“Geografia do silêncio”: características da espacialidade dos surdos ao longo do tempo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246242023e0306

Palavras-chave:

geografia de surdos, comunidade surda, inclusão socioespacial, cidade

Resumo

A ausência de estudos geográficos sobre os espaços das minorias, incluindo os surdos, é uma lacuna evidente na análise da cidade brasileira atual. Este artigo objetiva apresentar algumas características da espacialidade dos surdos ao longo do tempo a partir de um levantamento bibliográfico sobre a história desses sujeitos e da elaboração de uma breve historicização. Com isso, será possível compreender que os surdos estiveram por muito tempo restritos à casa, aos clubes de surdos e escolas e, nos atuais dias, há uma busca progressiva por promover a verdadeira inclusão dos surdos e deficientes auditivos na cidade. Nos últimos anos do século XX, os surdos vêm se organizando e se fortalecendo socialmente por meio das políticas de acessibilidade e inclusão, presentes na pauta de debate local, nacional e internacional. Sendo assim, a mobilização desse grupo por direitos manifesta-se em diferentes frentes, inclusive na reivindicação de viver a cidade. Ao contrário das realidades enfrentadas pelos surdos em tempos passados, quando a surdez era considerada uma deficiência incapacitante, acentuando-se a exclusão social deste grupo, é possível compreender, através da historicização apresentada, a busca (desses sujeitos) pela identificação e superação das barreiras, ainda presentes nas cidades, que dificultam seus fluxos, interferindo na sua liberdade de ir e vir, impeditivas da realização de seus desejos. Este artigo constitui-se num recorte de pesquisa de doutorado, que teve como tema central discutir a cidade como um espaço deficiente para atender às necessidades de pessoas surdas, em suas múltiplas faces.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia dos Santos Dias, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal.

Eugênia Maria Dantas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Pós-doutora Grupo de Estudos da Complexidade da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN.

Referências

BEN-MOSHE, L. The institution yet to come: analyzing incarceration through a disability lens. In: DAVIS, L. J. The disability studies reader. 5. ed. [S. l.]: Taylor and Francis, 2016. p. 119-130.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Palácio do Planalto [online], 2005. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em: 12 out. 2023.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Palácio do Planalto [online], 2002. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 12 out. 2023.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Palácio do Planalto [online], 2015. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 12 out. 2023.

COLUCCI, D. G.; MAGNO, M.; SOUTO, M. Espacialidades e territorialidades: conceituação e exemplificações. Geografias, [s.l.], v. 07, n. 1, p. 114-127, 2011.

FEKETE, E. Signs in space: american sign language as spatial language and cultural worldview. 2010. Dissertação (Master of Arts) − Kent State University, Kent (EUA), 2010. Disponível em: https://etd.ohiolink.edu/acprod/odb_etd/ws/send_file/send?accession=kent1279060612&disposition=inline. Acesso em: 12 abr. 2020.

GULLIVER, M.; FEKETE, E. Themed section: Deaf geographies–an emerging field. Journal of Cultural Geography, [s.l.], v. 34, n. 2, p. 121-130, 2017.

GULLIVER, M.; KITZEL, M. Deaf geography, an introduction. [S. l.: s. n.], 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/281555405_Deaf_Geography_an_introduction. Acesso: 8 jun. 2021.

HALL, E.; WILTON, R. Towards a relational geography of disability. Progress in Human Geography, [s.l.], v. 41, n. 6, p. 727-744, 2017.

HAROLD, G. Reconsidering sound and the city: asserting the right to the deaf-friendly city. Environment and Planning D: Society and Space, [s.l.], v. 31, n. 5, p. 846-862, 2013.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: PNAD: suplemento sobre educação profissional e aspectos complementares da educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2007.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2014.

LIMA, D. C. G. De pessoa com deficiência auditiva a surdo: embates dialógicos e objetificação colonial no processo de transição identitária. 2020. 106f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) − Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2020.

NOMELAND, M. M. N.; NOMELAND, R. F. The deaf community in America: history in the making. [S. l.: s. n.], 2012.

PERLIN, G.; STROBEL, K. História cultural dos surdos: desafio contemporâneo. Educar em Revista, Curitiba, p. 17-31, 2014.

SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. [S. l.: s. n.], 2010.

SONNENSTRAHL, D. Deaf artists in America: colonial to contemporary. San Diego (EUA): DawnSignPress, 2002.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora UFSC, 2008.

Downloads

Publicado

2023-11-24

Como Citar

DIAS, Patrícia dos Santos; DANTAS, Eugênia Maria. “Geografia do silêncio”: características da espacialidade dos surdos ao longo do tempo. PerCursos, Florianópolis, v. 24, p. e0306, 2023. DOI: 10.5965/19847246242023e0306. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/23438. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê “Questão Urbana, os sujeitos dos territórios populares e a luta pelo direito à cidade”