PSICOLOGIA POSITIVA E COVID-19

relato de experiência do projeto de extensão “LAPPOT na Quarentena”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/259464124240

Palavras-chave:

Saúde Mental, COVID-19, Relações Comunidade-Instituição, Quarentena, Psicologia Positiva

Resumo

Desde o seu início, a pandemia de COVID-19 gerou alterações no cotidiano. Dentre as medidas adotadas foi a implementação da quarentena com o isolamento e o distanciamento social, que marcaram não somente a diminuição das interações humanas, mas o aumento de sentimentos e vivências por vezes negativas relacionadas à falta dela, ao medo e à dificuldade em se adaptar e implementar novos comportamentos. Pensando nisso, pesquisadores do Laboratório de Psicologia Positiva nas Organizações e no Trabalho (LAPPOT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) desenvolveram um projeto de extensão com o objetivo de auxiliar a população por meio da disseminação de conhecimento e de estratégias de enfrentamento pautadas nos princípios da Psicologia Positiva. Este artigo tem por objetivo apresentar o relato de experiência com a descrição do projeto, do método, da execução e dos resultados obtidos com sua aplicação. O projeto ocorreu por meio da realização de lives em rede e mídias sociais do laboratório com o objetivo de disseminar os conhecimentos quanto à psicologia positiva para contribuição nas situações de isolamento e de distanciamento social em função da pandemia do Covid- 19. As ações realizadas pelo projeto de extensão auxiliaram o desenvolvimento de estratégias voltadas à promoção da saúde por meio de emoções, sentimentos, atitudes e comportamentos que favoreceram o bem-estar, a qualidade de vida e a felicidade das pessoas.

Biografia do Autor

Narbal Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (1984), Especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho (Título conferido pelo Conselho Federal de Psicologia), Mestrado em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (1990) e Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Pós-Doutorado em Psicologia Positiva nas Organizações, no Trabalho e em outros Espaços de Vida, no Programa de Pós Graduação em Psicologia -Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Laboratório de Mensuração/Divisão de Psicologia Positiva - Atualmente é professor Titular do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Foi chefe do Departamento de Psicologia, Coordenador do Programa de Pós Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina e é coordenador da Área I, Psicologia das Organizações e do Trabalho do Programa de Pós-Graduação em Psicologia. É supervisor e pesquisador do Laboratório de Psicologia Positiva nas Organizações e no Trabalho - LAPPOT e membro efetivo do GT Avaliação em Psicologia Positiva e Criatividade, grupo de trabalho e pesquisa na Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Psicologia ? ANPPEP. É membro da Associação Brasileira de Criatividade. É reconhecido pela Associação Brasileira de Psicologia Positiva como pesquisador brasileiro na área de conhecimento em Psicologia Positiva. É membro titular do Conselho consultivo da Sociedade Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho/SBPOT. Foi editor da revista Psicologia: Organizações e Trabalho. Produz conhecimentos (livros e artigos) e promove intervenções (consultoria) referentes ao comportamento humano nas organizações, em especial a respeito dos seguintes assuntos: organizações como fenômenos socialmente construídos, cultura organizacional, aprendizagem humana nas organizações, Psicologia Positiva nas organizações, no trabalho e em outros espaços de vida, qualidade de vida no trabalho, felicidade nas organizações e orientação e projeto de vida na aposentadoria (pós-carreira). É membro titular do colegiado do curso de Administração da UFSC. Em 2010, recebeu o prêmio Amigo da UFSC - Edição Especial: 50 anos, 50 amigos -, conferido às 50 pessoas que contribuíram positivamente para a construção da universidade em meio século de existência. Em 2013, recebeu prêmio da Universidade Autônoma do Estado do México, referente às contribuições feitas à formação de alunos na área de conhecimento e no campo de atuação em Psicologia das Organizações e do Trabalho. Em 2016, foi agraciado pela Câmara Municipal de Florianópolis com a medalha Professor João David Ferreira Lima, simbolizando o agradecimento do povo de Florianópolis pelos relevantes serviços prestados ao ensino superior. Entre artigos científicos, capítulo de livros, livros e organização de livros, já publicou mais de uma centena de produções em Psicologia Organizacional e do Trabalho. Tem ajudado na organização de eventos no Brasil e no exterior e proferiu diversas conferências em congressos nacionais e internacionais.

Joana Soares Cugnier, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2016), com período de Estágio Doutoral na Universitat Jaume I (Espanha), na equipe de investigação WANT - Prevención Psicosocial y Organizaciones Saludables. É integrante do Laboratório de Psicologia Positiva nas Organizações e no Trabalho - LAPPOT (CFH/UFSC). Possui mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2012), graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2007) e especialização em Gestão de Pessoas nas Organizações pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008) e em Coordenação de Grupos pela Sociedade de Psicodrama Atuare (2008).

Cristiane Budde, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Psicologia pela UFSC, na área de Psicologia das Organizações e do Trabalho, e linha de pesquisa: Processos psicossociais e de saúde no trabalho e nas organizações. Doutora nessa mesma área e linha de pesquisa, no PPGP/UFSC. Realiza pesquisas e atividades de extensão (capacitação/treinamentos/palestras) na área de Psicologia Organizacional e do Trabalho, como integrante do Laboratório de Psicologia Positiva nas Organizações e no Trabalho - LAPPOT (CFH/UFSC).

Thaís Cristine Farsen, Universidade Federal de Santa Catarina

Psicóloga organizacional e clínica, mestre e doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na área de Psicologia do Trabalho e das Organizações. Possui formação em psicanálise, experiência na clínica com atendimento de adultos e na área organizacional com atividades de consultoria na área de gestão de pessoas. Atua como pesquisadora no Laboratório de Psicologia Positiva nas Organizações e no Trabalho (LAPPOT/UFSC), com temas como bem-estar, qualidade de vida, capital psicólogico e resiliência no trabalho. É professora da Faculdade Senac/SC, ministrando disciplinas em cursos de graduação e pós-graduação na área de Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional. Atua como professora convidada em disciplinas de pós graduação na área de desenvolvimento humano, gestão e comportamento organizacional.

Cleria Flores Nunes Colares, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Comunicação Social - Jornalismo (1994), pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e especialização em Estudos do Jornalismo (2002), pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atuou por 15 anos na Assessoria de Comunicação (Ascom) do Ministério Público Federal em Santa Catarina (MPF/SC). Desde 2014, atua na Gestão de Pessoas do MPF/SC, nas áreas de Desenvolvimento, Capacitação & Educação e Qualidade de Vida & Bem Estar. É especialista em Gestão de Pessoas (2014), pela Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU). Em parceria com Cynthia de Moura Orengo, criou em agosto de 2014, o programa de qualidade de vida e bem-estar no trabalho, Bem Viver, o primeiro programa de QVT oficial do MPF, em nível nacional, oficializado pela Portaria PR-SC nº557, de 30/09/2015.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BARROS-DELBEN, P., et al. Saúde mental em situação de emergência: Covid-19. Revista debates in psychiatry. 2020. Disponível em https://d494f813-3c95-463a-898cea-1519530871.filesusr.com/ugd/c37608_e2757d5503104506b30e50caa6fa6aa7.pdf

BETTO, F.; CORTELLA, M. S. Sobre a Esperança: diálogo. 7. ed. Campinas: Papirus 7 Mares, 2012.

BUDDE, C.; SILVA, N. Impactos na percepção de felicidade no trabalho após um processo de redução nas política e nas práticas de gestão de pessoas. Psicología desde el Caribe. v. 37, n. 1, p. 40-69, 2020.

FARSEN, T. C., SCAPINI, A. I. N., FURLANETTO, S. M., & COSTA, A. B. Resiliência: aprendendo a lidar positivamente com as adversidades. In: SILVA, N., & FARSEN, T. C. (Orgs.). Qualidades Psicológicas Positivas: desenvolvimento, mensuração e gestão. São Paulo: Vetor, 2018, p. 111-122.

FRANKL, V. Em busca de sentido. São Paulo: Vozes, 1991.

GARVIN, D. A. Aprendizagem em ação: um guia para transformar sua empresa em uma learning organization. Rio de Janeiro: Qualitymark. 2002.

GRAY, D. E. Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

HUREMOVIĆ, D. Mental Health of Quarantine and Isolation. In: HUREMOVIĆ, D. (Ed.) Psychiatry of Pandemics: A Mental Health Response to Infection Outbreak. Cham: Springer, 2019, p. 95-118.

MANN, A. (2017). 3 Ways you are failing your remote workers. Business Journal, Gallup, 2017. Disponível em https://news.gallup.com/opinion/gallup/214946/waysfailing-remote-workers.aspx?_ga=2.159008505.252902446.1517539909-%201878986664.1517446800

Nações Unidas. OMS: ‘O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extre-mamente preocupante’. [Web pag], 2020. Disponível em https://nacoesunidas.org/oms-o-impacto-da-pandemia-na-saude-mental-das-pessoas-ja-e-extremamente-preocupante/. Acesso em: 14 de agosto 2020.

NIEMEC, R. M. Intervenções com forças de caráter: um guia de campo para praticantes. São Paulo: Hogrefe, 2019.

Política Nacional de Extensão Universitária. 2012. Disponível em: https://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Extensão-Universitária-e-book.pdf Acesso em: 22 de agosto 2020.

ROSENFIELD, C. L. & ALVES, D. A. Autonomia e Trabalho Informacional: O Teletrabalho. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 54, n. 1, 2011, p. 207-233.

SELIGMAN, M. E. P. Aprenda a ser otimista: como mudar sua mente e sua vida. Rio de Janeiro: Objetiva, 2019.

SELIGMAN, M. E. P.; CSIKSZENTMIHALYI, M. Positive psychology, an introduction. American Psychologist, v. 55, n. 1, p. 5-14, 2000. Disponível em http://www.ppc.sas.upenn.edu/ppintroarticle.pdf.

SILVA, N.; COSTA, A. B.; BUDDE, C. As bases conceituais e epistemológicas da Psicologia Positiva. In: SILVA, N., & FARSEN, C. T. Qualidades Psicológicas Positivas nas Organizações: desenvolvimento, mensuração e gestão. São Paulo: Vetor, 2018, p. 19-36.

SILVA, N., & DAMO, L. P. (Orgs.). Vidas que mudaram [recurso eletrônico]: contribuições da psicologia positiva para situações de isolamento e de distanciamento social. Florianópolis: Editora da UFSC, 2020. Disponível em: https://editora.ufsc.br/estante-aberta/.

SNYDER, C. R.; LOPEZ, S. J. Psicologia Positiva: uma abordagem científica e prática das qualidades humanas. Porto Alegre: Artmed. 2009.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

SILVA, N.; CUGNIER, J. S.; BUDDE, C.; FARSEN, T. C.; COLARES, C. F. N. PSICOLOGIA POSITIVA E COVID-19: relato de experiência do projeto de extensão “LAPPOT na Quarentena”. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 40-55, 2020. DOI: 10.5965/259464124240. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/19110. Acesso em: 12 jun. 2021.