Historicizando o Teatro em Comunidade

Maria Amélia Gimmer Netto, Márcia Pompeo Nogueira

Resumo


Para o teatro historicizante todos os acontecimentos cotidianos são significativos, particulares e passíveis de indagação. Eles permitem a reflexão sobre o comportamento social e possibilitam que a representação se torne um estímulo ao questionamento da realidade. Segundo Freire, o diálogo verdadeiro é aquele que suscita um pensar crítico, percebendo a realidade como um processo. Esta transformação permanente da realidade implica numa transformação social, pois a história vai se fazendo na medida das ações dos homens e nas relações existentes no presente, não podendo ser vista como cristalização de experiências passadas. Para Brecht, as ações que oshomens nos mostram são o que constituem as condições históricas de uma época. As relações humanas devem ser consideradas efêmeras e o teatro deve trabalhá-las sob esta ótica. Nosso campo de experimentação do conceito de historicização enquanto instrumento meto-dológico em teatro e comunidade foi a peça teatral “Vida Loka”, criada por adolescentes de Nova Esperança, que tem como protagonista a personagem Kely, uma típica adolescente da periferia.Através de perguntas estratégicas sobre as opções desta personagem, nos moldes propostos por Brecht, exploramos as relações entre a realidade mostrada nas cenas e o contexto social, político e histórico em que está inserida a comunidade em que vivem os adolescentes.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/2358092508082010109



Indexadores, diretórios e bases de dados


      

Revista Nupeart - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Centro de Artes - CEART

Endereço: Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88035-001

ISSN 2358-0925 


 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.