Sobre a necessidade da arte: uma abordagem Junguiana

Autores

  • Filipe Mattos de Salles Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317816012020430

Palavras-chave:

Arte, Filosofia da Arte, Teoria e Estética, Definição de Arte, Arte e Psicologia

Resumo

Este artigo se propõe a discutir a necessidade de produção e consumo de arte, e, portanto, razão ontológica pela qual a arte é parte fundamental de nossa sociedade, e por que sua manifestação é tão natural ao ponto de ser encontrada em praticamente todas as culturas com organização social, desde os mais remotos tempos. No desenvolvimento lógico desta questão, esta razão passa pela própria definição do que é arte, e, levando-se em conta as exaustivas tentativas de diversos autores em resolver sem sucesso a questão, optamos neste trabalho por abordar o tema através da psicologia junguiana e da filosofia platônica. O resultado é uma análise muito diferente do tratamento convencional dado ao tema, em que o objeto-arte é o centro das atenções. Aqui, o cerne do estudo é o resultado emotivo dado entre um sujeito e o objeto, sendo este o parâmetro que define o status de arte a um objeto qualquer.

Biografia do Autor

Filipe Mattos de Salles, Universidade Estadual de Campinas

Fotógrafo e Cineasta, Mestre e Doutor pela PUC/SP, atualmente professor e coordenador do curso de Artes Visuais do Instituto de Artes da Unicamp. Pesquisa sobre teoria da imagem e filosofia da arte.

Referências

ADORNO, Theodor. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 1971

ANDREETA, José Pedro e Maria de Lourdes. Princípios herméticos com ciência. São Paulo: Prolibera, 2010

BORDIEU, Pierre. El sentido social del gusto. Buenos Aires: Siglo Ventiuno, 2010

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a Arte. São Paulo: Ática, 1991

CITRO, Massimo. O código básico do universo. São Paulo: Cultrix, 2014

COLI, Jorge. O que é Arte. São Paulo: Brasiliense, 1989

CROCE, Benedetto. Breviário de estética – Aesthetica in nuce. São Paulo: Ática, 1997

ECO, Umberto. A definição da arte. Rio de Janeiro: Record, 2016

FISCHER, Ernst. A necessidade da arte (trad. Leandro Konder), 9a. Edição, Rio de Janeiro: Guanabara, 1987

GOMBRICH, E.H. Arte e ilusão – um estudo da psicologia da representação pictórica. (trad. Raul de Sá Barbosa). São Paulo: Martins Fontes, 1995

_______________. História da Arte. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988

HEGEL, G.W.F. Curso de estética: O belo na arte. (tradução de Álvaro Ribeiro e Orlando Vitorino)2a. Edição, São Paulo: Martins Fontes, 2009

JUNG, Carl Gustav. A energia psíquica. Petrópolis: Vozes, 1999

_______________. A natureza da psique. Petrópolis: Vozes, 2000

_______________. Espiritualidade e transcendência. (Seleção e edição de Brigitte Dorst). Petrópolis: Vozes, 2016

_______________. Memórias, Sonhos, Reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 7a. Edição, 1985

_______________. O espírito na arte e na ciência. Petrópolis: Vozes, 1991

_______________(org.). O Homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 5a. Edição, 1990

MAGHERINI, Graziella. El Síndrome de Stendhal. Madrid: Espasa Calpe, 1990

OSTROWER, Fayga. Acasos e criação artística. Campinas: Unicamp, 2013

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 2001

PLATÃO. A república. São Paulo: Nova Cultural, 1999

AUTOR. Obra. Curitiba: Appris, 2016

TOLSTÓI, Leon. O que é Arte? Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016

Downloads

Publicado

2020-02-24

Edição

Seção

DOSSIÊ CONTEXTOS E ESPECIFICIDADES DA INCLUSÃO: A ARTE COMO FIO CONDUTOR