Coleção de bordados: cartografia de uma residência de arte contemporânea com mulheres bordadeiras no Pampa argentino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267832022037

Palavras-chave:

Artes Têxteis, Gênero, Processos Sociais, América Latina

Resumo

O artigo aborda o processo de investigação e prática artística que se deu a partir dos encontros com grupos de mulheres nas oficinas de costura e de bordado de Bayauca, comunidade rural próxima à cidade de Lincoln, Buenos Aires, Argentina, durante a Segunda Edição da Residência Internacional COMUNITARIA, Arte Contemporáneo y Procesos Sociales, que aconteceu durante o mês de novembro de 2017. Utilizamos o bordado para formar uma imagem poética do nosso trabalho autoral durante essa investigação e como referência para reflexões sobre a construção e desconstrução de expectativas criadas na sociedade e entre as próprias mulheres sobre arte e gênero. Imaginamos uma força performática a partir do pensamento de Gilles Deleuze e Felix Guattari (1995) que agencia os percursos e movimentos que resgatam histórias da residência, que colocamos em perspectiva a partir dos estudos feministas e sobre as relações entre arte e gênero na América Latina. Partimos da ideia de artista nômade, de Cristina Freire (2006) e do argumento desenvolvido por Sepúlveda T. e Bustos (2017) de que a arte é uma ferramenta para a ação política quando se pauta num sistema horizontal de relações baseadas na atenção, nos encontros, nas histórias e nos espaços alternativos de escuta e de ações concretas. Por fim, mostraremos que a expressividade do bordado, ao mesmo tempo em que serve como veículo de um sistema de educação moralizante, pode ser usado como veículo de comunicação e espaço criativo e de reflexão sobre a condição política, contestando hierarquias sociais e estéticas impostas e apontando para dinâmicas sociais emergentes na América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriene Coelho Ferreira Jerozolimski, Universidade Federal de Pelotas

Discente da Especialização em Artes (PPGAVI/UFPel/RS/Brasil). Mestre em Extensão Rural (UFV/MG), Pedagoga e Artista visual.

Maristani Polidori Zamperetti , Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Educação. Professora Associada no Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas e Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/FaE/UFPel), Mestrado e Doutorado. Coordenadora do Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Ensino e Formação Docente nas Artes Visuais (2013).

 

Referências

BARROS, Laura Pozzana de; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCOSSIA, Liliana. Pistas do método da Cartografia. Porto Alegre: Sulina, 2009.

BIAZUS, Camilla Baldicera. Da mãe-aranha à mãe-costureira: as formas e movimentos da maternidade na obra de Louise Bourgeois. Ide (São Paulo) [online]. 2020, vol.42, n.70. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31062020000200011&lng=pt&nrm=iso Acesso: 08/05/2022.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade (tradução de Renato Aguiar). 16ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CATÁLOGO DE EXPOSIÇÃO. Transbordar: transgressões do bordado na arte. (Curadora Ana Paula Cavalcanti Simioni) - São Paulo: Sescsp, 2020.

FEDERICI, Silvia. Mulheres e caça às bruxas: da Idade Média aos dias atuais. Trad. Heci Regina Candiani, São Paulo: Boitempo, 2019.

FREIRE, Cristina. Contexturas: Sobre artistas e antropólogos. Texto do Catálogo da 27ª Bienal de São Paulo, Fundação Bienal, 2006.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

GEHRKE, Laura Clara. Bordando Feminismos: uma questão de gênero. (Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Federal deo Rio Grande do Sul, Instituto de Artes, Curso de História da Arte, Porto Alegre, RS, 2021. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/223169/001127778.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso: 07/01/2022.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia (volume 1). - São Paulo: Editora 34, 1995.

GLUZMAN, Georgina. El trabajo recompensado: mujeres, artes y movimentos femininos em la Buenos Aires de entresiglos. In: Numéro 5.Artelogie, nº 5, Octubre, 2013. Disponível em: http://cral.in2p3.fr/artelogie/IMG/article_PDF/article_a265.pdf Acesso em: 15/10/2018.

GUIMARÃES, Mariana. Bordadura como linguagem de experiências, afeto, vínculo e liberdade. 24º Encontro da ANPAP: Compartilhamentos na Arte, Redes e Conexões. Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2015. Disponível em: http://anpap.org.br/anais/2015/simposios/s12/mariana_guimaraes.pdf Acesso em: 30/07/2019.

NOGUEIRA, Cláudia Mazzei. A feminização do mundo do trabalho: entre a emancipação e a precarização. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17846 Acesso em: 02/05/2019.

PELLEGRINO, Antônia. Sobre mulheres em motocicletas roxas. Memórias do Feminismo dos anos 1960-70. Revista Quatro cinco um. Maio de 2017.

SEPÚLVEDA T., Jorge. Comunitaria: experiencias de arte y comunidad. 1.a edición bilíngue – Santa María de Punilla: Curatoria Forense, 2017.SEPÚLVEDA T. et al. Incerteza e Interpelación/ção. 1.a edição bilíngue – Córdoba: Curatoria Forense, 2022.

TIBURI, Marcia. Feminismo em comum: para todas, todes e todos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

JEROZOLIMSKI, Adriene Coelho Ferreira; ZAMPERETTI , Maristani Polidori. Coleção de bordados: cartografia de uma residência de arte contemporânea com mulheres bordadeiras no Pampa argentino. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 8, n. 3, p. 037–053, 2022. DOI: 10.5965/24471267832022037. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/22844. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção temática