Sagrada Malandragem: processo de criação e educação antirracista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/235809252712023e4518

Palavras-chave:

processos de criação, Zé Pelintra, educação antirracista, teatro

Resumo

Este artigo parte de encruzilhadas e urgências envoltas no processo de ensino e criação do espetáculo cênico intitulado Sagrada Malandragem, inspirado em Zé Pelintra e na malandragem sagrada de matriz afro religiosa. Montado junto a alunos de cursos técnicos da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará, o espetáculo é o disparador de análise acerca dos processos de ensino e criação cênica desenvolvidos pelos professores-diretores e orientados por uma perspectiva antirracista. As pedagogias que atravessam a montagem do espetáculo buscam estratégias de educação pela diversidade e de ruptura com paradigmas opressores de racialidade, evidentes tanto do ponto de vista da encenação, quanto da música de cena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thales Branche Paes de Mendonça, Universidade Federal do Acre

Artista multidisciplinar, professor e pesquisador em artes da cena. Possui graduação em Letras pela Universidade Federal do Pará (2008), mestrado e doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFBA (2012 e 2017), com estágio sanduíche na Universidade de Paris X Ouest Nanterre La Défense (2015-2016). Tem experiência artística nas linguagens do teatro, da música, da dança e da performance, tendo participado de mais de 50 espetáculos, apresentando-se em espaços convencionais e não-convencionais. Também possui experiência de participação como brincante em espetáculos da cultura popular, tais como cordões de bicho, pássaro junino, boi de máscaras, cavalo marinho e marujada. Desde 2020 está vinculado ao Centro Artístico Internacional Roy Hart (Maléargues - França) em vias de aquisição da certificação de professor de voz, sob a mentoria de Linda Wise e Enrique Pardo, co-diretores do Panthéâtre ACTS (Paris-França). Atualmente reside em Belém do Pará, onde atua como professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto de Ciências da Arte na Escola de Teatro e Dança da UFPA e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Artes da UFPA. Atua remotamente como professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFAC. Trabalha como ator, músico, diretor teatral, diretor musical e preparador vocal. Tem experiência na pesquisa em artes com ênfase em Processos de Criação, Etnocenologia e Performance Vocal. 

Andréa Bentes Flores, Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará

Mulher afroamazônida, atriz, palhaça, dramaturga e diretora de Teatro na cidade de Belém-PA. Performa os espetáculos solo Rala, Palhaço! (2015), Curupirá (2018), mEU pOEMA iMUNDO (2020) e Divinas Cabeças (2021). Membra co-fundadora do Coletivas Xoxós (Belém,PA), grupalidade teatral amazônida que pesquisa protagonismo de mulheres, bioescrituras cênicas (a própria vida como matéria dramatúrgica), comicidades e o teatro ao alcance do tato, onde desenvolve as funções de direção, dramaturgia e atuação. Co-criadora da poética do Teatro Dadivoso, situada nas bordas do Teatro, da espiritualidade e do cuidado poético e político de pessoas e coletividades. Integra o Portal de Dramaturgia (www.portaldedramaturgia.com), que reúne 100 perfis da dramaturgia brasileira contemporânea, tendo sido convidada como um dos perfis da região Norte do país. Membra do Coletivo Filhos de Iracema e do Coletivo Incendiárias. Professora efetiva da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará (ETDUFPA), onde coordena o projeto de pesquisa "Curupirações Cênicas: poéticas de re-existência e regimes de colonialidade nas artes da cena na Amazônia", bem como o "Laboratório Criaturas: Palhaçarias, Comicidades e Decolonialidades". Coordenadora da Especialização Técnica de Nível Médio em Dramaturgia (ETDUFPA). Coordenadora do GEPETU- Grupo de Estudo, Pesquisa e Experimentação em Teatro e Universidade, credenciado pela UFPA e CNPq. Doutora em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais (DINTER/EBA/UFMG). Mestre em Artes pelo Instituto de Ciências da Arte da UFPA (ICA/UFPA). Especialista em Estudos Contemporâneos do Corpo: Criação, Difusão e Recepção (ETDUFPA/ICA/UFPA. Graduada no Curso Técnico de Formação em Ator (ETDUFPA). Graduada em Terapia Ocupacional (UEPA).

Marluce Souza de Oliveira, Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará

Mestra em Artes pelo Programa de Pós Graduação da Universidade Federal do Pará - PPGARTES- 2013, na linha de pesquisa Trânsitos e Estratégias Epistemológicas em Artes nas Amazônias . Possui graduação em Educação Artística. Licenciatura. Hab. Música pela Universidade Federal do Pará (2005). Atriz formada pela Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará(1997). De 2001 a 2009 foi coordenadora do Projeto Arte Educação do Instituto Universidade Popular-UNIPOP, no momento é professora da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará nos cursos técnicos e graduação. Tem experiência nas áreas de Música, Sonoplastia e Artes Cênicas, com ênfase em teatro e canto, atuando principalmente nos seguintes temas: Direçao, Interpretação (atriz), Bailarina, Canto, Voz e Dicção.

Referências

AUTORIA COLABORATIVA. Sagrada Malandragem: uma dramaturgia colaborativa. 2022. Não publicado.

CARNEIRO, Janderson Bax. Para ver quem vem na umbanda: Zé Pelintra e a malandragem na prática religiosa umbandista. Curitiba: Appris, 2020.

CARNEIRO, Sueli. Dispositivo de racialidade: a construção do outro como não ser como fundamento do ser. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2023.

LIGIÉRO, Zeca. Malandro divino: a vida e a lenda de Zé Pelintra, personagem mítico da Lapa carioca. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Era, 2010.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

MENDONÇA, Thales Branche Paes de; FLORES, Andréa Bentes; OLIVEIRA, Marluce Souza de. Sagrada Malandragem: processo de criação e educação antirracista. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 27, n. 2, 2023. DOI: 10.5965/235809252712023e4518. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/24518. Acesso em: 19 abr. 2024.