School of Education, Leeds, v. 18, n. 4, p. 285-290, 2004.

BORBA, Miguel Germán. et al. Relación entre deterioro cognoscivo y actividades instrumentales de la vida diaria: Estudio SABE- Bogotá, Colombia. Acta Neurológica Colombia.p. 27-34.2016.

CAMPOS, Rosana T. Onocko; CAMPOS, Gastão Wagner de Souza. Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. In: CAMPOS, Gastão Wagner de Souza et al. (Orgs.) Tratado de Saúde coletiva. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

COSTA, E.C.; NAKATANI, A.Y.K; BACHION, M.M. Capacidade de idosos da comunidade para desenvolver atividades de vida diária e atividades instrumentais de vida diária. Actua Paul. P.43-48. Enfem 2006.

COSTA, Elisa Franco de Assis; et al. Semiologia do idoso. In: Porto Arnalda Lemos. Semiologia médica. 11 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p. 165-197. 2011.

FARÍAS-ANTÚNEZ, Simone F. e cols. Incapacidade Funcional para atividades básicas e intrumentais da vida diária: um estudo de base poblacional com adultos idosos de Pelotas, Rio Grande do Sul, 2014.Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 27, n. 2, p. 1-14, 2018.

FIEDLER, M.M.; PERES, K.G. Capacidade funcional e fatores associados em idosos no sul do Brasil: um estudo base populacional. Cad. Saúde Pública. 2008.

FILHO, Antônio Macedo Costa.; MAMBRINI, Juliana Vaz Melo.; MALTA, Debora Carvalho.; LIMA-COSTA, Maria.Fernanda & PEIXOTO, Sergio Viana. Contribuición de enfermidades crónicas a la prevalencia de incapacidad em actividades básicas e intrumentales de la vida diaria entre ancianos brasileños: Encuesta Nacional de Salud. Cad. Saúde Púiblica. Fev, 2013.

GIL, A.C. Como elaborar Projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2002.

GOMES, Maria de Lourdes Freitas. Atividades Instrumentais de Vida Diária e risco de quedas em pessoas idosas participates do centro de convivência do idoso no município de Vitória da Conquista-BA.2018. Tese (Doutorado em Mediciane e Saúde Humana) – Programa de Pós-Graduação em Medicina e Saúde Humana, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, 2018.

GRAF, Carla. The Lawton Instrumental Activities of Daily Living (IADL) Scale. The American of journal Nursing, v. 18, n. 5, p. 315-316, 2007.

IMAGINÁRIO, C; MACHADO,P; ROCHA, M.; ANTUNES, C. & MARTINS, T. Atividades de vida diária como preditores do estado cognitivo em idosos institucionalizados. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde mental. 43-37. Doi: 1019131/rpesm.0190. 2017.

KATO, Mary Aizawa. A busca da coesão e da coerência na escrita infantil. In: _______ (org). A concepção da escrita pela criança. Campinas: Pontes, pp.193-2006.

LAWTON, M.Powell; BRODY, Elaine M. Assessment of older peoples: self-maintaining, and instrumental activities of daily living. The gerontologist, Londres, v.9, p.86-179.1969.

LOPES DOS SANTOS, Roberto.; VIRTUOSO JUNIOR, Jair Sindra. Confiabilidade da versão Brasileira da Escala de Atividades Instrumentais da vida Diária. Revista Brasileira em promoção da saúde, Vol.21, núm. 4.2008.

MELLO, D.M.L BARBOSA, A.J.G. Use of the Mini-Mental State Examination in research on the elderly in Brazil: a sistematic review. Ciênc Saúde Colet [ internet]. 2015 [acesso em 20 nov. 2019] Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v20n12/1413-8123-csc-20-12-3865.pdf

OLIVEIRA, Ana Augusto Sampaio de. Notas sobre apropriação da escrita por crianças com síndrome de down. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 36, p. 337-359, maio/ago. 2010.

OLIVEIRA, Maria Caroline et al.Os instrumentos de avaliação de atividades dos membros superiores contemplam as tarefas mais realizadas em domicílio por pessoas com Hemiparesia? Cadernos Brasileiro de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 26, n. 4, p. 809-827, 2018.

OLSON, David Richard. Literacy and language Development. In: Wagner, Daniel. Adult Literacy: The nest Generation . London: Educacional Reseacher,1999.p.21-29

ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez. 1988

PEREIRA, M.G.; RONCOM, J. & CARVALHO, H. Aspectos psicológicos e familiares do envelhecimento. In: Z. Azeredo, O idoso como um todo. P. 101-130. Viseu: psicoSoma. 2011.

SILVEIRA, Jenifer Rodrigues. Capacidade Funcional, Atividade de Vida Diária, Atividade Física, Estilo de vida e deteriorização cognitiva de pessoas com Síndrome de Down maiores de 20 anos.2016. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Uiversidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016.

SOARES, Magda Becker. O que é letramento e alfabetização. In: Letramento, um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Editora Autêntica,1998,

SOARES, Magda Becker. Alfabetização: a questão dos métodos. 1ed., 2 reimpressão. São Paulo: Contexto. 384p. 2018.

STREET, Brian Vincent. The new literacy studies, guest editorial. Sussex: University of Sussex. 1993

STREET, Brian Vincent. Literacy and development: ethnographic perspectives on schooling and adult education. In: _____. Literacy and Development: Ethnographic perspectives. London/New York: Routledg. 2001

STREET, Brian Vincent. Futures of the etnography of literacy? Language end Education, v. 18, n. 4, p. 326-330.2004

SZWED, John The Etnography of literacy. In: CUSHMAN, E. et al. (Eds). Literacy: a critical soucebook. Boston: Bedfort. p. 421-429.2001.

TFOUNI, Leda Verdiani. Letramento e Alfabetização. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

ZIMMERMANN, I.M.; LEAL, M.C.C., ZIMMERMANN, R.D.; MARQUES, A.P.O., & GOMES, E.C. Fatores associados ao comprometimento cognitivo em idosos institucionalizados: revisão integrativa. Revista de enfermagem UFPE on line, p. 1320-1328. 2015.

Downloads

Publicado

2022-10-10

Como Citar

ALMEIDA, D.; MENGOTTO, L.; LORENZ, R. Letramento e Atividades Instrumentais de Vida Diária: uma relação evidente. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 18, 2022. DOI: 10.5965/19843178182022e0034. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/17838. Acesso em: 30 nov. 2022.