Sentidos de ensino de música nas narrativas de docentes dos Anos Iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317816012020330

Palavras-chave:

Ensino de música, Narrativas, Fenomenologia,

Resumo

A música está presente em nosso cotidiano e desperta os mais diferentes sentimentos. Neste artigo, apresentamos os resultados de uma pesquisa que objetivou compreender as configurações subjetivas acerca da relação entre música e prática docente. Os dados apresentados neste artigo fazem parte de uma pesquisa sobre sentidos de música para pedagogas que atuam na docência dos anos iniciais do ensino fundamental no município de Vitória da Conquista-Ba. Empregamos a entrevista narrativa para a produção dos dados e a fenomenologia é o método de análise. Os dados foram organizados em categorias. Neste texto apresentamos duas dessas categorias: o ressoar da música no curso de Pedagogia; Configurações de sentido da música para as pedagogas. As conclusões apontam que o momento das narrativas oportunizou cada participante trazer o relato sobre a compreensão da música. O acesso ao material nos revelou vivências aproximadas e outras mais distantes no que tange à representatividade e ao sentido da música.

Biografia do Autor

Isamar Marques Cândido Pales

Graduada em Pedagogia (UESB) e Mestra em Ensino (PPGEn/UESB). Professora de Educação Musical.

Sandra Suely Oliveira Souza

Doutora em Educação (UFBA). Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

Sandra Márcia Campos Pereira

Doutora em Educação (UNESP). Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e do Programa de Pós-graduação em Ensino (PPGEn/UESB).

Benedito Eugenio

Doutor em Educação (UNICAMP). Professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e do Programa de Pós-graduação em Ensino (PPGEn).

Referências

BELLOCHIO, Cláudia. Educação Básica, professores unidocentes e música: pensamentos em tríade. In: BELLOCHIO, Cláudia Ribeiro. GARBOSA, Luciane W. Freitas. (org.). Educação musical e pedagogia: pesquisas, escutas e ações. 1. Ed. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2014.

BELLOCHIO, Cláudia Ribeiro. GARBOSA, Luciane W. Freitas. (org.). Educação musical e pedagogia: pesquisas, escutas e ações. 1. Ed. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2014.

BELLOCHIO, Cláudia. WEBER, Vanessa. SOUZA, Zelmielen. Música e unidocência: pensando a formação e as práticas de professores de referência. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. Salvador, V. 26, nº 48, p. 205-221, jan./abr. 2017.

BEYER, Esther. KEBACH, Patrícia. (Org.). Pedagogia da música; experiências de apreciação musical: Porto Alegre: Editora Mediação, 2016.

BICUDO, Maria Aparecida V. Sobre a Fenomenologia. In __________; ESPOSITO, Vitória Helena C. A pesquisa qualitativa em educação: um enfoque fenomenológico. Sociedade de Estudos e Pesquisa Qualitativa. II Congresso Estadual Paulista sobre formação de educadores. Piracicaba: Editora Unimep, 1994.

BRASIL. Lei Nº 11.769/2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial, Brasília, 2008.

BREIN, Ricardo. O músico educador e o educador músico. In: JORDÃO, Gisele;

ALLUCCI, Renata. et al. A música na escola. Ministério da Cultura e Vale. Allucci & Associados Comunicações. São Paulo, 2012.

BRITO, Teca de Alencar. Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical. 2. ed. São Paulo: Peirópolis, 2011.

CRITELLI, Dulce. A condição humana como valor e princípio para a educação. Cadernos Cenpec. Nº 2, 2006

DALLABRIDA, Iara Cadore. Educação musical e unidocência: um estudo com professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Trabalho de Conclusão de Curso (Música – Licenciatura Plena), Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2013.

____________. Sentidos da educação musical na formação acadêmico-profissional do pedagogo. 150f. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

FERREIRA, Marcos de Souza. Ensino de música no Instituto Federal da Bahia: paradigmas e paradoxos. 229f.Tese (Doutorado em Música). Escola de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

FISCHER, Ernst. A necessidade da arte. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

FONTERRADA, Marisa T. de Oliveira. Linguagem verbal e linguagem musical. Cadernos de Estudo: Educação Musical, n. 4 e 5. São Paulo, 1994.

FRANÇA, Cecília Cavaliere. A interdisciplinaridade da vida e a multidimensionalidade da música. Música na educação básica. Vol. 7, n. 7/8. Londrina: Associação Brasileira de Educação Musical, ABEM, 2016.

GIORGI, Amedeo. Sobre o método fenomenológico utilizado como modo de pesquisa qualitativa nas ciências humanas: teoria, prática e avaliação. In: POUPART, Jean; DESLAURIERS, Jean-Pierre; GROULX, Lionel-H. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológico e metodológico. Trad. Ana Cristina Nasser. 2ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HENTSCHKE, Liane. A Educação Musical: um desafio para a Educação. Educação em Revista, n.38, p.55-61, 2003.

LEVITIN, Daniel J. A Música no seu cérebro: a ciência de uma obsessão humana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MAFFIOLETTI, Leda de A. Musicalidade humana: Aquela que todos podem ter. In: Anais do IV Encontro Regional da ABEM Sul, I Encontro do Laboratório de Ensino de Música/LEM-CE-UFSM. Educação Musical hoje: Múltiplos Espaços. Novas demandas profissionais. UFSM/RS, 23 a 25 de maio de 2001.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. (tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura). 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______________. Conversas. Stéphanie Ménasé (Ed.). Fábio Landa (Trad.). São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2004.

MONTEIRO, Maurício. Resenha. SACKS, Oliver. Alucinações Musicais: relatos sobre a música e o cérebro. Revista de História 157 – Dossiê História e Música. Universidade de São Paulo: São Paulo, 2007.

PENNA, Maura. Música (s) e seu ensino. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2014.

REY, Fernando L. G. Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Thomson, 2002.

_________. Subjetividade e saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez, 2011.

SACKS, Oliver. Alucinações Musicais: relatos sobre a música e o cérebro. São Paulo: Cia. das Letras, Tradução de Laura Teixeira Motta. 2007.

SNYDERS, Georges. A escola pode ensinar as alegrias da música? 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

Downloads

Publicado

2020-02-24

Edição

Seção

DOSSIÊ CONTEXTOS E ESPECIFICIDADES DA INCLUSÃO: A ARTE COMO FIO CONDUTOR