Sensorialidade no espaço cênico: Vestido de Noiva | Roda Viva | Trate-me Leão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103452022e0114

Palavras-chave:

Cenografia, Arquitetura sensorial, Vestido de Noiva, Roda Viva, Trate-me Leão

Resumo

O artigo trata a sensorialidade na condição de atributo dos espaços cênicos e arquitetônicos onde aconteceram montagens das peças Vestido de Noiva, Roda Viva e Trate-me Leão, as quais foram encenadas no Rio de Janeiro no Theatro Municipal em 1943, no Teatro Princesa Isabel em 1968, e no Teatro Dulcina em 1977, respectivamente. Apresentamos a forma sob a qual a “sensorialidade” promoveu a quebra da “quarta parede”, buscando demonstrar que tal situação proporcionou aos espectadores excepcional experiência imersiva que se tornou de interesse histórico. Destacamos que os teatros onde as três peças estrearam possuem palcos do tipo italiano; além disso, ressaltamos que, àqueles tempos ditatoriais, as referidas montagens de Roda Viva e Trate-me Leão foram censuradas e os atores foram vítimas de violência e agressões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Delano Delfino, Universidade Veiga de Almeida

Mestrando pelo programa de Mestrado Profissional em Projeto e Patrimônio na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pós-graduado em Design de Interiores pela Universidade Veiga de Almeida. Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estácio de Sá. Formação complementar em Técnico em Edificações, Escola Técnica Silva e Souza. Pesquisador na FAU/UFRJ. 

Cêça Guimaraens, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pós-doutorado em Museum and American Studies na New York University - NYU/USA (2004-2005). Doutorado em Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (1999). Doutorado em Museologia pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2012). Mestrado em Teorias da Comunicação e da Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ- 1993).  Professora Associada aposentada da UFRJ e professora colaboradora do Proarq/UFRJ e DAU/UERJ. Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (1970). Pesquisadora, consultora ad hoc e bolsista da Facepe, Mast/UniRio e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq.

Weber Schimiti, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Arquitetura  (PROARQ/UFRJ). Bolsista CAPES (2019/2020). Especialista em Arquitetura - Conforto Ambiental pela FAU-UFRJ (1989). Graduado em Arquitetura e Urbanismo pelo CAU - Universidade Federal do Paraná (1988). Professor Substituto no Departamento de Projeto de Arquitetura da Faculdade de Arquitetura - UFRJ (2020-2022).

Referências

BOTELHO, L. Um teatro em ruínas. Veja Rio, 2017. Disponivel em: <https://vejario.abril.com.br/cidade/decadencia-teatro-princesa-isabel-rj/>. Acesso em: 01 ago. 2022.

DRAGO, N. D. A cenografia de Santa Rosa - Espaço e Modernidade. 1ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Rio Books, 2014.

GUIA CULTURAL DO CENTRO DO RIO. Teatro Dulcina. Guia Cultural do Centro do Rio, 2011. Disponivel em: <http://guiaculturalcentrodorio.com.br/teatro-dulcina/>. Acesso em: 01 ago. 2022.

HAMBURGER, R. K. E. A. Flávio Império. 1ª Edição. ed. São Paulo: Edusp, 1999.

HELIODORA, B. Caminhos do teatro ocidental. 1ª Edição. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2013.

HOLLANDA, H. B. D. Asdrubal Trouxe o Trombone - memórias de um trupe solitária de comediantes que abalou os anos 70. 1ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

IMPÉRIO, F. Depoimentos. flavioimperio, 1983. Disponivel em: <http://flavioimperio.com.br/galeria/508075/508079>. Acesso em: 22 jul. 2022.

IMPÉRIO, F. Roda Viva (1968). flavioimperio, 1983. Disponivel em: <http://flavioimperio.com.br/projeto/508075>. Acesso em: 22 jul. 2022.

JACOBSEN, F. Trate-me Leão. Asdrubal trouxe o Trombone e a Luta pela Alegria. cultura930, 2021. Disponivel em: <https://www.cultura930.com.br/trate-me-leao-asdrubal-trouxe-o-trombone-e-a-luta-pela-alegria/>. Acesso em: 22 jul. 2022.

LEÃO, T.-M. ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. Trate-me Leão. enciclopedia.itaucultural, 2017. Disponivel em: <https://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento398046/trate-me-leao>. Acesso em: 22 jul. 2022.

MALINA, J. Notas sobre Piscator - Teatro político e arte inclusiva. São Paulo: SESC São Paulo, 2017.

MARTINEZ, J. C. Roda Viva. flavioimperio, 1983. Disponivel em: <http://flavioimperio.com.br/galeria/508075/508084>. Acesso em: 22 jul. 2022.

MICHALSKI, Y. O Teatro sob Pressão - Uma frente de Resistência. 1ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

MICHALSKI, Y. Reflexões sobre o teatro brasileiro no século XX. 1ª Edição. ed. Rio de Janeiro: FUNARTE, 2004.

NERO, C. D. Cenografia, Uma breve visita. 1ª Edição. ed. São Paulo: Editora Claridade, 2010.

NOIVA, V. D. ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. Vestido de Noiva. Itau Cultural, 2022. Disponivel em: https://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento399276/vestido-de-noiva.

Acesso em: 19 jul. 2022.

PALLASMAA, J. Os olhos da pele: a arquitetura e os sentidos. 1ª Edição. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

PEREIRA, H. V. Trate-me Leão. 1ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2004.

PLUTA, A. Ziembinski Aquele Bárbaro Sotaque Polonês. 1ª Edição. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2015.

RATTO, G. Antitratado de Cenografia, variações sobre o mesmo tema. 2ª Edição. ed. São Paulo: Editora SENAC, 2001.

RODRIGUES, N. Vestido de Noiva. 11ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

SP, S. Flávio Império Em Cena. São Paulo: SESC SP, 1997.

TEATRO, S. E. D. Mas afinal o que é a "quarta parede"? spescoladetaetro, 2010. Disponivel em: <https://www.spescoladeteatro.org.br/noticia/ponto-a-quarta-parede>. Acesso em: 20 jul. 2022.

TEIXEIRA, E. D. S. Vestido de Noiva (1943) entre a luz ativa e passiva de Adolphe Appia: uma metodologia de análise. A Luz em Cena - Revista de pedagogias e poéticas cenográficas, Florianópolis, v. 1, p. 1-30, jul. 2021.

THEATRO MUNICIPAL RJ. Apresentação. theatromunicipal.rj, 2011. Disponivel em: <http://theatromunicipal.rj.gov.br/apresentacao/>. Acesso em: 01 ago. 2022.

VIVA, R. ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. Roda Viva. Enciclopédia Itaú Cultural, 2022. Disponivel em: <https://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento405843/roda-viva>. Acesso em: 22 jul. 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

DELFINO, D.; GUIMARAENS, C.; SCHIMITI, W. Sensorialidade no espaço cênico: Vestido de Noiva | Roda Viva | Trate-me Leão. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 45, p. 1-26, 2022. DOI: 10.5965/1414573103452022e0114. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/22680. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Cidades, espaços teatrais e experiências artísticas