Cuidado/curadoria de si, cuidado/curadoria do mundo: Modos de performar reciprocidade

modos de performar la reciprocida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0111

Resumo

Esta escrita performativa mobiliza, como posição em arte, uma noção de cura como cuidado e como movimento, abordando uma curadoria dos afetos que se dá no reparar o que comparece a cada situação, uma percepção-ação dos afetos a compor e recompor figuras de subjetividade em relação de coengendramento com o mundo. Se expõe aqui a relação intrínseca entre criação em arte e possibilidades de aprendizagem sensívelcomo uma ética-estética-política de vida, uma arte da existência. Trata-se de uma tática de re-existência que se inventa ao questionar os modos de operação da lógica reiterativa da dívida/dúvida, e que se instaura na subversão desse sistema, como ciclo de dádiva: dar-receber-retribuir.

Biografia do Autor

Juliana Lima Liconti, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ)

Atriz, performer, produtora cultural e professora. Doutoranda em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Mestra em teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Bacharela em artes cênicas pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) e graduada em comunicação institucional pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Milene Lopes Duenha, Universidade Estadual do Paraná

Artista da dança, atriz e performer. Doutora em Teatro pelo PPGT - UDESC. Professora no curso de Licenciatura e Bacharelado em Dança da UNESPAR. Atua nos coletivos ACOCORÉ (Arte, Coletivos, Conexões e Rede), Fenda e Mapas e Hipertextos.

Referências

ALICE, Tania; BAFFI, Diego. Traga seus problemas para a arte! Performances de arte relacional como cura. In: ALICE, TANIA. Performance como Revolução dos Afetos. São Paulo: Annablume, 2016. p.177-194.

DUENHA, Milene Lopes. O que pode o corpo, ninguém sabe. 2019. Tese (Doutorado em Teatro) - Centro de Artes - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

EUGENIO, Fernanda. Caixa-Livro. Rio de Janeiro: Fada Inflada, 2019.

FABIÃO, Eleonora. Performance e teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. Sala Preta, São Paulo, n. 8, p. 235-246, 2008. Disponível em: <https://doi.org/10.11606/issn.22383867.v8i0p235-246>. Acesso em: 13 mar. 2014.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: o nascimento das prisões. Petrópolis: Vozes, 1999.

FOUCAULT, Michel. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: Ditos & Escritos V - Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

GIL, José. Abrir o corpo. In: FONSECA, Tania; ENGELMAN, Selda. Corpo, arte e clínica. Porto Alegre: UFRGS, 2004.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

JUNG, Carl Gustav. Sincronicidade. Petrópolis: Vozes, 1991. v. VIII/3

KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MANNING, Erin. Proposições para um movimento menor. Moringa Artes do Espetáculo, João Pessoa, v. 10, n. 2, p. 11-24, jun.-dez., 2019. Disponível em: https://doi.org/10.22478/ufpb.2177-8841.2019v10n2.49811. Acesso em: 12 out. 2019.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira Ciências Sociais, São Paulo, v.32, n.94, p.1-18, jun., 2017. Disponível em: https://doi.org/10.17666/329402/2017. Acesso em: 27 mar. 2020.

NOË, Alva. The Enactive Approach to Perception: An Introduction. Action in perception. Cambridge: MIT Press, 2004, p. 1-35.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2014.

PELBART, P. Biopolítica. Sala Preta, São Paulo, v.7, p. 57-65, nov. 2007. Disponível em: <https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v7i0p57-66>. Acesso em: 3 jun. 2014.

QUILICI, Cassiano. O ator-performer e as poéticas da transformação de si. São Paulo: Annablume, 2015.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

SPINOZA, Benedictus de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009 [1677].

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

ROLNIK, Suely. Pensamento, corpo e devir: uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de Subjetividade, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 241-251, set-fev. 1993.

SIMONDON, Gilbert. A gênese do indivíduo. In: PELBART, Peter Pal et al. (Orgs.) Cadernos de Subjetividade: o reencantamento do concreto. São Paulo: Hucitec, 2003. p. 97-117.

VARELA, Francisco; THOMPSON, Evan; ROSCH, Eleanor. A mente incorporada: ciências cognitivas e experiência humana. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Liconti, J. L., & Duenha, M. L. (2021). Cuidado/curadoria de si, cuidado/curadoria do mundo: Modos de performar reciprocidade: modos de performar la reciprocida. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, 1(40), 1-38. https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0111

Edição

Seção

Dossiê Temático: Curadoria da Performance e Processos de Cura em Artes Cênicas