Danças familiares pretas: Notas sobre a aprendizagem da Dança de São Gonçalo de Amarante

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102442022e0102

Palavras-chave:

dança, aprendizagem, cultura, ancestralidade

Resumo

Este artigo buscou compartilhar reflexões sobre a aprendizagem das danças familiares pretas. Para tanto, observou-se o processo de ensino-aprendizagem da Dança de São Gonçalo de Amarante, espécie de manifestação familiar produzida no povoado quilombola da Mussuca em Laranjeiras, Sergipe – Brasil. Partiu-se da questão “como as crianças aprendem a dançar a Dança de São Gonçalo no contexto familiar da Mussuca?”. Considerou-se que os fundamentos relativos à aprendizagem da Dança de São Gonçalo se baseiam em processos vinculados à prática empírica, à repetição e à experiência familiar. Além disso, estabeleceu-se apontamentos para a definição das danças familiares pretas e discutiu-se as práticas relacionadas à aprendizagem destas danças através de um estudo focado na Dança de São Gonçalo de Amarante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Hugo Neves de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com estágio doutoral em Antropologia da Dança, na Université Paris X (2016).  Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (UFF - 2011). Graduação em Dança pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ – 2008). Professor do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal da Paraíba e do Mestrado Profissional em Artes (PROFArtes/UFPB).

Referências

ACSELRAD, Maria. Viva Pareia: Corpo, Dança e Brincadeira no Cavalo Marinho de Pernambuco. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013.

BOMFIM, Wellington de Jesus. Identidade, Memória e Narrativas na Dança de São Gonçalo do Povoado Mussuca (SE). 2006. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2006.

CASCUDO, Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Global, 2012.

GONÇALVES, Renata de Sá. A Dança Nobre no Espetáculo Popular: A Tradição como Aprendizado e Experiência. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Humanas/ Antropologia Cultural) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

KAEPPLER, Adriene L. Dança e o Conceito de Estilo. In.: CAMARGO, Gisele Guilhon Antunes (Org.). Antropologia da Dança I. Florianópolis: Insular, 2013.

KEALIINOHOMOKU, Joann. Folk Dance. In.: DORSON, Richard M. (Editor). Folklore and Folklife: An Introduction. Chicago: The University of Chicago Press, 1982.

MARTINS, Leda Maria. Performances do Tempo Espiralar: poéticas do corpo-tela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

MOURA, Clóvis. Rebeliões da Senzala: Quilombos, Insurreições e Guerrilhas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

NASCIMENTO, Beatriz. My Internal Blackness. Journal Village Voice, New York, 1982.

NASCIMENTO, Beatriz. O Conceito de Quilombo e a Resistência Cultural Negra. In.: RATTIS, Alex. Eu sou Atlantica. São Paulo: Instituto Kuanza, 2006.

OLIVEIRA, Victor Hugo Neves de. Dançando com Gonçalo: Uma Abordagem de Antropologia-Dança. 2016. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016.

OLIVEIRA, Victor Hugo Neves de. O cão celebra com o rabo, mas morde com a boca: pistas iniciais para a produção de uma dança preta. Revista Rascunhos - Caminhos da Pesquisa em Artes Cênicas, [S. l.], v. 7, n. 1, 2020.

DOI: 10.14393/issn2358-3703.v7n1a2020-03. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/rascunhos/article/view/55524. Acesso em: 13 jan. 2022.

OLIVEIRA, Victor Hugo Neves de. Por uma dança que não seja “popular”: algumas pistas sobre a questão das hierarquias na dança. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 167–183, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15610. Acesso em: 29 dez. 2021.

PRICE, Sally. Arte Primitiva em Centros Civilizados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

SANTOS, Andreilton dos. Entrevista sobre Aprendizagem da Dança de São Gonçalo de Amarante concedida ao autor. Mussuca (Laranjeiras/SE), março de 2015.

SANTOS, Henrique dos. Entrevista sobre Aprendizagem da Dança de São Gonçalo de Amarante concedida ao autor. Mussuca (Laranjeiras/SE), março de 2015.

SILVA, Renata de Lima; FALCÃO, José Luiz Cirqueira; MIRANDA, Elderson Melo. A presença do riso na Capoeira Angola. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p.1-23, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200041. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/16857. Acesso em: 13 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Como Citar

OLIVEIRA, V. H. N. de. Danças familiares pretas: Notas sobre a aprendizagem da Dança de São Gonçalo de Amarante. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 44, 2022. DOI: 10.5965/1414573102442022e0102. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21539. Acesso em: 30 nov. 2022.