Novo Ensino Médio de Santa Catarina: organização curricular, implicações e sentidos formativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724623532022290

Palavras-chave:

reforma do ensino médio, Santa Catarina, currículo base do território catarinense

Resumo

Com a aprovação da nova Lei do Ensino Médio (Lei 13.415/17), e da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio (BNCC), em 2018, os entes federativos se viram compelidos a construir ou reformular os seus currículos e propostas pedagógicas para essa etapa da Educação Básica. Em Santa Catarina esse processo de implementação do Novo Ensino Médio (NEM) na rede pública estadual se deu por meio do documento intitulado Currículo Base do Território Catarinense do Ensino Médio (CBTCEM). Assim, a partir de análise documental e bibliográfica, o objetivo deste texto é analisar o Novo Ensino Médio da rede pública de ensino de Santa Catarina e as suas possíveis implicações para os processos formativos juvenis. O NEM catarinense é composto pela Formação Geral Básica, que está alinhada à BNCC, e pela Parte Flexível, a qual é composta por Projeto de Vida, Segunda Língua Estrangeira, Componentes Curriculares Eletivos e Trilhas de Aprofundamento. Além dessa nova estrutura, outras mudanças envolvem a ampliação da carga horária, a possibilidade de parceria com outras instituições (inclusive empresariais) e de atividades a distância, trabalho pedagógico interdisciplinar pautado em competências e habilidades e formação técnica e profissional. A priori, é possível inferir que as alterações realizadas no currículo do Ensino Médio, ainda que possam ser atrativas, estão alinhadas às recomendações de organismos internacionais multilaterais, podendo limitar o acesso ao conhecimento geral e direcionar a formação da juventude para vieses pragmáticos e meritocráticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéferson Silveira Dantas , Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Professor Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.

Thalia Gonçalves Pereira, Universidade Federal de Santa Catarina

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.

Referências

ALVES, Míriam Fábia; DE OLIVEIRA, Valdirene Alves. Política educacional, projeto de vida e currículo do ensino médio: teias e tramas formativas. Humanidades & Inovação, Palmas, v. 7, n. 8, p. 20-35, 2020.

BRASIL. Base nacional comum curricular (BNCC). Brasília, DF: MEC: CONSED: UNDIME, abr. 2018a.

BRASIL. Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018b.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o fundo de manutenção e desenvolvimento da educação básica e de valorização dos profissionais da educação, a consolidação das leis do trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a política de fomento à implementação de escolas de ensino médio em tempo integral. Brasília, DF: Presidência da República, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular: educação é a base: a base. Brasília, DF: MEC, 2018.Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base. Acesso em: 30 jan. 2022

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular: educação é a base: histórico. Brasília, DF: MEC [20--]. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/historico. Acesso em: 21 mar. 2021

BRASIL. Ministério da Educação. Exposição de motivos nº 00084/2016/MEC. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/exm/exm-mp-746-16.pdf. Acesso em: 19 jan. 2022.

CAVALIERE, Ana Maria Villela. Escola de tempo integral versus alunos em tempo integral: educação integral e tempo integral. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 51-63, 2009

CAVALIERE, Ana Maria. Quantidade e racionalidade do tempo de escola: debates no Brasil e no mundo. Teias, Rio de Janeiro, v. 6, p. 116-126, 2002

CAVALIERE, Ana Maria. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, p. 1015-1035, 2007.

GARCIA, Sandra Regina Oliveira Garcia; CZERNISZ, Eliane Cleide Silva. A minimização da formação dos jovens brasileiros: alterações do ensino médio a partir da lei 13415/2017. Educação, Santa Maria, v. 42, n. 3, p. 569-584, set./dez. 2017.

IUNGO. Sobre o Instituto Iungo. Belo Horizonte, 2022. Disponível em: https://iungo.org.br/sobre/. Acesso em: 5 jan. 2022a.

IUNGO. Trilhas formativas em Santa Catarina. Belo Horizonte, 2021. Disponível em: https://iungo.org.br/formacao/trilhas-santa-catarina-pv-e-integracao/. Acesso em: 5 jan. 2022b.

KRAWCZYK, Nora. Ensino médio: empresários dão as cartas na escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 126, p. 21-45, 2014.

KRAWCZYK, Nora; FERRETTI, Celso João. Flexibilizar para quê? Meias verdades da “reforma”. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 33-44, jan./jun. 2017.

MACHADO, Lucília Regina de Souza. Educação básica, empregabilidade e competência. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 3, p. 15-31, 1998a.

MACHADO, Lucília Regina de Souza. O "modelo de competências" e a regulamentação da base curricular nacional e de organização do ensino médio. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 4, p. 79-95, 1998b.

MOLL, Jaqueline. Reformar para retardar: a lógica da mudança no EM. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 61-74, jan./jun. 2017.

MOURA, Dante Henrique; LIMA FILHO, Domingos Leite. A reforma do ensino médio: regressão de direitos sociais. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 109-129, jan./jun. 2017.

PERONI, Vera Maria Vidal; CAETANO, Maria Raquel; VALIM, Paula de Lima. Neoliberalismo e neoconservadorismo nas políticas educacionais para a formação da juventude brasileira. Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, v. 15, n. 36, p. 1-23, 2021.

SANTA CATARINA. Currículo base do ensino médio do território catarinense: caderno 1: disposições gerais. Florianópolis, 2020a.

SANTA CATARINA. Currículo base do ensino médio do território catarinense: caderno 2: formação geral básica. Florianópolis, 2020b.

SANTA CATARINA. Currículo base do ensino médio do território catarinense: caderno 4: componentes curriculares eletivos: construindo e ampliando saberes/portfólio dos(as) educadores(as). Florianópolis, 2020c.

SANTA CATARINA. Primeira reunião técnica (Chapecó). Chapecó, 2019. 62 slides. Disponível em: http://ceduphh.com.br/novo_ensino_medio/Arquivos/Novo_Ensino_Medio_Catarinense.ppt. Acesso em: 5 jan. 2022.

SANTA CATARINA. Resolução CEE/SC nº 093, de 14 de dezembro de 2020. Dispõe sobre o cronograma e as normas complementares para a implementação das alterações na Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, referentes ao Ensino Médio, estabelecidas pela Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017, para o Sistema Estadual de Educação de Santa Catarina e dá outras providências. Florianópolis: Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina, 14 dez. 2020d.

SANTA CATARINA. Roteiros pedagógicos do componente Projeto de Vida: material de apoio ao professor. Florianópolis, [2022].

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação. Novo ensino médio: dúvidas. Florianópolis: [SEE], 2022, Disponível em: https://sites.google.com/sed.sc.gov.br/nem-sedsc/d%C3%BAvidas. Acesso em: 02 fev 2022.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação. Proposta curricular de SC e a base nacional comum curricular – BNCC. Florianópolis [SEE], 2015. Disponível em: https://www.sed.sc.gov.br/secretaria/imprensa/noticias/26888-ascom-sed. Acesso em: 28 jan. 2022.

SILVA, Filomena Lucia Gossler Rodrigues da; MARTINI, Tatiane Aparecida; POSSAMAI, Tamiris. a reforma do ensino médio em Santa Catarina: um percurso atravessado pelos interesses do empresariado. Revista Trabalho Necessário, Niterói, v. 19, n. 39, p. 58-81, maio/ago. 2021. Disponível em: https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/47398/29243. Acesso em: 05 jan. 2022.

SILVA, Mônica Ribeiro. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, p. 1-15, 2018.

SILVA, Mônica Ribeiro. Currículo, ensino médio e BNCC: um cenário de disputas. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 367-379, jul./dez. 2015.

THIESEN, Juares da Silva. Políticas curriculares de educação básica: recontextualização da BNCC no território de Santa Catarina. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 14, n. 1, p. 1-9, jan./abr. 2021.

ZAN, Dirce; KRAWCZYK, Nora. Ataque à escola pública e à democracia: notas sobre os projetos em curso no Brasil. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 27, p. 607-620, set./dez. 2019.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Como Citar

DANTAS , J. S.; PEREIRA, T. G. Novo Ensino Médio de Santa Catarina: organização curricular, implicações e sentidos formativos. PerCursos, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 290 - 319, 2022. DOI: 10.5965/1984724623532022290. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/22315. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua