Sobre o Estar-Junto-Com Como Tendência Sociocultural e Coletivos Criativos: uma proposta interdisciplinar de metodologia para identificação de tendências visando cenários de futuro

Paula Cristina Visoná

Resumo


Resumo:

Esse artigo se debruça sobre uma proposta de metodologia de identificação de tendências socioculturais e seus desdobramentos. Para desenvolver tal objetivo, abordamos o entendimento de tendências especialmente a partir de uma visão sociológica. Ao abrirmos essa perspectiva, introduzimos nosso entendimento de que tendências socioculturais são sensibilidades sociais, e assim sendo, estabelecem os princípios para a emergência de formas sociais, valores e outras tendências. O entendimento dessa relação é essencial, pois nos leva a abordar a correspondência entre o objeto de estudo dessa investigação – os Coletivos Criativos – e a tendência sociocultural estar-junto-com. Tendo estabelecido as conexões entre essas instâncias, o trabalho aborda a imanente relação entre elas e a emergência da economia criativa, também tratada aqui como economia da cultura. Após tecer essas afinidades, apresentamos a ferramenta cenários de futuro e localizamos sua utilização na proposta metodológica que desdobramos. Tal proposta se pauta em princípios da sociologia compreensiva, da antropologia interpretativa e do Dialogismo, tendo nos cenários de futuro um mecanismo de visualização, por meio de narrativa, de desenvolvimento para elementos identificados in loco em Coletivos Criativos da cidade Porto Alegre.

 

Palavras-chave: tendências socioculturais, Coletivos Criativos, cenários de futuro.

 


Palavras-chave


tendências socioculturais, Coletivos Criativos, cenários de futuro.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Referências Bibliográficas

BAKHTIN, Mikhail. Problemas na poética de Dostoiévski.4.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BERGER, Peter. L., LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade.Petrópolis: Vozes, 2009.

BORDIEU, Pierre. O poder simbólico.11a. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CALDAS, Dario. Observatório de sinais: teoria e prática da pesquisa de tendências.Rio de Janeiro: Editora Senac, 2004.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos: descoberta e invenção. Vol. 1. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

ECO, Umberto. Os limites da interpretação. 2 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2012.

FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.

FOUCAULT, Michael. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 16.ed. São Paulo: Loyola: 2008.

FRANZATO, Carlo. et all. Inovação cultural e social: design estratégico e ecossistemas criativos. In FREIRE, Karine Mello (org) Design estratégico para inovação cultural e social. 1ed. São Paulo: Editora Kazuá, 2015.

GARNHAM, Nicholas. De las industrias culturales a las creativas. Análisis de las implicaciones en el Reino Unido. In BUSTAMENTE, Enrique. (org). Las Industrias Creativas: Amenazas sobre la cultura digital. 1 ed. Barcelona: Gedisa Editorial, 2011.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1 ed.Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2008.

MAFFESOLI, Michel. O conhecimento comum. São Paulo: Editora Brasiliense,1988.

______________. Mediações simbólicas: a imagem como vincula social. In: Revista Famecos, n. 8, pp. 7-14, jul. 1998.

______________. O tempo das tribos. 2002. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

_____________. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio De Janeiro, Forense, 2012.

MASSONNIER, Verónica. Tendencias de mercado: están pasando cosas. Buenos Aires: Ediciones Granica, 2008.

MORIN, Edgar. O método vol. 4.As ideias. vida, costumes. Porto Alegre: Sulina, 2011.

NIETZSCHE, Friederich. A origem da tragédia. São Paulo: Ed.Centauro, 2004.

REIMÃO, Sandra. Teoria ou teorias da comunicação.In: Revista INTERCOM, v. 17, nº 2. São Paulo, jul/dez. 1994.

REYES, Paulo Bello. Projeto por Cenários. In Design Estratégico em Ação. SCALETSKY, C. C. org. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2016.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia.Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

TREMBLAY, Gaëtan. Desde la teoria de las industrias culturales.Evaluación critica de la economia de la creatividad.In: Bustamente, E. (org). Las industrias creativas: amenazas sobre la cultura digital. 1 ed. Barcelona: Gedisa Editorial, 2011.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura. Usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/1982615x11222018113

Direitos autorais Paula Cristina Visoná

Licença Creative Commons

      http://www.revistas.udesc.br/public/site/images/rocha1/ceart1.png