Programa de práticas expressivas, por meio da arte, na escola básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234607132015025

Palavras-chave:

educação , educação estética, arte , sensibilidade , emoção

Resumo

Em nossa sociedade, que apresenta muitos problemas sociais, a escola pode cumprir um importante papel na formação humana, oferecendo um ensino que enfatize o desenvolvimento sensível, integrando as várias áreas do conhecimento e incentivando as competências sociais e emocionais. De acordo com texto dos Parâmetros Curriculares Nacionais a educação deve estar comprometida com a cidadania, o que significa contemplar as questões sociais e ambientais como objeto de reflexão. Para isso, deve-se pensar a educação interligada com áreas da atividade humana que desenvolvem a sensibilidade e a emoção: a arte e a estética. Entende-se que uma educação que tenha a arte como colaboradora, pode auxiliar na formação de uma sociedade mais humanizada. Esta pesquisa avaliou um Programa de atividades expressivas através da Arte, em uma escola de ensino básico, com o objetivo de contribuir com a formação humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, A. M. T. B. Arte-educação no Brasil: das origens ao modernismo. São Paulo: Perspectiva, 1978.

BARBOSA, A. M. T. B.; COUTINHO, R. G. Ensino da arte no Brasil: aspectos históricos e medotológicos, 2011. Disponível em: http://acervodigital.unesp.br. Acesso em: 23.06.2012.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2007, 116 p. (Coleção Pri- meiros passos, 20)

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Arte, 1997. Disponível em: http: http://portal.mec.gov.br. Acesso: 20.03.2014.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Introdução aos parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental – Arte, 1998a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 30.11.2012.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Apresentação dos Temas Transversais, 1998b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 31.05.2012.

BRASIL. Câmara dos Depudados. Lei Darcy Ribeiro - LDB: Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 8.ed., 2013. Disponível em: http://bd.camara.gov.br. Acesso em: 15.09.2013.

BRASIL. Serviço social do comércio. Públicos de cultura, 2014. Disponível em: http:// www.sesc.com.br/portal/site/publicosdecultura. Acesso em 14.05.2014.

CAMARGO, D.; BULGACOV, Y. L. M. A perspectiva estética e expressiva na escola: arti- culando conceitos da psicologia sócio-histórica. Psicologia em estudo, v.13, n.3 pp.467 – 475, jul./set. 2008.

CAMPBELL, E. Educar para uma sociedade mais humana. In: CAMPBELL, E. (Org.) In: Construindo um futuro comum: educando para a integração na diversidade. pp. 41 - 61, 2002 Brasília: Edições UNESCO. 264 p.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. (2007). O que é filosofia? 2.ed. Rio de Janeiro, Editora 34,2007. 279 p.

DESSEN, M. A.; POLONIA, A. C. A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, 17 (n.36), pp. 21 - 32, 2007. Disponível em www.scielo.br/ paideia. Acesso em: 94.06.2012.

FISCHER, E. A necessidade da arte. 9.ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987. 256 p.

GONZÁLEZ REY, F.L. A subjetividade e seu significado atual na construção do pensa- mento psicológico. In: . Sujeito e subjetividade (pp. 199 - 275). São Paulo,Thomson Learning¸ 2003.

GONZÁLEZ REY, F.L. As categorias de sentido, sentido pessoal e sentido subjetivo: sua evolução e diferenciação na teoria histórico-cultural. Psicologia da educação, v.24, pp. 155 - 179, 1.sem., 2007. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psie/n24/ v24a11.pdf. Acesso em: 04.02.213.

GRUMAN, M. Caminhos da cidadania cultural: o ensino de artes no Brasil. Educar em Revista, Curitiba: Editora UFPR, v.45, pp. 199 - 211, 2012.

LAVE, J.; WENGER, E. Prática, pessoa, mundo social. In DANIELS, H. Uma introdução a Vygotsky. (pp. 199 – 275). São Paulo: Edições Loyola, 2002.

MANSO, A. Da necessidade de uma educação estética: contributo para uma nova abor- dagem existencial. Itinerários de filosofia da educação, v.3, pp. 101 – 115, maio 2006. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10435. Acesso em: 12.11.2012.

NUNES, B. Introdução à filosofia da arte. São Paulo: Ática, 1991. 125 p.

PARANÁ (Estado). Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Diretrizes curricula- res da educação básica: arte, 2008. Disponível em: http://www.educadores.diaadia. pr.gov.br. Acesso em; 26.09.2013.

PINO, A. A produção imaginária e a formação do sentido estético: reflexões úteis para uma educação humana. Pro-Posições, v.17, n.2, pp. 47 - 69, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/50_dossie_pi- no_a.pdf. Acesso em: 22.01.2014.

POWER, C.N. A resposta da UNESCO ao desafio de criar unidade na diversidade. In: CAMPBELL, E. (Org.) Em Construindo um futuro comum: educando para a integração na diversidade. (pp. 41-61), Brasília: Edições UNESCO, 2002.

SOUZA, P. R. Uma nova sociedade e uma nova educação. Revista USP, v. 74, pp. 80-93, 2007.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007, 168p.

WENGER, E. Comunidades de práctica: Aprendizaje, significado e identidad. 2. ed. Ma- drid: Paidós, 2011. 352 p.

Downloads

Publicado

2015-08-06

Como Citar

BARREIRA, Dulcineia Beatriz; CAMARGO, Denise de. Programa de práticas expressivas, por meio da arte, na escola básica. Palíndromo, Florianópolis, v. 7, n. 13, p. 025–044, 2015. DOI: 10.5965/2175234607132015025. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/5948. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta