A formação dos professores de Arte do Instituto Federal do Paraná: construindo um perfil do corpo docente e suas práticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234614322022220

Palavras-chave:

Educação profissional e tecnológica, Ensino de arte, Formação docente, Omnilateralidade, Práticas educativas

Resumo

O presente artigo tem por objetivo identificar a formação acadêmica dos docentes efetivos de Arte do Instituto Federal do Paraná. Propõe verificar, também, junto às ementas e os roteiros de análise dos projetos pedagógicos dos cursos (PPC) técnicos integrados da instituição, às principais áreas/linhas de atuação profissional e tentativas de integração para traçar um perfil desse corpo docente. Para isso, foi desenvolvida uma pesquisa qualitativa, de caráter descritivo e documental publicados nos sites dos campi e na página da pró-reitoria de gestão de pessoas (PROGEPE). O estudo revela que o IFPR se constitui no presente momento em uma instituição com 26 campi, com 43 docentes efetivos de Arte, com formações diversas dentro da área de arte - embora sem nenhum profissional com formação específica em Dança. Há casos de profissionais sem formação ministrando o componente, além de uma extrema dificuldade em legitimar o ensino de arte no contexto institucional, ora por uma resistência interna da gestão em reconhecer a relevância da área para a formação humana e profissional, ora pela indisponibilidade de espaços adequados para as práticas educativas em Arte.

Biografia do Autor

Katyuscia Sosnowski, Instituto Federal do Paraná (IFPR)

Doutora em informática na Educação (UFRGS), Mestre em Artes Visuais (UDESC), especialista em Arte- Educação e tecnologias contemporâneas (UNB), graduada em Educação Artística - habilitação em Artes Plásticas  (FAP). Pesquisadora sobre educação a distancia e formaçao de professores de arte pela internet. Experiencia em cursos de educação à distância e presencial na área de ensino das Artes visuais, Formação de professores de arte.

Everton Ribeiro, Instituto Federal do Paraná (IFPR)

Doutor em Educação, Mestre em Educação, Bacharel em Artes Cênicas, Licenciado em Teatro e Licenciado em Pedagogia. docente do IFPR do Mestrado–ProfEPT.

 

 

Referências

ALVARENGA,Valéria Metroski. Os concursos públicos para professores de arte da educação básica privilegiam alguma linguagem artística? Revista Digital do Laboratório de Artes visuais Disponível em : https://periodicos.ufsm.br/revislav/

article/view/143852015. Acesso em: 28 set. 2021.

BATISTA, L. Luciana. TERRAZA, H. Cristiane. Espaços e tempos escolares: formação humanística e implicações da lei 13,415/2017 e BNCC no ensino médio de arte nos instituto Federais de educação, Ciência e Tecnologia. ATAS DO XXVI COLÓQUIO DA AFIRSE PORTUGAL Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Lisboa 2019 186-194, 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 23 ago. 2021.

BRASIL. Lei n. 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial da

República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 ago. 2008. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 23 ago. 2021.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da

República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 dez. 2008. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 20 ago. 2021.

BRASIL. Lei n. 13.278, de 2 de maio de 2016. Altera o § 6º do art. 26 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 3 mai. 2016. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 23 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. 4. ed. Brasília: Setembro, 2021. Disponível em: http://cnct.mec.gov.br. Acesso em: 28 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Dezembro,2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 28 set. 2021.

CRUVINEL, T. Qual o futuro da disciplina Arte a partir da BNCC do Ensino Médio?. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 40, p. 1-23, 2021.Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/

article/view/18970. Acesso em: 29 set. 2021.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2010.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação omnilateral. In. CALDART, Roseli Salete (org.) Dicionário da Educação do Campo. / Organizado por Roseli Salete Caldart, Isabel Brasil Pereira, Paulo Alentejano e Gaudêncio Frigotto. – Rio de Janeiro, São Paulo:Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l191.pdf Acesso em 26 set. 2021

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ (PR). Edital de Concurso Público nº 134/2012 - PROGEPE. Provimento de vagas de Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, Classe “D I”, Nível 1. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23. abr. 2012. Disponível em: www.reitoria.ifpr.edu.br. Acesso em: 26 set. 2021.

LOPES, Josiane Paula Maltauro; O componente curricular de arte/música na educação profissional: a visão do docente a respeito do currículo nos cursos técnicos integrados ao Ensino Médio dos Institutos Federais, Rio de Janeiro, 2018

Tese de doutorado.

Projeto Político Pedagógico do curso técnico em Eletromecânica (2014).Disponível em: https://assis.ifpr.edu.br/nossos-cursos/cursos-tecnicos/eletromecanica-integradoensino-medio/ppc-projeto-politico-pedagogico/. Acesso em 22 set 2021.

Projeto Político Pedagógico do curso técnico em Programação de Jogos Digitais (2018). Disponível em: https://telemaco.ifpr.edu.br/cursos-tecnicosintegrados/programacao-de-jogos-digitais/. Acesso em 23 set 2021.

SOUSA, J., Jr. (1999) Politecnia e Omnilateralidade em Marx. Trabalho & Educação - Revista do NETE, 5, 98-114. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/7540. Acesso em 25 set. 2021.

ZANELLA, Katerine. A defesa do ensino e aprendizagem de arte para a formação omnilateral: uma crítica a disciplina de arte na política educacional brasileira e do estado do paraná (1990 a 2018). 2021. 186 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão, 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

SOSNOWSKI, K.; RIBEIRO, E. A formação dos professores de Arte do Instituto Federal do Paraná: construindo um perfil do corpo docente e suas práticas. Palíndromo, Florianópolis, v. 14, n. 32, p. 220-237, 2022. DOI: 10.5965/2175234614322022220. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/21105. Acesso em: 23 jan. 2022.