SINGULARIDADES EM CENA: COMO SUBVERTER A LÓGICA NORMATIZADORA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178182022e0029

Palavras-chave:

Inclusão. Normatização. Corpo exotizado. Singularidades. Dança contemporânea.

Resumo

Quando falamos sobre os estudos relacionados à inclusão podemos elaborar um histórico de como a discussão foi entendida em diferentes momentos: segregação, inserção da pessoa com deficiência nos espaços sociais, estratégias inclusivas reconhecendo as necessidades de cada sujeito. Nos últimos anos, outro modo de pensar o assunto está em pauta: a deficiência incorporada na lógica de mercado e sua captura como um produto. Autores como Mitchell e Snyder (2015) e Pelbart (2013) são fundamentais para esta pesquisa. O artigo é centrado em exemplos da dança contemporânea, como os artistas Jérôme Bel e Claire Cunningham, para refletir sobre como a normatização tem afetado o universo das artes do corpo. Muitas companhias ainda trabalham em uma perspectiva que reafirma a superação de limites e o apagamento das singularidades – utilizando a cópia de corpos sem deficiência. Assim, busca-se reconhecer os processos normalizadores que têm sido recorrentes na dança, mas também apresentar os trabalhos que conseguem garantir a existência da diversidade no palco, promovendo o debate que parte da singularidade, não da padronização corporal. Espera-se que o artigo possa corroborar estudos de inclusão e artes, ao sinalizar a potência dos artistas com deficiência quando não estão sujeitos aos padrões da normatização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virgínia Laís de Souza, Estácio, PUC/SP

Possui Doutorado (2017) e Mestrado (2013) em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Graduação em Comunicação das Artes do Corpo (2008) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com habilitação em dança e performance, e Graduação em Pedagogia (2013) pela Universidade de São Paulo. Atualmente é docente de graduação na Faculdade Estácio de Santo André e na pós graduação da PUC/SP, no curso de Especialização na Técnica Klauss Vianna.

Referências

BARROS, Manoel de. Livro sobre nada. São Paulo: Alfaguara, 2016.

BIANCHI, Paloma. Corporeidades dissonantes: reflexões sobre o espetáculo Disabled Theater. Revista Sala Preta, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 145-156, 2016.

BRASIL. Declaração de Salamanca. Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf Acesso em: 17 mar. 2020.

COLLINS, Patricia Hill. What’s in a name? Womanism, Black feminism and beyond. The black scholar, vol. 26, n. 1, p. 9-17, 1996.

COURTINE, Jean-Jacques. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Trad. Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2013.

MITCHELL, David T.; SNYDER, Sharon L. The biopolitics of Disability – neoliberalism, ablenationalism, and peripheral embodiment. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2015.

MUNHOZ, Angelica Vier. Jérôme Bel e o grau zero: dançar, ensinar, viver. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 28, p 844-856, 2018.

PELBART, Peter Pál. O avesso do niilismo – cartografias do esgotamento. São Paulo: n-1, 2013a.

PELBART, Peter Pál. Viver não é sobreviver: para além da vida aprisionada. In: Seminário Internacional Educação Medicalizada: reconhecer e acolher as diferenças, 2013b, São Paulo. Conferência de abertura. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qaHSIm91OII Acesso em: 17 mar. 2020.

SÃO PAULO (estado). Relatório mundial sobre a deficiência. World Health Organization, The World Bank. Trad.: Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012. 334 p. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44575/9788564047020_por.pdf?sequence=4 Acesso em: 17 mar. 2020.

SOUZA, Virgínia Laís. Quando o monstro convoca a resistência biopolítica: estratégias comunicativas na arte e na vida. 2017. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

SOUZA, V. L. de. SINGULARIDADES EM CENA: COMO SUBVERTER A LÓGICA NORMATIZADORA. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 18, 2022. DOI: 10.5965/19843178182022e0029. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/17464. Acesso em: 8 dez. 2022.