Notas sobre o conceito de representatividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101432022e0206

Palavras-chave:

Representatividade, Representação, Ética, Cena contemporanea, Diversidade

Resumo

Olhando para o recente movimento que tem lutado por representatividade nas artes nos últimos anos, o artigo propõe algumas reflexões acerca das implicações éticas, estéticas, políticas e sociais que atravessam a representação de grupos sociais minoritários no teatro contemporâneo. A partir da construção de uma compreensão do conceito de representatividade dentro do campo das artes cênicas e de uma análise de alguns dos seus modos de operação dentro e fora da cena, objetiva-se, também, apresentar e levantar propostas de enfrentamento para artistas que desejam criar sob uma perspectiva representativa, plural e emancipatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Conrado Dess, Universidade de São Paulo (USP)

Doutorando em Artes Cênicas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Mestre e Bacharel em Artes Cênicas pela mesma instituição.

Referências

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política I. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1 ed., 1998.

BORGES, Rosane. Das perspectivas que inauguram novas visadas. In: HOOKS, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

BUTLER, Judith. A força da não violência: um vínculo ético-político. São Paulo: Boitempo, 2021.

CORNAGO, Óscar. Cuerpos, política y sociedad: una cuestión de ética. In: Éticas del cuerpo. DOMÍNGUEZ, Juan; GALÁN, Marta; RENJIFO, Fernando. Madrid: Fundamentos, 2008.

DESS, Conrado. Para se pensar uma representatividade negra: reflexões sobre o corpo (não) negro nas artes cênicas. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 39, p. 1-21, 2020.

DOI: 10.5965/14145731033920200204.

DIÉGUEZ CABALLERO, Ileana. Cenários liminares (teatralidades, performances e políticas). Uberlândia: EDUFU, 2016.

FÉRAL, Josette. Além dos limites: teoria e prática do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2015.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

LEAR, Jonathan. Radical hope: ethics in the face of cultural devastation. Massachusetts: Harvard University Press, 2006.

LEHMANN, Hans-Thies. O teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify: 2008.

RANCIÈRE, Jacques. O Espectador Emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

SAISON, Maryvonne. Les théâtres du réel. Paris: L’Harmatan, 1998.

SÁNCHEZ, José A. Practising the real on the contemporary stage. Bristol: Intellect, 2014.

SÁNCHEZ, José A. Cuerpos ajenos. Segovia: Ediciones La uÑa RoTa, 2017.

SIQUEIRA, Indianare. Por que transvestigênere? Indianara explica! Facebook, 2015. Disponível em:

https://www.facebook.com/PreparaNem/posts/1698719687008538.

Acesso em: 02 abr. 2021.

SODRÉ, Muniz. Por um conceito de minoria. In: PAIVA, Raquel; BARBALHO, Alexandre (Org.). Comunicação e cultura das minorias. São Paulo: Paulus, 2005. p. 11-14.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. The post-colonial Critic: interviews, strategies, dialogues. New York: Routledge, 1990.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Foreword: Upon Reading the Companion to Postcolonial Studies. In: SCHWARZ, Henry; SANGEETA, Ray (Org.). A Companion to Postcolonial Studies. Oxford: Blackwell, 2000.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2022-04-06

Como Citar

DESS, C. Notas sobre o conceito de representatividade. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 43, p. 1-30, 2022. DOI: 10.5965/1414573101432022e0206. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21115. Acesso em: 2 out. 2022.