A construção da inteligência emocional de mulheres encarceradas na cidade do Recife

Autores

  • Maria Sandra Montenegro Silva Leão Universidade Federal de Pernambuco http://orcid.org/0000-0002-7284-8110
  • Silvana Cristina Freire Professora e pesquisadora da rede Estadual de Ensino
  • Sebastiana Célia do Nascimento Rede Estadual de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317815022019268

Palavras-chave:

Educação, Inteligência Emocional, Mulheres Presidiárias,

Resumo

Trata-se de uma pesquisa qualitativa descritiva e exploratória realizada em uma penitenciária feminina do Recife. O objetivo foi compreender se a educação ofertada através da modalidade EJA possibilitava a construção da inteligência emocional nas mulheres encarceradas.  Os materiais e métodos foram a observação e entrevistas para tecer uma compreensão através das falas das participantes da pesquisa. A pesquisa contou com seis participantes. Os dados foram analisados conforme a técnica de Análise de Conteúdo. Os resultados obtidos demonstram que a educação vivenciada no ambiente prisional colaborou para a melhora de três características da inteligência emocional: empatia, auto-estima e controle de impulsividade. Apreendeu-se que para as entrevistadas o estudo é importante porque ameniza o sofrimento, minimiza a solidão e ensina a tornar-se uma pessoa melhor. 


Biografia do Autor

Maria Sandra Montenegro Silva Leão, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Educação, pesquisadora na área de Educação, Direitos Humanos, espirituralidade e formação humana integral.

Silvana Cristina Freire, Professora e pesquisadora da rede Estadual de Ensino

Pedagoga, docente e pesquisadora na rede pública de ensino

Sebastiana Célia do Nascimento, Rede Estadual de Pernambuco

Pedagoga, pesquisadora e docente na rede pública de ensino de Pernambuco

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1977

BRASIL, Ministério da Saúde. Resolução Nº 466/2012. Plano Nacional da Saúde no Sistema Penitenciário, Brasília, 2012

BRASTEIN, Hélio. Gênero e Prisão: o encarceramento de mulheres no sistema penitenciário. Anais do Congresso Internacional de Pedagogia Social. São Paulo, 2009. Disponível em http://www.proceedings.scielo.br. Acesso em: 2 set de 2018

BORGES, Juliana. Encarceramento em Massa: feminismos plurais. São Paulo: Pólen, 2019

CARTAXO, Renata de Oliveira e CAVALCANTI, Alessandro. Panorama da Estrutura Presidiária Brasileira. Revista Brasileira de Promoção da Saúde, Fortaleza, n. 26: 266-273, abr./jun., 2013

CAVALCANTI, Márcia. Narrativas de mulheres na prisão sobre ser mulher. Revista MEPAR, Recife, n. 05, v. 09, p. 125-208, jun/jul. 2007.

DECLARAÇÃO de Hamburgo sobre Educação de Jovens e Adultos. V CONFITEA. Hamburgo, jul.1997

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2009.

GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 1993.

GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas a Teoria na Prática Escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência social: o poder das relações humana. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006

GOLEMAN, Daniel, Inteligência emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 1996.

HAN CHUL-Byung. A Expulsão do Outro. Lisboa: Relógio d’agua, 2018.

JESUS, Amanda, OLIVEIRA, Lannuzya e BRANDÃO, Gisetti. O significado e a Vivência do abandono familiar para presidiárias. Revista Ciência e Saúde, Campina Grande, v 08, n. 25, p 19-25, maio/jun. 2015.

MACHADO, Sílvia. Relações parentais de mulheres presidiárias. São Paulo: Segmento, 2010

PERNAMBUCO. Educação em Prisões de Pernambuco. Governo do Estado de Pernambuco. Recife: Gráfica Oficial do Estado, 2012.

PERNAMBUCO. Plano Estadual de Educação em Prisões de Pernambuco. Recife: Gráfica Oficial do Estado, 2012.

PEREIRA, Talita. A ressocialização no sistema carcerário feminino. Monografia do Curso de Especialização em Educação e Gestão. Recife: FAFIRE, 2010.

PORTUGUES, Manoel. A educação de adultos presos. Revista Educação e Pesquisa. São Paulo, v.27, n.2, p.355-374. Jul/dez.2001.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2019

SILVA, Roberto. Os filhos do governo: a formação da identidade criminosa em crianças órfãs e abandonadas. Revista Educação. São Paulo: Segmento, 1997.

TEIXEIRA, Carlos. Relato de Experiência na Educação Carcerária. Revista Opinião, São Paulo, v. 12, n.37, p 20-29, nov/dez. 2007.

VARELLA, Dráuzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, 2017

Downloads

Publicado

2020-04-01

Edição

Seção

DOSSIÊ: INCLUSÃO E DEFICIÊNCIA: PERSPECTIVAS MÚLTIPLAS