A economia circular e a sustentabilidade dos materiais na indústria da moda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630632022e2333

Palavras-chave:

Materiais sustentáveis, Economia circular, Biomateriais

Resumo

As matérias-primas são a base de qualquer produto e necessárias em qualquer cadeia produtiva, a indústria utiliza os mesmos insumos desde a revolução industrial, o que indicia a problemática da escalabilidade da produção e do descarte promovidos pela economia linear. A indústria da moda é considerada uma das mais poluentes, além dos métodos de produção, pouco evoluiu em consideração as matérias primas, baseando a fabricação dos seus produtos em derivados poliméricos de petróleo e algodão. Devido a alta demanda de toda a cadeia têxtil mundial, a cultura do algodão provou ser grande causadora de impactos negativos ao meio ambiente e muito pouco sustentável. Os materiais sintéticos oriundos do petróleo, tomaram conta de todos os mercados, o que também tem vindo a demonstra o seu potencial destrutivo em última instancia até mesmo para a biodiversidade. A sua degradação é lenta e demora cerca de 400 anos, deixando um rastro de destruição que inclui os microplásticos, já presentes nas cadeias alimentares e na corrente sanguínea. A indústria necessita de novas matérias-primas, que reduzam o consumo de recursos não renováveis e ampliem as alternativas principalmente aos produtos sintéticos. Assim, define-se para esse estudo a investigação do panorama atual da Industria têxtil e a sustentabilidade da indústria da moda em relação aos materiais em termos de sua ecoeficiência e modo de produção. Os resultados da pesquisa apontam para a necessidade de mudanças no processo de produção, investimentos da indústria em alternativas e uma importante redução no consumo da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Junior de Jesus Costa, Universidade do Minho

Junior Costa é licenciado em Design e aluno do Departamento de Engenharia Têxtil da Universidade do Minho, onde está a obter o mestrado em Design e Marketing de Têxteis, Vestuário e Acessórios em 2021. É investigador na área de Tecnologia e o grupo de Sustentabilidade, onde atualmente desenvolve o projeto de mestrado pela Universidade do Minho no âmbito dos Materiais Sustentáveis ​​para a indústria. Seus principais interesses de pesquisa são nas áreas de Biomateriais, Economia Circular e Sustentabilidade. É o criador da coleção Savage Garden, um projeto de conclusão de curso de bacharelado que reúne a pesquisa em design de moda com os estudos dos Transtornos Mentais abordados pela Psiquiatria. Em 2017 participou de um projeto de Iniciação Científica no Brasil pelo CNPQ, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, desenvolvendo um projeto no âmbito de Vestíveis: Interação do Corpo e do Vestuário, integrante do grupo de pesquisa Inovação em Modelagem Contemporânea, apresentado no XIII Congresso de Iniciação Científica, Tecnologia e Artística de 2018. Participou em 2019 na unidade curricular de Tecnologia e Produtos Emergentes, em conjunto com alunos de Engenharia Têxtil da Universidade do Minho, onde foi apresentada a proposta de artigo académico de Vestível com base têxtil e propriedades de acelerar a regeneração óssea e muscular de membros imobilizados. Ele foi um desenvolvedor em 2020 de uma pesquisa e proposta de um Produto Têxtil Híbrido para prevenir úlceras de pressão em cadeirantes e usuários acamados. É candidato a doutoramento com a proposta de desenvolver Biomateriais Biodegradáveis ​​e Sustentáveis ​​de Fontes Renováveis ​​para uso industrial, de forma a fomentar a Economia Circular Portuguesa. É autor de diversos projetos em importantes áreas de Tecnologia e Sustentabilidade e tem se envolvido em pesquisas para o Desenvolvimento Sustentável da Indústria nacional e internacional.

Ana Cristina Broega, Universidade do Minho

Ana Cristina Luz Broega. Concluiu o Doutoramento em Engenharia Têxtil - Ramo Física Têxtil em 2008 pela Universidade do Minho Escola de Engenharia, Mestrado em Design e Marketing em 2001 pela Universidade do Minho Escola de Engenharia e Licenciatura em Engenharia Têxtil em 1994 pela Universidade da Beira Interior. É Professor Auxiliar na Universidade do Minho - Campus de Azurém. Publicou mais de 50 artigos em revistas especializadas. Possui vários capítulos de livros. Nas suas atividades profissionais interagiu com 17 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos.

https://www.scopus.com/authid/detail.uri?authorId=35112761100

Referências

ABIT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÕES. Varejo de vestuário mostra recuperação, mas ainda está aquém dos níveis de 2019, 2021. Disponível em: <https://www.abit.org.br/noticias/varejo-de-vestuario-mostra-recuperacao-mas-ainda-esta-aquem-dos-niveis-de-2019>. Acesso em: 23/05/2022.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE CALÇADOS – ABICALÇADOS. Relatório setorial: indústria de calçados do Brasil. 2019. Disponível em: http://abicalcados.com.br/publicacoes/. Acesso em: 30 set. 2020.

AVILA, Ana Paula Santos de; MACIEL, Dulce Maria Holanda; SILVEIRA, Icléia; RECH, Sandra Regina. Os resíduos têxteis sólidos no contexto de abordagens sustentáveis: ciclo de vida, economia circular e upcycling. MIX Sustentável, Florianópolis, v. 4, n. 3, p.17 – 24, out./mar. 2018.

ABRELPE – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2020. Disponível em: https://abrelpe.org.br/panorama-2020/. Acesso em: 25/05/2022.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. (2004) ABNT NBR 10004: Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro/RJ.

BBC News. The fast fashion graveyard in Chile’s Atacama Desert. BBC News; 2022. Disponível em: https://www.bbc.co.uk/ews/av/world-60249712, Acesso em: 22 fevereiro 2022.

BRAUNGART, Michael; MCDONOUGH, William. Cradle to cradle: criar e reciclar ilimitadamente. 1. Ed. São Paulo: Editora G. Gili, 2013.

BAUDRILLARD, Jean. A Sociedade de Consumo. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70. 1988.

BRASIL. Lei n. 12.305 de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a lei n.9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília DF.

BRASIL. Decreto nº 10.936, de 12 de janeiro de 2022. Regulamenta a Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília, DF, 2022.

BOCKEN, N. M. P. et al. A literature and practice review to develop sustainable business model archetypes. Journal of Cleaner Production, v. 65, p. 42–56, 2014.

CALDAS, D. Observatório de sinais: teoria e prática da pesquisa de tendências. Rio de Janeiro, RJ: Senac Rio, 2006.

CARVALHAL, A. Moda com propósito: manifesto pela grande virada. São Paulo,SP: Estação das letras e cores, 2016.

CAMARGO, M. E. ; MOTTA, M. E. V. ; LUNELLI, M. O. ; SEVERO, E. A. Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde: Um Estudo Sobre o Gerenciamento. Scientia Plena. V. 5, n. 7, 2016.

CAMARGO, A. L. de B. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios. Campinas, 4ª ed. Papirus, 2007.

CALDERONI, S. Os Bilhões Perdidos no Lixo. 3. Ed. São Paulo: Humanitas, 1999. 343 p.

CNN Brasil. Brasil descarta mais de 4 milhões de toneladas de resíduos têxteis por ano. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/business/brasil-descarta-mais-de-4-milhoes-de-toneladas-de-residuos-texteis-por-ano/. Acesso em: 10/06/2022.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1988.

DIAS, J. A.; MORAES, A. M. F. Os resíduos sólidos e a responsabilidade ambiental pós consumo. 2. Ed. Marília: e-book, 2008. 98 p. Disponível em: http://www.prsp.mpf.gov.br/prmmarilia/sala-de-imprensa/livro_pos_consumo_2ed.pdf. Data de acesso: 01 out. 2011.

ELLEN MACARTHUR FOUNDATION. Towards the Circular Economy: Economic and Business Rationale for an Accelerated Transition. Isle of Wright: Ellen MacArthur Foundation Publications. 2015.

ELLEN MACARTHUR FOUNDATION. A new textiles economy: Redesigning fashion’s future. 2017. Disponível em: https://www.ellenmacarthurfoundation.org/assets/downloads/A-New-Textiles-Economy_Full-Report_Updated_1-12-17.pdf/. Acesso em: 20 out. 2020.

ECHEVERRIA, Claudia A.; HANDOKO, Wilson; PAHLEVANI, Farshid; SAHAJWALLA, Veena. Cascading use of textile waste for the advancement of fibre reinforced composites for building applications. Journal of Cleaner Production, [S. l.], v. 208. P. 1524 – 1536. 2019.

FLETCHER, K; GROSE, L. Moda & sustentabilidade: design para mudança. São Paulo: Editora SENAC, 2011.

FIEG. Relatório sobre o posicionamento da Industria Brasileira - 2018. Goiânia, 2018.

FIESP – Outlook FIESP – Projeções para o Agronegócio Brasileiro 2025, São Paulo, 2019.

GONÇALVES, Taynara Martins; BARROSO, Ana Flavia da Fonseca. A economia circular como alternativa à economia linear. In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DE SERGIPE, 11., 2019, Sergipe. Anais [...]. Sergipe: Editora UFS, 2019. Disponível em: https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/12561/2/EconomiaCircularAlternativa.pdf. Acesso em: Acesso em: 12 dez. 2020.

GLOBAL FOOTPRINT NETWORK. http://www.earthday.net/footprint/index.asp. Acesso em: fev. 2022.

GLOBAL FASHION AGENDA. Pulse of the fashion industry. 2017. Disponível em: https://www.globalfashionagenda.com/publications-and-policy/pulse-of-the-industry/. Acesso em: 23 ago. 2021.

GOULART, R. M. M. Desperdício de alimentos: um problema de saúde pública. Revista Integração, nº 54, p. 285-288. Jul./Ago./Set. 2008.

IEMI. INTELIGÊNCIA DE MERCADO. Estimativas para a produção de vestuário, em 2021. Disponível em: https://www.iemi.com.br/estimativas-para-a-producao-de-vestuario/. Acesso em: 17 maio 2022.

KOTLER, P. (2000). Administração de Marketing. ed. Prentice Hall: São Paulo.

KAZAZIAN, T. Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: 43Ano V, n. 1 - out. 2012/mar. 2013, Ed. SENAC São Paulo, 2009.

KERR, J., & LANDRY, J. Pulse of the fashion industry. Global Fashion Agenda & The Boston Consulting Group, 2017.

LOUREIRO, D. C, et al. Compostagem e Vermicompostagem domiciliares com esterco bovino para a produção de insumo orgânico. Pesquisa Agropecuária brasileira, Brasília, v. 42, n. 7, p. 1043 – 1048, 2007.

LIPOVETSKY, Gilles. O Império do Efêmero: A moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LEE, John David. Química Inorgânica não tão concisa. 1. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2009.

LEVI STRAUSS & CO. The life cicle of a jean- Understanding the environmental impact of a pair of Levi’s® 501® jeans. 2015.

LEITÃO, Alexandra. Economia circular: uma nova filosofia de gestão para o séc. XXI. Portuguese Journal of Finance, Management And Accounting, Santa Maria da Feira, v. 1, n. 2, 2015.

LÖBACH, B. Design industrial: bases para a configuração dos produtos industriais. s. l.: Edgar Blücher, 2001.

LORENZETTI, Luiza. A importância do reaproveitamento de resíduos têxteis em São Paulo. Portal Tratamento de Água. São Paulo, [s. n.], 2018. Disponível em: http://www.tratamentodeagua.com.br/artigo/reaproveitamento-residuos-texteis-sp/. Acesso em: 18 fev. 2020.

MARTINS, José Roberto. Branding: um manual para você criar, avaliar e gerenciar marcas. São Paulo: Global Brands, 2009.

MAHLMEISTER, E. A. P. Design de moda pós-moderno: O jeans como referência. 131f. Dissertação de Mestrado. Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo, 2009.

MORGAN, A. The True Cost: documentário. Direção e Produção de Andrew Morgan.França: Andrew Morgan, 2015.

MANZINI, E. J. Um estudo sobre as pesquisas em comunicação alternativa na pós-graduação brasileira. In: DELIBERATO, D.; GONÇALVES, M. J.; MACEDO, E.C. (Org.). Comunicação Alternativa: teoria, prática, tecnologias e pesquisa. São Paulo: Memnon, 2009. p.312-321.

MANZINI, E.; VEZZOLI, C. O desenvolvimento de Produtos Sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: EDUSP/ Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

MCDONOUGH, W., & BRAUNGART, M. (2013). The Upcycle: Beyond Sustainability – Designing for Abundance. New York: North Point Press.

MORSELETTO, Piero. Targets for a circular economy. Resources, conservation and recycling. v. 153, p. 104553, 2020.

MAHLER, C. Lixo: o que fazer com ele? Revista do CREA, Rio de Janeiro, n.33, p. 10 – 13, jan./fev., 2001.

PEREIRA, G. S. Apostila: Materiais e Processos Têxteis. Araranguá: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, 2006.

PEARCE, David W.; TURNER, R. Kerry. Economics of natural resources and environment. Londres: Harvester Wheashealf, 1990.

RIGOLIN-SÁ, Odila. Água é um recurso natural: direito difuso. Revista Hispeci & Lema: publicação das Faculdades Integradas Fafibe. 2003. Vol 7. p. 21-23.

SANCHES, Regina Aparecida. Estudo comparativo das características das malhas produzidas com fibras sustentáveis para fabricação de vestuário. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo. 2011. Tese de Livre-docência.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Retalhos de tecidos: no lugar do desperdício, negócios sustentáveis. Disponível em: http://www.sebraemercados.com.br/retalhos-de-tecidos-no-lugar-do-desperdicionegocios-sustentaveis/. Acesso em: 10 mar. 2014.

SOLOMON, Michael. O Comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 5a Edição, Porto Alegre: Bookman, 2011.

SANDES, A. R. R.; DI BLASI, G. Biodiversidade e diversidade química e genética, Biotecnologia, n. 13, p. 28-32, 2000.

SANT’ANA, P. J. P. & ASSAD, A. L. O Contexto brasileiro para a bioprospecção: a competência científico-tecnológica brasileira, Biotecnologia, n. 29, p. 32-37, 2001.

SAJN, Nikolina. Environmental impact of the textile and clothing industry. [S. l.]: European Parliamentary Research Service, 2019. Disponível em: https://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/BRIE/2019/633143/EPRS_BRI(2019)633143_EN.pdf. Acesso em: 20/10/2021.

SHIRVANIMOGHADDAM, Kamyar; MOTAMED, Bahareh; RAMAKRISHNAC, Seeram; NAEBE, Minoo. Death by waste: fashion and textile circular economy case. Science of the Total Environment, v. 718, p. 137317, 2020.

TREPTOW, Doris. Inventando moda: planejamento de coleção. 5. ed. Editora: Cia. dos Livros. 2013.

VEZZOLI, Carlo. Design de Sistemas para a Sustentabilidade: teoria, métodos e ferramentas para o design sustentável de “sistemas de satisfação”. Salvador: EDUFBA, 2008.

VIANA, E. et al. Resíduos sólidos alimentares do lixo domiciliar: Estudo do uso na alimentação de frangos de corte. Revista brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande-PB, v. 10, n. 1, p. 203 - 211, 2005.

VGRESIDUOS. Sistema de gestão de resíduos na indústria alimentícia. Belo Horizonte, 28 jan. 2021. Disponível em: https://www.vgresiduos.com.br/blog/sistema-de-gestao-de-residuos-na-industria-alimenticia/. Acesso em: 15 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2022-10-01

Como Citar

COSTA, Junior de Jesus; BROEGA, Ana Cristina. A economia circular e a sustentabilidade dos materiais na indústria da moda. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 6, n. 3, p. 1–26, 2022. DOI: 10.5965/25944630632022e2333. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/22333. Acesso em: 21 fev. 2024.