A matemática no PIBID Interdisciplinar: educação inclusiva

Autores

  • Jurema Lindote Botelho Peixoto Universidade Estadual de Santa Cruz http://orcid.org/0000-0002-5648-7001
  • Cristiane Andrade Fernandes Centro Educativo Fé e Alegria. Núcleo de Educação popular: diálogos frerianos.
  • Wolney Gomes Almeida Universidade Estadual de Santa Cruz

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317816012020100

Palavras-chave:

PIBID Interdisciplinar, Educação Inclusiva, Matemática, Formação de professores,

Resumo

A inclusão de estudantes com deficiência na escola básica é uma realidade que desafia a escola e seus professores. Os cursos de Licenciatura necessitam abordar as especificidades desses estudantes no processo de ensino e aprendizagem. Este artigo apresenta a experiência do subprojeto PIBID-Interdisciplinar na área de matemática no contexto da educação inclusiva no período de 2016 a 2018. A coordenação das três áreas envolvidas, Matemática, Letras e Pedagogia, apoiaram-se na abordagem de investigação-ação para o desenvolvimento das seguintes ações: grupo de estudo, planejamento pedagógico, intervenção na escola básica e sistematização das experiências. O planejamento das atividades de intervenção foi baseado no Desenho Universal para a aprendizagem e em Atividades Orientadoras de Ensino. As ações proporcionaram a reflexão/problematização sobre os aportes da educação especial na perspectiva inclusiva, ressaltando a importância de (re)conhecer as potencialidades dos diversos estudantes na escola básica.  Destacamos a importância da interação da Matemática com outras áreas de conhecimento para o planejamento e enfrentamento da realidade no contexto inclusivo.

 

Biografia do Autor

Jurema Lindote Botelho Peixoto, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professora Adjunta do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual de Santa Cruz. Área de Matemática.

Cristiane Andrade Fernandes, Centro Educativo Fé e Alegria. Núcleo de Educação popular: diálogos frerianos.

Coordenadora em espaço não formal. Coordenadora do Núcleo de Educação Popular: diálogos freireanos. Mestre em Educação e Contemporaneidade (UNEB).

Wolney Gomes Almeida, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professor adjunto do Departamento de Letras e Artes. Área de Libras.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03 /leis/L9394.htm. Acesso em: 23 abr. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer no 17/2001, de 3 de julho de 2001. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, 2001.

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 12 jun. 2018.

BRASIL. Resolução no 4, de 13 de julho de 2010. Define diretrizes curriculares nacionais gerais para a educação básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf. Acesso em: 25 abr. 2018.

BRASIL. Decreto no 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - Pibid e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7219.htm. Acesso em: 13 jun. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto 7.611, de 17 de novembro de 2011. Revoga o Decreto no 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, DF, 2011.

BRASIL. Lei no 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em: 22 set. 2018.

BRASIL. Portaria no 096, de 18 de julho de 2013. Regulamenta as normas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Portaria_096_18jul13_AprovaRegulamentoPIBID.pdf. Acesso em: 11 abr. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei no 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE - e dá outras providências, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP no 02/2015, de 1o de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 2 jul. 2015.

BRASIL. Lei no 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 10 jul. 2018.

CAST. Universal design for learning guidelines, version 2.0. Wakefield, MA, 2011. Disponível em: http://www.udlcenter.org/aboutudl/udlguidelines/downloads. Acesso em: 14 jun. 2019.

DAMÁZIO, M. F. M. Atendimento educacional especializado: pessoa com surdez. São Paulo: MEC/SEESP, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivo s/ pdf/aee_da.pdf . Acesso em: 23 ago. 2013.

DENARI, F. E.; SIGOLO, S. R. R. L. Formação de professores em direção à educação inclusiva no Brasil: dilemas atuais. In: POKER, R. B.; MARTINS, S. E. S. DE O.; GIROTO, C. R. M. (org.). Educação inclusiva: em foco a formação professores. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016, cap. 1, p. 15-31.

DOURADO, L. F. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 131, 2015.

DUK, C. Educar na diversidade: material de formação docente. Brasília: MEC, SEESP, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/educarnadiversidade2006.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

ESPINOSA, A. J; FIORENTINI, D. (Re)significação e reciprocidade de saberes e práticas no encontro de professores de matemática da escola e da universidade, 2005. In: FIORENTINI, D.; NACARATO, A. M. (org.). Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática: investigando e teorizando a partir de prática. São Paulo: Musa Editora, 2005. p. 152-174.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. O papel da Universidade no contexto da política de educação inclusiva: reflexões sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento. Revista de Educação Especial, v. 23, n. 38, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article

/viewFile/2095/1444. Acesso em: 13 fev. 2018.

MACHADO, M. I. P. C. Cooperar para aprender: um estudo de investigação-ação no ensino-aprendizagem da gramática portuguesa. Lisboa, 2014. 324f. Tese (Doutorado de Ciências Sociais, Educação e Administração) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, 2014.

MARTINS, L. DE A. R. Reflexões sobre a formação de professores com vistas à educação inclusiva. In: MIRANDA, T. G.; FILHO, T. A. G. (org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 25-38.

MOREIRA, P. C.; DAVID, M. M. M. S. O conhecimento matemático do professor. Revista Brasileira de Educação, n. 28, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782005000100005&script=sci_

abstract&tlng=pt. Acesso em: 25 abr. 2018.

MOURA, M. O. Controle da variação de quantidades: atividades de ensino. São Paulo: FE-USP, 1996.

MOURA, M.O. A atividade de ensino como ação formadora. In: CASTRO, A. D.; CARVALHO, A. M. P. (org.). Ensinar a ensinar. São Paulo: Pioneira, 2001. p.143-162.

MOURA, M. O; ARAÚJO, E. S.; SOUZA, F. D.; PANOSSIAN, M. L.; MORETTI, V. D. A Atividade orientadora de ensino como unidade entre ensino e aprendizagem. In: MOURA, M. O. (org.). A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. São Paulo: Autores Associados, 2016. p. 93-125.

MUNIZ, S. C. S. A inclusão de surdos nas aulas de Matemática: uma análise das relações pedagógicas envolvidas na tríade professora–intérprete–surdo. Ilhéus, BA, 2018. 116f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), 2018.

NASCIMENTO, E. DE S.; CORREIA, P. C. DA H.; PORTELA, C. P. DE J. Dialongando com a inclusão II: curso de formação de professores. Recife: Editora Liceu, 2014.

NUNES, C.; MADUREIRA, I. Desenho universal para a aprendizagem: construindo práticas pedagógicas inclusivas. Da investigação às práticas, v. 5, n. 2, 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. 2006. Doc. A/61/611. Nova York.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Declaração mundial sobre educação para todos: plano de ação satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Unesco: Jomtien. 1990.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). 48TH INTERNATIONAL CONFERENCE ON EDUCATION - Conclusions and Recommendations. Geneve: IBE, 2008.

RODRIGUES, D.; LIMA-RODRIGUES, L. Formação de professores e inclusão: como se reformam os reformadores. Educar em Revista, Curitiba, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n41/04.pdf. Acesso em: 14 jun. 2018.

ROSE, D.; MEYER, A. Teaching every student in the digital age. Alexandria, VA: ASCD. 2002. Disponível em: http://www.cast.org/teachingeverystudent/ideas/tes/. Acesso em: jun. 2017.

SANTOS, M. X. A formação em serviço no PNAIC de professores que ensinam matemática e construções de práxis pedagógicas. Brasília, DF, 2017. 135f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília (UnB), 2017.

SKLIAR, C. Pedagogia (improvável) da diferença: e se outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SOUZA, E. J. Sobre a história dos números. Disponível em: http://www.ifba.edu.br/dca/corpo_docente/mat/ejs/sobre_a_historia_dos_numeros.pdf. Acesso em: 11 nov. 2018.

Downloads

Publicado

2020-01-01