O movimento plus size e o corpo

Bárbara Pavei Souza

Resumo


Os efeitos de sentido do corpo belo são social e historicamente progressivos, balizados por estereótipos culturais, sociais, de classes, políticos ou religiosos. A mídia e a moda também possuem forte influência nos padrões de beleza impostos. A mídia surge como um lugar privilegiado de constituição, formulação e circulação dos sentidos do que pode ser um corpo belo ou não, enquanto legitimadora de instituições que determinam o que pode e o que não pode ser dito/ mostrado em diferentes espaços. A moda, por sua vez, é um espaço de mercado. Sendo assim, o movimento plus size surge como uma necessidade de aceitação e interação dos corpos gordos na moda. No entanto, a condição do corpo gordo não muda, mudam-se as nomeações para produzir um efeito de que esse corpo é possível, mas ele continua sendo impossível dentro dos aspectos de padronização das instituições. 

 


Palavras-chave


Moda; Mídia, Corpo

Texto completo:

PDF

Referências


CORBIN, Alain; COURTINE, Jean- Jacques; VIGARELLO, Georges. Prefácio. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean- Jacques; VIGARELLO, Georges. História do corpo: Da Renascença às Luzes. Tradução de Lúcia M.E. Orth; revisão da tradução Ephraim Ferreira Alves. 5. ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 7-13.

COURTINE, Jean- Jacques. Os stakhanovistas do narcisismo: body-building e puritanismo ostentatório na cultura americana do corpo. In: SANT’ANNA, Denise Bernuzzi De. (org.). Políticas do Corpo: elementos para uma história das práticas corporais. 2. Ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2005. p. 81-114.

DEBORD, Guy. Comentários sobre a sociedade do espetáculo. In: DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Tradução de Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. A ciranda dos sentidos. In: ROMÃO, Lucília Maria Sousa; GASPAR, Nádea Regina. (orgs.). Discurso midiático: sentidos de memória e arquivo. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2008. p. 13-22.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 8 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

MILANEZ, Nilton. A disciplinaridade dos corpos: o sentido em revista. In: SARGENTINI, Vanice; BARBOSA, Pedro Navarro. Foucault e os domínios da linguagem: discurso, poder, subjetividade. São Carlos: Claraluz, 2004. p. 183-200.

ORLANDI, Eni. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido e Ideologia/ Eni Puccinelli Orlandi- 2ª ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 12. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015.

RODRIGUES, Marlon Leal. Identidade: Movimento do Sujeito. In: PEREIRA, Danglei de Castro; RODRIGUES, Marlon Leal. Língua e Literatura I: questões teóricas e práticas. São Paulo: Nelpa, 2010.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi De. Transformações do corpo: controle de si e uso dos prazeres. In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luiz B. Lacerd; VEIGA-NETO, Alfredo. (orgs.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 99-110.

SCALZO, Marília. Jornalismo de Revista. São Paulo: Contexto, 2003. (Coleção Comunicação).

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomas Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 6- 68.




DOI: https://doi.org/10.5965/1982615x12262019068

Direitos autorais Bárbara Pavei Souza

Licença Creative Commons

      http://www.revistas.udesc.br/public/site/images/rocha1/ceart1.png