A primeira onda da cena travesti no Brasil: A centralidade do “corpo em travesti”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102412021e0102

Palavras-chave:

Cena travesti, Teatro brasileiro, Aymond, Ivaná

Resumo

O ensaio interdisciplinar entende a “cena travesti” no Brasil enquanto estética travesti, prática profissional do travestismo, distante das questões identitárias e propõe a divisão desta cena em quatro ondas, fases, movimentos. Baseado nos estudos sobre o Teatro e a História, as autoras se debruçam sobre a primeira onda travesti de onde extraem relevantes características estéticas do Teatro de Revista que irão refletir, seja na segunda onda, seja no entendimento de gênero enquanto construção, invenção social normativa.

Biografia do Autor

Djalma Thürler, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Pós-Doutoramento em Literatura e Crítica Literária na Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP). Doutorado em Letras com estudos nas áreas de Literatura Brasileira e Teatro pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestrado em Ciência da Arte (UFF). Bacharel em Artes Cênicas e em Pedagogia, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Professor permanente do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade e Professor Associado III do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Beatrice Mathieu, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Mestranda do Programa Interdisciplinar em Cultura e Sociedade na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Artista da cena travesti.

Referências

ABREU, Silvio de. Apresentação. In: VENEZIANO, N. As grandes vedetes de Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; IMESP, p. 11-12, 2010.

ANTUNES, Delson. Fora do Sério: Um panorama do Teatro de Revista no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 2002.

AUGUSTO, Sérgio. Este mundo é um pandeiro. São Paulo: Cinemateca Brasileira; Companhia das Letras, 1989.

BAGLALI, Beatriz. Pagliarini. A diferença trans no gênero para além da patologização. Periódicus: Revista de estudos indisciplinares em gêneros e sexualidades. Salvador, n. 5, v. 1, maio-out., 2016.

BENDER, Ivo. Comédia e riso: uma poética do teatro cômico. Porto Alegre: Ed. UFRGS; Ed. PUCRS, 1996.

BORTOLOZZI, Remom Matheus. A Arte Transformista Brasileira: Rotas para uma genealogia decolonial. Quaderns de Psicología, Barcelona, v. 17, n. 3, p.123-134, 2015.

BUTLER, Judith. Cuerpos que inportan: sobre los límites materiales y discursivos del "sexo". Buenos Aires: Paidós, 2002.

BUTLER, Judith. Corpos que importam: os limites discursivos do sexo. São Paulo: Edições n-1, 2019.

CESÁRIO, Giovanna Zamith. Aymond, um ruidoso sucesso: a trajetória do travestido argentino no teatro de revista brasileiro. Arteriais, Belém, v.5, n.9, 2019.

COLLAÇO, Vera. Entre telões e cortinas: a féerie cenográfica do musical revisteiro. O Percevejo, Rio de Janeiro, v. 03, n. 02, jan.-jul., p. 1-26, 2012.

DIVINAS DIVAS. Direção: Leandra Leal. 2017 (110min.)

DZI CROQUETTES. Direção: Tatiana Issa e Raphael Alvarez, 110 min, 2009.

FREITAS, Nanci de. A personagem-tipo na revista de Walter Pinto: configuração e dissolução. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro, v.12, n.1, p. 119-142, mai. 2015.

GAULTIER, Jorge. UFSB cancela matrícula de estudante de Medicina por suspeita de fraude na cota para trans: ‘me mataram”. Jornal Correio, Me Salte, 14 dez. 2020. In: https://blogs.correio24horas.com.br/mesalte/ufsb-cancela-matricula-de-estudante-de-medicina-por-suspeita-de-fraude-na-cota-para-trans-me-mataram/. Acesso em: 15 dez. 2020.

LAMPIÃO DA ESQUINA. Direção: Lívia Perez. 82 min, 2016.

LANS, Letícia. O Corpo Da Roupa: A pessoa transgênera entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. 2014. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

LION, A. R. Ivaná: a grande dúvida do teatro de revista dos anos 50. Revista de Historia, São Paulo v. 7, n. 14, jul.-dez, p. 102-120, 2015.

LION, Antonio Ricardo Calori de. É fogo na jaca: performance drag queen no teatro de revista dos anos 1950. 23º Encontro Estadual De História, Assis. Anais eletrônicos, UNESP, 2016. Disponível em: <http://www.encontro2016.sp.anpuh. org., São Paulo.

MARQUES, Daniel. Teatro de intervenção: um resgate necessário (O teatro de revista e a política) . Trans/Form/Ação, v.24 no.1, p. 41-46, 2001.

MENESES, Emerson Silva.; JAYO, Martin. Presença travesti e mediação sociocultural nos palcos brasileiros: uma periodização histórica. Extraprensa. v. 11, n. 2, (jan./jun., p. 158 – 174, 2018.

MENESES, Emerson Silva.; VIANA, Fausto. Moda, vestuário e traje de cena: a passabilidade trans no teatro e no cinema Fashion. Anais do III Congresso Internacional de Memória, Design e Moda, p. 268-282, 2016.

MEU AMIGO CLÁUDIA. Direção: Dácio Pinheiro. Produção: Dácio Pinheiro, Alexandra Chalabi, Biba Wedesheim, Chica Mendonça, Daniel Soro, Mariana Guerra. Festival Filmes (87 min.), 2009, cor.

MORANDO, Luiz. “Miloca que virou David”: intersexualidade em Belo Horizonte (1917-1939). Bagoas, v. 6, n. 8, p. 147-170l, 2012.

NEWTON, Esther. Mother Camp: Un estudio de los transformistas femeninos em los Estados Unidos. Trad. María José Belbel Bullejos; Paloma Uría. Ed. María José Belbel Bullejos, Madrid, 2016.

NUNES, Diego. Cá e Lá: o intercâmbio cinematográfico entre Brasil e Portugal. São Paulo: Matarazzo, 2015.

OLIVEIRA JUNIOR, Dimas; HARAZIM, Felipe. As Vedetes do Brasil. (Documentário). Realização: WeDo Comunicação, Rede STV SESC SENAC DE TELEVISÃO (2003).

PAIVA, Salvyano Cavalcanti de. Viva o Rebolado!: vida e morte do teatro de revista brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. Trad. Jacó Guinsburg; Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 1999.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v 2, n.3, p. 3-15, 1989.

QUEER MUSIC HERITAGE: In: https://www.queermusicheritage.com/fem-lac2.html, s/a.

REBELLO, Luiz Francisco. História do Teatro de Revista em Portugal. Vol. I Da Regeneração à República. Lisbon: Don Quixote, 1984.

RODOVALHO, Amara Moira. O cis pelo trans. Estudos Feministas, Florianópolis, 25(1): 422, jan.-abr., 2017.

SÃO PAULO EM HI-FI. Direção: Lufe Steffen. 2016 (100 min

SAROLDI, Luiz. Carlos.; MOREIRA, Sônia Virgínia. Rádio Nacional: Brasil em sintonia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

SCHACHT, Steven. Lesbian Drag Kings and the Feminine Embodiment of the

Masculine. The Journal of Homosexuality, n. 43 (3), p. 75-98, 2002.

SEGATO, Rita. Contra-pedagogías de la crueldade. Cidad Autónoma de Buenos Aires: Prometeo Libros, 2018.

SOLIVA, Thiago Barcelos. Sob o Símbolo Do Glamour: Um estudo sobre homossexualidades, resistência e mudança social. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia) - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

TEWSKBURY, Richard. Men Performing as Women: Explorations in the World of Female Impersonators. Sociological Spectrum, n. 13, p. 465-486, 1993.

VENEZIANO, Neyde. O teatro de Revista. In: BRANDÃO, T. O teatro através da História. Volume II: O teatro brasileiro. Rio de Janeiro: CCBB; Entourage Produções Artísticas. 1994. p. 139-156.

VENEZIANO, Neyde. As grandes vedetes de Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; IMESP, 2010.

VENEZIANO, Neyde. O sistema vedete. Repertório, Salvador, nº 17, p. 58-70, 2011.

VERAS, Flávia Ribeiro. “Fábricas da Alegria”: O mercado de diversões e a organização do trabalho artístico no Rio de Janeiro e Buenos Aires (1918 – 1945). 2017. Tese (Doutorado em História) - Fundação Getúlio Vargas (FGV), 2017.

VERAS, Luciana. Os que fogem aos padrões. Fonte: Revista Continente: https://www.revistacontinente.com.br/edicoes/179/os-que-fugiam-aos-padroes, 2015. Acesso em: 11 de dez. 2020).

THÜRLER, Djalma.; NUNES, Ana Lucia; ROMERO, Dani. Drags satélites: experiência queer em pesquisa e extensão no ensino universitário. PORTO, C.; ROSA, F. TONNETTI, (Org.) Fronteiras e interfaces da comunicação científica. Salvador: EDUFBA, 2016.

TREVISAN, João Silvério. Devassos no paraíso. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2007.

TRANSAS CITY. http://transascity.org/history/.s/a.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

THÜRLER, D.; MATHIEU, B. . A primeira onda da cena travesti no Brasil: A centralidade do “corpo em travesti”. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 41, p. 1-28, 2021. DOI: 10.5965/1414573102412021e0102. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20432. Acesso em: 5 dez. 2021.