O CURRÍCULO DAS LICENCIATURAS EM ARTES VISUAIS NO PARANÁ: AS INTERFERÊNCIAS DO PROPOSTO NA LEI PARA A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DO PROFESSOR

Autores

  • Consuelo Schlichta, Valéria Alvarenga UDESC - PPGAV - CEART

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234607132015081

Palavras-chave:

formação e atuação de professores , artes visuais , Paraná

Resumo

Neste trabalho, objetivando identificar as relações intrínsecas entre formação docente e atuação, assim como as assimetrias entre as propostas curriculares e a construção de um novo perfil de professor e de ensino de artes visuais articulados às exigências da contemporaneidade, analisamos, à luz do materialismo histórico-dialético, dados sobre as Licenciaturas em Artes Visuais do estado do Paraná. Tais dados são oriundos da pesquisa de mestrado e de pós-doutorado das autoras, ambas realizadas pelo PPGAV-UDESC. A partir de metodologia quali-quantitativa, com base em Creswell (2010), mapeamos a quantidade e localização das licenciaturas no Paraná constatando que o atendimento da demanda educacional da disciplina de Arte na Educação Básica mantém-se aquém das necessidades reais. Identificamos, ainda, que somente 50% dos cursos estão em consonância, de forma plena, com documentos norteadores e leis que interferem em seus currículos. Tal perspectiva teórico-metodológica indicou que a formação-atuação docente é perpassada pelos princípios de ordem socioeconômica e política que permeiam a práxis educativa contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Consuelo Schlichta, Valéria Alvarenga, UDESC - PPGAV - CEART

Mestre em Artes Visuais (PPGAV/UDESC). licenciada em Artes Visuais pela UFPR. Professora de Arte pela SEED/PR.

 

Referências

ALVARENGA, V. M. O projeto de Lei no 7.032/10 prevê linguagens artísticas separadas na Educação Básica: será o fim da polivalência? Linguagens – Revista de Letras, Ar- tes e Comunicação, Blumenau, v. 7, n. 3, p. 261-275, set./dez. 2013.

BOSI, A. Plural, mas não caótico. (Org.). Cultura brasileira: temas e situa- ções. São Paulo: Ática, 1992.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 30 maio 2015.

. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Brasília, DF: MEC/SEF, 2001. v. 6.

. Presidência da República. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Brasília, DF 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2015.

. Presidência da República. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. História da Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Brasília, DF 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2015.

. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educa- ção Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Artes Visuais, bacharelado e licenciatura. Brasília, DF 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2014.

. Projeto de Lei nº 7.032, de 24 de março de 2010. Altera os §§ 2º e 6º do artigo 26 da lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, para instituir, como conteúdo obrigatório no ensino de Artes, a música, as artes plásticas e as artes cênicas. Brasília, DF 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

BUJÁN, F. La construcción de un observatorio latinoamericano de la formación de profesores de artes en las universidades. Revista Educação, Artes e Inclusão, v. 8, n. 2, 2013.

CANCLINI, N. G. A socialização da arte: teoria e prática na América Latina. São Paulo: Cultrix, 1984.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tra- dução de Magda Lopes. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CURITIBA. Currículo Básico: uma contribuição para a escola pública brasileira. Secre- taria Municipal da Educação. Curitiba: Imprensa Oficial, 1988.

FONSECA DA SILVA, M. C. R. Formação de professores de arte e perspectivas de atu- ação política. In: ENCONTRO REGIONAL DA FEDERAÇÃO DE ARTE EDUCADORES DA REGIÃO SUL, 2.; SIMPÓSIO DA LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS, 3., 2010. Anais... 23 a 27 ago. 2010.

. Formação do Professor de Arte: da formação na licenciatura à formação continuada. 2013. Disponível em: <http://www.revista.art.br/site-numero-14/maria- cristina-rosa.pdf >. Acesso em: 25 abr. 2014.

HILLESHEIM, G. B. D. Um olhar para as pesquisas que abordam a formação de pro- fessores de artes visuais: caminhos percorridos e a percorrer. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Artes, Flo- rianópolis, 2013.

KLEIN, L. Cadernos da Escola Guaicuru. Elaboração da Proposta Pedagógica para o Ensino Fundamental Ciclo I e II. Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul, MS, 2000. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2015.

MARX, K.; ENGELS, F. Crítica da educação e do ensino. Introdução e notas de Roger Dangeville. Lisboa: Moraes, 1978.

MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Lisboa. Edições 70, 1989. SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Tradução de Ernani F. da

F. Rosa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SAVIANI, D. Educação socialista, pedagogia histórico-crítica e os desafios da socieda- de de classes. In: LOMBARDI, J.; SAVIANI, D. (Orgs.). Marxismo e educação: debates contemporâneos. Campinas: Autores Associados: HISTEDBR, 2005.

. O lunar de Sepé: paixão, dilemas e perspectivas na educação. Campinas: Autores Associados, 2014.

VASCONCELLOS, Sônia Tramujas. As mudanças nos cursos de formação de profes- sores de artes visuais: entre claridades e sombras. In: Anais do I Encontro do Grupo de Pesquisa em Arte, Educação e Formação Continuada. p. 1 - 8. Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba/PR, 2010.

Downloads

Publicado

2015-12-18

Como Citar

ALVARENGA, Consuelo Schlichta, Valéria. O CURRÍCULO DAS LICENCIATURAS EM ARTES VISUAIS NO PARANÁ: AS INTERFERÊNCIAS DO PROPOSTO NA LEI PARA A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DO PROFESSOR. Palíndromo, Florianópolis, v. 7, n. 14, p. 081–101, 2015. DOI: 10.5965/2175234607132015081. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/6853. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta