Alfabetização Intercultural - exercícios de formação docente indígena na pandemia por meio do Instagram

Autores

  • Josélia Gomes Neves

DOI:

https://doi.org/10.5965/10.5965/235809252612022e2301

Palavras-chave:

Alfabetização Intercultural, Formação docente indígena, Pandemia, Instagram

Resumo

O texto em tela trata de uma elaboração acadêmica desenvol- vida no Grupo de Pesquisa em Educação na Amazônia por meio da Linha de Pesquisa Alfabetização e Cultura escrita da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). A finalidade foi analisar os resultados do projeto de pesquisa “Alfabetização Intercultural no Instagram: exercícios de formação docente indígena” desenvolvido de 2021 a junho de 2022 por meio da pesquisa bibliográfica, documental e narrativa. Os resultados sugerem que as plataformas digitais são importantes por assegurar a comunicação interativa, o cumpri- mento dos protocolos sanitários e a ocupação do espaço ciber- nético que neste contexto pode representar um amplo local de formação e de desenvolvimento e transferência de novas tecno- logias e inovação. Inferimos que o projeto propiciou uma ação formativa sobre o ingresso de povos indígenas nas atuais culturas do escrito por meio de possibilidades estéticas digitais, específicas e diferenciadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josélia Gomes Neves

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Docente da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) no curso Licenciatura em Educação Básica Intercultural e no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEM). Líder do Grupo de Pesquisa em Educação na Amazônia (GPEA).

Referências

ALMEIDA, Rogério de. Cinema e educação: fundamentos e perspectivas.

Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 1-27, 2017.

BERBER SARDINHA, T.; MADUREIRA,S.; BRASIT, B.; SOUZA-E- SILVA, M.C.P.; CAMARGO, Z.; SPAGNUOLO, R.L.; BRAZ, A.A.B. Portal multimodal/multilíngue para o avanço da Ciência Aberta nas Humanidades. Cadernos de Linguística, v. 2, n.4, e406, 11 set. 2021.

BRASIL. Lei no 6.001 - Estatuto do Índio. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6001.htm Acesso em: 12 mai. 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Brasília. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9.394. Diário Oficial da União, Brasília, p. 27833- 6544 de 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as escolas indí- genas. Brasília. MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares em Ação. Alfabetização. Secretaria de

Educação Fundamental. Brasília: MEC, 1999.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024. Lei no 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

BRASIL. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2022. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Brasília, 2016.

BRASIL. Portaria no 1.122, de 19 de março de 2020. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Brasília, 2020.

BRASIL. Portaria no 1.329, de 27 de março de 2020. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Brasília, 2020.

CUNHA, Maria Isabel da. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, v. 23 n. 1-2 São Paulo jan./dec. 1997.

FERREIRO, Emília. Reflexões sobre a Alfabetização. 2. ed. São Paulo: Cortez/Editores Associados, 1985.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

FERREIRO, Emília. Cultura Escrita e Educação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

FERREIRO, Emília. O ingresso na escrita e nas culturas do escrito. São Paulo: Cortez, 2013.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pesquisa Ação-Pedagógica: práticas de empoderamento e participação. Educ. Temat. Digit. Campinas, SP. v.18 n.2 p. 511-530 abr./jun. 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 23. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 49. ed. São Paulo: Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo . Pedagogia da esperança. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MACEDO, A. V. L. da S. A alegria da descoberta: uma experiên- cia construtivista de

alfabetização. In: LOPES DA SILVA, A; FERREIRA, M. K. L. (orgs.). Práticas Pedagógicas na escola indígena. São Paulo: Global, 2001.

MELIÁ, Bartomeu. Educação Indígena e Alfabetização. São Paulo: Edições Loyola, 1979.

MINDLIN, Betty. Aprendiz de origens. Revista Estudos Avançados. São Paulo, 1994.

MONSERRAT, R; EMIRI, L. A conquista da escrita: encontros de educação indígena. Cuiabá-MT: Iluminuras, 1989.

MONTE, Nieta. Alfabetização e Pós-Alfabetização: uma expe- riência de autoria.

Em aberto, Brasília, ano 3, n. 21 ,(abr./jun.)1984.

MUNDURUKU, Daniel. Literatura indígena e o tênue fio entre escrita e oralidade. Disponível em: http://insurretosfuriosos- desgovernados.blogspot.com Acesso 18/07/2009.

NASCIMENTO, Elilson Gomes de; SOUZA, Eva Marinho de. Analisando “o leitor”: a multimodalidade como intersecção entre letramento e analfabetismo. Revista Ao pé da Letra, v. 16, n. 1, p. 11-28, 2014.

NEVES, Josélia Gomes. A Psicogênese na Aldeia: refletindo o processo de alfabetização com professores e professoras indí- genas. Revista P@rtes, São Paulo, out., 2005.

NEVES, Josélia Gomes. Alfabetização Intercultural e apropriação da cultura escrita em áreas indígenas: fragmentos de um deba- te. 2006. Revista Partes, São Paulo, out., 2006.

NEVES, Josélia Gomes. Cultura escrita em contextos indíge- nas. Orientadora: Maria Rosa Rodrigues Martins de Camargos. 2009. 369f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) Universidade Estadual Paulista, Campus de Araraquara-SP, 2009.

NUNES, Franciele de Oliveira. Alfabetização Intercultural: O ler e o escrever na perspectiva docente indígena Amondawa. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Campus de Ji-Paraná. Fundação Universidade Federal de Rondônia. Departamento de Ciências Humanas e Sociais. (DCHS) 2018.

REVISTA NOVA ESCOLA. O que são os recursos educacionais abertos? 8 de setembro de 2015. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/4648/o-que-sao-recursos- -educacionais-abertos Acesso em: 12 mai. 2022.

SANTOS, Vanúbia Sampaio dos. Alfabetização Intercultural na escola indígena Zoró Pangyjẽj. 344f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Maringá. Progama de Pós-Graduação em Educação. Maringá - PR, 2020.

SURUÍ, Naraykopega. Alfabetização Intercultural Paiter Suruí: historiografando trajetórias do tempo ágrafo à cultura escrita. Orientadora: Josélia Gomes Neves. 45f. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Universidade Federal de Rondônia, Campus de Ji-Paraná. Departamento de Educação Intercultural. (DEINTER), 2015.

VALADARES, Simoni., Braga, A. O., & BARBIN, S. Tecnologias digitais como ferramentas para a manutenção e fortaleci- mento das línguas indígenas da Amazônia brasileira e áreas transfronteriças. Seminário Compartilhamento de Experiências Bibliotecas Cruesp, São Paulo, Brasil, 2005.

WEISZ, Telma. O Diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2000.

Downloads

Publicado

2023-04-05

Como Citar

GOMES NEVES, Josélia. Alfabetização Intercultural - exercícios de formação docente indígena na pandemia por meio do Instagram. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 27, n. 1, p. 168, 2023. DOI: 10.5965/10.5965/235809252612022e2301. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/23183. Acesso em: 21 fev. 2024.