Escrevivência: sentidos na obra evaristiana e modos de viver a pesquisa em educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246252024e0105

Palavras-chave:

práticas de pesquisa, pessoas pesquisadoras negras, intelectualidades negras, palavra germinante, Conceição Evaristo

Resumo

Este artigo discute os resultados da análise de dimensões da experiência textual da Escrevivência no conjunto da obra de Conceição Evaristo, cotejando a sua presença em produções de pessoas pesquisadoras negras da primeira turma que ingressou pela política de ações afirmativas em um programa de pós-graduação em Educação de universidade da região sul do Brasil. A experiência textual evaristiana é profundamente marcada pelas vivências e corporalidades de mulheres negras. Funde a escrita com a vida, relacionando temas como religiosidade afro-brasileira e ancestralidade. A Escrevivência incorporada à pesquisa em Educação é um modo diverso de indagar a realidade e de viver a intelectualidade, a partir de um pertencimento negro capaz de reivindicar o direito à diferença na escrita e nas práticas acadêmicas. Escrevivência entendida como palavra germinante, mais do que como conceito, configura o que se nomeia tradicionalmente como método ou metodologia nos estudos analisados. A partir da análise de produções acadêmicas, argumenta-se que a Escrevivência é uma palavra viva, que possui trajetória e que germina práticas de pesquisa e de formas de escrita em que a autoria é resultado da experiência negra compartilhada e de conhecimentos herdados de comunidades tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dandara Rodrigues Dorneles, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Técnica em Assuntos Educacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Carla Beatriz Meinerz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Russel Teresinha Dutra da Rosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Referências

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iracy; BENTO, Maria Aparecida Silva (org.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 25-58.

CAMISOLÃO, Rita de Cássia dos Santos. Cartografia do acolhimento: escrevivências do estudante negro na UFRGS. 2020. 97 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, 2020.

DORNELES, Dandara Rodrigues. Saberes, Fazeres e Educação na terreira: os Barquinhos de Iemanjá e os discursos ecológicos. 2019. 166 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, 2019.

DORNELES, Dandara Rodrigues et al. Reafirmando direitos: cotas, trajetórias e epistemologias negras e quilombolas na Pós-Graduação. 1 ed. Porto Alegre: CirKula, 2020.

EVARISTO, Conceição. Canção para ninar menino grande. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2022.

EVARISTO, Conceição. A Escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (orgs.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020a. p. 26-47.

EVARISTO, Conceição. Conceição Evaristo: Escrevivência. [S.l.], 2020. Publicado pelo canal Leituras Brasileiras. 1 vídeo (24 min). 2020b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QXopKuvxevY&t=1s. Acesso em: 22 jul. 2022.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017a.

EVARISTO, Conceição. Histórias de leves enganos e parecenças. 3. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2017b.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. 3. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2017c.

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017d.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulheres. Rio de Janeiro: Malê, 2016a.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2016b.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (orgs.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020a. p. 48-57.

FELISBERTO, Fernanda. Escrevivência como rota de escrita acadêmica. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (orgs.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020. p. 164-181.

GOMES, Nilma Lino. Prefácio. In: DORNELES, Dandara Rodrigues et al. (orgs). Reafirmando direitos: cotas, trajetórias e epistemologias negras e quilombolas na Pós-Graduação. 1 ed. Porto Alegre: CirKula, 2020. p. 13-16.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro Educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

MATO, Daniel. No hay saber “universal”, la colaboración intercultural es imprescindible. Alteridades, Cidade do México, v. 18, n. 35, p. 101-116, 2008.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. Por uma história do homem negro. In: RATTS, Alex (org.). Uma história feita por mãos negras: relações raciais, quilombos e movimentos. Rio de Janeiro: Zahar, 2021. p. 37-46.

PIRAJIRA, Thiago. Forjas Pedagógicas: uma pesquisa carnavalizada na Pós-Graduação. In: DORNELES, Dandara Rodrigues et al. (orgs). Reafirmando direitos: cotas, trajetórias e epistemologias negras e quilombolas na Pós-Graduação. 1 ed. Porto Alegre: CirKula, 2020. p. 177-190.

PIRAJIRA, Thiago. Forjas Pedagógicas: rupturas e reinvenções nas corporeidades negras em um bloco de carnaval (Porto Alegre, Brasil). 2019. 84 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, 2019.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005. (Perspectivas latino-americanas). p. 117-142.

SANTOS, Antônio Bispo dos; DORNELES, Dandara Rodrigues. Palavras Germinantes – Entrevista com Nego Bispo. Identidade!, São Leopoldo, v. 26, n. 1-2, p. 14-26, jan./dez. 2021.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Considerações provocadas pela obra Reafirmando direitos: cotas, trajetórias e epistemologias negras e quilombolas na Pós-Graduação. In: SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Entre Brasil e África: construindo conhecimento e militância. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2011.

SOARES, Lissandra Vieira; MACHADO, Paula Sandrine. “Escrevivências” como ferramenta metodológica na produção de conhecimento em psicologia social. Revista Psicologia Política, Florianópolis, v. 17, n. 39, p. 203-219. maio/ago. 2017.

SODRÉ, Muniz. Pensar nagô. Petrópolis: Vozes, 2021.

Downloads

Publicado

2024-05-20

Como Citar

DORNELES, Dandara Rodrigues; MEINERZ, Carla Beatriz; ROSA, Russel Teresinha Dutra da. Escrevivência: sentidos na obra evaristiana e modos de viver a pesquisa em educação. PerCursos, Florianópolis, v. 25, p. e0105, 2024. DOI: 10.5965/19847246252024e0105. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/24358. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 2024/1 "As intelectualidades negras na compreensão do Brasil"