Educação permanente em saúde na atenção à pessoa idosa: revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246242023e0124

Palavras-chave:

educação permanente em saúde, atenção primária à saúde, saúde da pessoa idosa

Resumo

O aumento da população idosa alterou o perfil demográfico e epidemiológico da sociedade brasileira com repercussão em todas as políticas públicas. No Sistema Único de Saúde (SUS), isso exige a reorganização dos serviços para responder a diversidade das demandas destinadas à promoção e recuperação da saúde em todos os ciclos de vida. Frente a essa nova realidade é preciso estimular novas aptidões dos profissionais para desenvolverem práticas de cuidados que primem pelos aspectos multidimensionais inerentes à saúde da pessoa idosa. A implementação da Educação Permanente pode favorecer a reconstrução da concepção de saúde da pessoa idosa e a construção de práxis promotora da clínica ampliada, orientada ao atendimento das peculiaridades dessa parcela populacional. Método: Trata-se de um estudo de revisão integrativa com objetivo de conhecer a produção científica sobre educação permanente na atenção à saúde do idoso no Brasil, no período de 2004 a 2020, desenvolvida na atenção primária à saúde do SUS. Após análise das produções científicas obtidas em bases de dados multidisciplinares e de ciências de saúde, oito publicações foram selecionadas para este estudo. Resultados: Identificou-se que as mulheres, enfermeiras, afiliadas a instituições de ensino superior, destacam-se no estudo da EPS nas ações de atenção à saúde da pessoa idosa. Observa-se, ainda, exíguo conhecimento dos profissionais sobre o processo de envelhecimento que, associado à sobrecarga de trabalho, à rotatividade dos profissionais da APS, à ausência de priorização da gestão sobre saúde da pessoa idosa e a processos de educação em saúde, dificultam a realização da EPS nos territórios prejudicando o desenvolvimento da clínica ampliada em saúde da população idosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jucema Galisa Gomes da Costa, Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro - SES/RJ

Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Coordenadora da Área Técnica de Saúde do Idoso da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro - SES/RJ.

Michele Nacif Antunes, Universidade Federal do Espiríto Santo - UFES

Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espiríto Santo - UFES.

Michele Soltosky Peres, Universidade Federal Fluminense – UFF

Doutora em Linguistica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Professora da Universidade Federal Fluminense – UFF.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 2 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Orientações técnicas para a implementação da linha para Atenção Integral à Saúde da Pessoa Idosa no sistema Único de Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Atenção Integral à Saúde da Pessoa Idosa. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2019. p. 56-56.

CECCIM, R. B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [s. l.], v. 9, p. 161-168, 2005.

CHAIMOWICZ, F. A saúde dos idosos brasileiros às vésperas do século XXI: problemas, projeções e alternativas. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 184-200, abr. 1997.

CLOSS, V. E.; SCHWANKE, C. H. A. A evolução do índice de envelhecimento no Brasil, nas suas regiões e unidades federativas no período de 1970 a 2010. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, [s. l.], v. 15, n. 3, p. 443-458, set. 2012.

FERREIRA, L. et al. Educação permanente em saúde na atenção primária: uma revisão integrativa da literatura. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 120, p. 223-239, mar. 2019.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. de C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem, [s. l.], v. 17, n. 4, p. 758-764, dez. 2008.

MENDONÇA, F. T. N. F. de et al. Health education with older adults: action research with primary care professionals. Revista Brasileira de Enfermagem, São Paulo, v. 70, n. 4, p. 792-799, ago. 2017.

MERHY, E. E.; FEUERWERKER, L. C. M. Educação permanente em saúde: educação, saúde, gestão e produção do cuidado. Bahia: UFBA, 2014.

MICCAS, F. L.; BATISTA, S. H. S. da S. Educação permanente em saúde: metassíntese. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 170-185, fev. 2014.

MOTTA, L. B. da; AGUIAR, A. C. de. Novas competências profissionais em saúde e o envelhecimento populacional brasileiro: integralidade, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 363-372, abr. 2007.

MOTTA, L. B. da; AGUIAR, A. C. de; CALDAS, C. P. Estratégia saúde da família e a atenção ao idoso: experiências em três municípios brasileiros. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p. 779-786, abr. 2011.

NOGUEIRA, I. S. et al. Planejamento local de saúde: atenção ao idoso versus educação permanente em saúde. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 31, n. 5, p. 550-557, 2018.

NOGUEIRA, I. S.; BALDISSERA, V. D. A. Continuing health education in elderly care: difficulties and facilitators of the Family Health Support Center. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 01-09 14 jun. 2018.

OLIVEIRA, A. S. Transição demográfica, transição epidemiológica e envelhecimento populacional no Brasil. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [s. l.], v. 15, n. 32, p. 69-79, 1 nov. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório mundial de envelhecimento e saúde. Genebra: OMS, 2015.

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Subsecretaria Geral. Educação e Formação em Saúde. Bases para diálogos e reflexões em educação permanente em saúde. Rio de Janeiro: SESRJ, 2018. Disponível em: https://www.saude.rj.gov.br/educacao-e-formacao-em-saude/publicacoes/2018/01/bases-para-dialogos-e-reflexoes-em-educacao-permanente-em-saude. Acesso em: 10 mar. 2023.

SOUZA, M. T. de; SILVA, M. D. da; CARVALHO, R. de. Integrative review: what is it? how to do it? Einstein (São Paulo), São Paulo, v. 8, n. 1, p. 102-106, mar. 2010.

TECHERA, M. P. et al. Significados que le atribuyen al envejecimiento activo y saludable un grupo de personas mayores que viven en comunidad. Texto & Contexto - Enfermagem, [s. l.], v. 26, n. 3, p. 01-09. 21 ago. 2017.

VANTI, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, [s. l.], v. 31, n. 2, p. 369-379, ago. 2002.

Downloads

Publicado

2023-07-20

Como Citar

COSTA, Jucema Galisa Gomes da; ANTUNES, Michele Nacif; PERES, Michele Soltosky. Educação permanente em saúde na atenção à pessoa idosa: revisão integrativa. PerCursos, Florianópolis, v. 24, p. e0124, 2023. DOI: 10.5965/19847246242023e0124. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/22651. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê “A multidimensionalidade das velhices: perspectivas do envelhecimento nas agendas do século XXI”