Concepções de bom aluno na visão de professoras/es aposentados da rede estadual de ensino de Santa Catarina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823522022217

Palavras-chave:

professoras/es aposentados, bom aluno, mérito escolar

Resumo

Este artigo objetiva analisar atributos conferidos ao bom aluno por professoras/es aposentados da rede estadual de ensino de Santa Catarina, erigidos tendo em vista as seguintes características: atributos primários, que emergem sob a égide da herança familiar; atributos secundários, que consideram a condução das razões práticas desse aluno; atributos terciários, que se dão pela ordem do espaço social e atributos quaternários, que se manifestam pela ordem econômico-psíquico-simbólica. Todos eles fortemente demarcados pelos capitais econômico e simbólico. Metodologicamente, orienta a análise, a centralidade do mérito escolar, tendo como fundamentos os estudos de Dubet (2003; 2008) e como referências as representações de professoras/es. Foram analisados 894 questionários para desenhar o perfil desse contingente de professoras/es tendo como foco as variáveis carreira profissional, gênero, condição de aposentados, lugar de origem e formação. Como recurso visual, recorremos à elaboração da nuvem de palavras, proposta por Mcnaught (2010). O agrupamento das palavras ocorreu tendo por base a categoria “nível de formação” como filtro principal e as análises foram firmadas fundamentalmente em categorias elaboradas por Bourdieu em sua produção teórica, tais como herança familiar, teoria da ação, espaço social e poder simbólico. Consideramos que o atributo de bom aluno nesse caso específico, é fruto de “negociação” entre escola e família e resulta das representações que cada uma dessas instituições constrói sobre a outra. Essas representações variam segundo as categorias sociais e os “contratos pedagógicos” que são matizados pelo grau de confiança mútua e de clareza das exigências visíveis, explícitas, mas essencialmente pelas veladas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilândes Mól Ribeiro de Melo, Instituto Federal Catarinense (IFC)

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGe) da Universidade Federal de Santa Catarina, com estudo desenvolvido na Linha de Pesquisa Sociologia e História da Educação (2014). Mestre em Educação (2008) e Licenciada em Pedagogia (2005) pela Universidade Federal de Santa Catarina com habilitação em Supervisão Escolar e Séries Iniciais. Desenvolveu pesquisa na Linha: Educação, História e Política. Professora em caráter temporário na Universidade Federal de Santa Catarina e com experiência na Rede Estadual de Ensino do Estado de Santa Catarina. Possui experiência na área de educação específica, com ênfase na Pedagogia Hospitalar (Atendimento Escolar Hospitalar). Temas de interesse: fenômenos sociais que possam ser analisados e compreendidos tanto da perspectiva histórica, quanto sociológica da Educação tais como socialização profissional, intelectuais e projetos educacionais, instituições de pesquisa, formação de professores. Membro do Grupo de Pesquisa, Ensino e Formação de Educadores em Santa Catarina desde 2003 (GPEFESC). Participa também de estudos sobre o intelectual Pierre Bourdieu desenvolvidos pelo LAPSB/GPEFESC na Universidade Federal de Santa Catarina. Membro do Grupo de Pesquisa LABORATÓRIO DE PESQUISAS SOCIOLÓGICAS PIERRE BOURDIEU (LAPSB). Atualmente é professora no Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú, atuando nos cursos de Licenciatura em Pedagogia e Matemática; é coordenadora do Curso de Pedagogia dessa Instituição; coordenadora do Grupo de Pesquisa Saberes, Fazeres e Discursos da Docência. Atua como professora no Programa de Pós Graduação Strictu Sensu em Educação - Mestrado - do Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú.

Ione Ribeiro Valle, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui pós-doutorado pela École des Hautes Études en Sciences Sociales - Paris (2014), doutorado em Ciências da Educação pela Université René Descartes - Paris V Sorbonne (2001), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (1991) e graduação em Pedagogia pela Universidade do Planalto Catarinense (1976). Atualmente é professora associada do Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de Santa Catarina e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1D. Na Universidade Federal de Santa Catarina atua na Graduação em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação, orientando trabalhos de Iniciação Científica, dissertações de mestrado e teses de doutorado. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSC (2014-2016). Coordena atualmente o Grupo de Pesquisa Ensino e Formação de Educadores em Santa Catarina - GPEFESC/CNPq e o Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB/CNPq). Desenvolve estudos e pesquisas na área de Educação e nas subáreas Sociologia e História da Educação, com foco principalmente nos temas: desigualdades escolares, democratização da educação, meritocracia, justiça escolar, profissionalização do magistério, memória docente e socialização profissional. Possui vários trabalhos publicados em periódicos científicos e em livros nacionais e estrangeiros. Tem realizado traduções de artigos e de livros do francês para o português na área da sociologia da educação.

Referências

BOURDIEU, Pierre. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997.

BOURDIEU, Pierre. O senso prático. Petrópolis: Editora Vozes, 2009. (Coleção Sociologia)

BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BOURDIEU, Pierre; CHAMBOREDON, Jean-Claude; PASSERON, Jean-Claude. Ofício de sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (coord.). Usos e abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 183-191.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

BORTOLANZA, Juarez. Trajetória do ensino superior brasileiro–uma busca da origem até a atualidade. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA, 17, 2017, Mar del Plata. Anais [...]. Argentina, 2017. p. 1-16. Tema: Universidade, desenvolvimento e futuro na Sociedade do Conhecimento.

BRANDÃO, Ana Maria. Entre a vida vivida e a vida contada: a história de vida como material primário de investigação sociológica. [S.l.: s.n.], 2007. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/9630/3/Entre%20a%20Vida%20Vivida%20%282%29.pdf. Acesso em: 10 jun. 2013.

CAMARGO, Brigido Vizeu; JUSTO, Ana Maria. IRAMUTEQ: UM SOFTWARE GRATUITO PARA ANÁLISE DE DADOS TEXTUAIS. TEMAS EM PSICOLOGIA, Ribeirão Preto, v. 21, n. 2, p. 513-518, 2013.

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. A meritocracia na educação brasileira. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 12, p. 209-213, jan./jun. 2013.

DUBET, FRANÇOIS. O que é uma escola justa? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 123, set./dez. 2004.

DUBET, François. O que é uma escola justa? a escola das oportunidades. São Paulo: Cortez, 2008.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latinoamericanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, Set. 2005. p. 133- 168. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2020. (Colección Sur Sur). E-book.

FONSECA, Cláudia. Quando cada caso não é um caso: pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, São Paulo: Anped, n. 10, p. 58-78, jan./abr. 1999.

GLAT, Rosana. Somos iguais a vocês: depoimentos de mulheres com deficiência mental. Rio de Janeiro: Agir, 1989.

HOBSBAWM, Eric. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MAGALHÃES, Lívia Diana Rocha. Educação, história e memória: uma aproximação do estudo geracional. Revista HISTEDBR on line, Campinas: UNICAMP, n. 28, p. 61-65, 2007.

MCNAUGHT, Carmel. Using wordle as a supplementary research tool. The Qualitative Report, Hong Kong, v. 15, n. 3, p. 630-643, May 2010. Available in: http://www.nova.edu/ssss/QR/QR15-3/mcnaught.pdf. Access in: 18 mar.2021

MELO, Marilândes Mól Ribeiro de. “Não sei se valeu à pena ter sido professor, mas foi uma vida”: convergências e divergências entre o projeto de modernização do governo catarinense e o corpo docente da rede estadual de ensino de Santa Catarina (década de 1960). 2014. 391f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

OLIVEIRA, Pedro Paulo. Illusio: Aquém e além de Bourdieu. MANA, s.l. (sine loco), v. 11, n. 2, p. 529-543, 2005.

PÉREZ, Carmen Lúcia Vidal. O lugar da memória e a memória do lugar na formação de professores: a reinvenção da escola como uma comunidade investigativa. In: 26ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 26., Poços de Caldas , 2003. Anais eletrônicos [...]. Poços de Caldas: editora, 2003. Disponível em: http://26reuniao.anped.org.br/ Acesso em: 24 fev. 2020. Tema: Novo Governo. Novas Políticas?

PINTASSILGO, Joaquim António de Sousa. História da formação de professores. Lisboa: Universidade de Lisboa, Instituto de Educação, 2011.

PORTELLI, Alessandro. Tentando aprender um pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na História Oral. Revista Projeto História, São Paulo, v. 15, p. 13-49, abr. 1997.

RIBEIRO, Vanda Mendes. Que princípio de justiça para a educação básica? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 44, n. 154, p. 1094-1109, 2014.

RABELO, Amanda Oliveira; MARTINS, António Maria. A mulher no magistério brasileiro: um histórico sobre a feminização do magistério. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/266244820. Acesso em: 06 jan. 2020.

RODRIGUES, Milena; HARUMI AYABE, Noelle; FROLLINI LUNARDELLI, Maria Cristina; CANÊO, Luiz Carlos. A preparação para a aposentadoria: o papel do psicólogo frente a essa questão. Revista Brasileira de Orientação Profissional, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 53-62, jun. 2005.

SANTOS, Natalia da Silva Malagutti; FERREIRA, Camila Cristina; FERREIRA, Thiago Spiri. A herança familiar e o rendimento acadêmico: a relação entre os capitais herdados e o rendimento acadêmico no ENADE 2015. SEMEAD - SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 20, 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: editora da USP, nov. 2017. p. 1-15. ISSN 2177-3866.

SCHEIBE, Leda; VALLE, Ione Ribeiro. A formação dos professores no Brasil e em Santa Catarina: do normalista ao diplomado na educação superior. In: NASCIMENTO, A.D.; HETKOWSKI, Tania Maria. (orgs.). Memória e formação de professores [online]. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 256-271. Disponível em: https://books.scielo.org/id/f5jk5/pdf/nascimento-9788523209186-16.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

SCHNEIDER, Juliete. A democratização do acesso ao ensino secundário pela expansão do ciclo ginasial normal em Santa Catarina (1946-1969). 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) − Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

SPINDOLA, Thelma; SANTOS, Rosângela da Silva. Trabalhando com a história de vida: percalços de uma pesquisa(dora?). Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 119-26, 2003.

VALLE, Ione Ribeiro. A era da profissionalização: formação e socialização profissional do corpo docente de 1ª a 4ª série. Florianópolis: Cidade Futura, 2003.

VALLE, Ione Ribeiro. Justiça na escola: das desigualdades justas à igualdade sem adjetivos. In: Educação escolar e justiça social. Florianópolis: NUP, 2010. p. 19-48.

VALLE, Ione Ribeiro. (In)justiça escolar: estaria em xeque a concepção clássica de democratização da educação? Educ. Pesqui., São Paulo, p. 659-671, 2013.

Downloads

Publicado

2022-08-19

Como Citar

MELO, M. M. R. de; VALLE, I. R. Concepções de bom aluno na visão de professoras/es aposentados da rede estadual de ensino de Santa Catarina. Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 52, p. 217 - 248, 2022. DOI: 10.5965/1984723823522022217. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/18565. Acesso em: 29 set. 2022.