Feira-livre como experiência de Bem Viver: uma expressão pulsante das resistências cotidianas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724623532022180

Palavras-chave:

convivência, pertencimento, complementaridade, alternativa contra-hegemônica, descolonização

Resumo

Neste artigo, propomos enunciar aproximações entre as práticas presentes nas feiras-livres com elementos centrais da filosofia ameríndia do Bem Viver. Apesar da força do mercado varejista na venda de produtos alimentícios, a feira resiste com sua forma e conteúdo peculiares, sendo um importante espaço de comercialização da produção da agricultura familiar e tradicional e de acesso a alimentos saudáveis. As relações e sociabilidades que se desenrolam nesse espaço fazem da feira mais que mero mercado, sendo um lugar de ritmo, encontros, passeios, aonde se vai para comprar, para rever amigos, família, histórias de vida. Diante disso, nosso objetivo neste ensaio teórico é discutir a feira-livre como um espaço de resistência e uma experiência de Bem Viver, muito mais complexa do que a lógica economicista é capaz de compreender. Convivialidade, coletividade, pessoalidade, informalidade, confiança, vínculo territorial, saberes seculares, valorização cultural, outros modos de produção e consumo são alguns dos muitos elementos materiais e simbólicos que representam a feira-livre como um espaço plural que se expressa em uma ética e valores não exclusivamente mercadológicos. A feira é uma experiência de resistência que se materializa no cotidiano da classe trabalhadora, sejam estes produtores, feirantes ou consumidores. Defendê-la, colocando em evidência sua expressão social, que carrega símbolos contrários à modernidade ocidental, é promover a construção de caminhos para “adiar o fim do mundo” (KRENAK, 2019).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samanta Borges Pereira, Federal University of Lavras

Doutora em Administração pela Universidade Federal de Lavras – UFLA. Membro do Laboratório de Estudos Transdisciplinares - LETRA/UFLA.

Tayrine Parreira Brito, State University of Campinas

Doutoranda em Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Viviane Guimarães Pereira , Federal University of Itajubá

Doutora em Administração pela Universidade Federal de Lavras – UFLA. Professora da Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI.

Referências

ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: editora Elefante, 2015.

ALLENDE, Renata Menezes. A arte de fazer feira: o papel das mulheres assentadas da reforma agrária na construção das feiras em Sant'Ana do Livramento/RS. 2019. Monografia (Graduação em Desenvolvimento Rural e Gestão Agroindustrial) – Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Santana do Livramento, 2019.

ALMEIDA, Jalcione. Da ideologia do progresso à ideia de desenvolvimento (rural) sustentável. In: ALMEIDA, Jalcione; NAVARRO, Zander (orgs.). Reconstruindo a agricultura: ideias na perspectiva do desenvolvimento rural sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1998. p. 33-55.

ANACLETO, Adilson; COELHO, Andersandra Pereira; CURVELO, Eder Bruno Couto. As mulheres empreendedoras e as feiras livres no litoral do paraná. Faz Ciência, Francisco Beltrão: UNIOESTE, v. 18, n. 27, p. 118-139, jan./jun. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.48075/rfc.v18i27.12778. Acesso em: 02 dez. 2022.

ARAÚJO, Tarcisio Patricio de; LIMA, Roberto Alves de; MACAMBIRA, Júnior. Feiras agroecológicas: institucionalidade, organização e importância para a composição da renda do agricultor familiar. Fortaleza: Instituto de Desenvolvimento do Trabalho, Núcleo de Economia Solidária da Universidade Federal de Pernambuco, 2015.

ASSIS, Wendell Ficher Teixeira. Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. Caderno CRH, Salvador: UFBA, v. 27, n. 72, p. 613-627, set./dez. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-49792014000300011. Acesso em: 02 dez. 2022

BARBOSA, Maicon. Narrativas, conversações e alguns ritornelos em meio à feira livre. Ponto Urbe, São Paulo: USP, v. 8, p. 1-15, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.4000/pontourbe.1766. Acesso em: 02 dez. 2022.

BOFF, Leonardo. O cuidado essencial: princípio de um novo ethos. Inclusão Social, Brasília: Ibict, v. 1, n. 1, p. 28-35, out./mar. 2005. Disponível em: https://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1503. Acesso em: 02 dez. 2022.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação (RBE), Rio de Janeiro: ANPEd, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003. Acesso em: 02 dez. 2022.

CARDOSO, Ana Cláudia Duarte; GOMES, Taynara do Vale; MELO, Ana Carolina Campos de; BIBAS, Luna Barros. Quando o projeto disfarça o plano: concepções de planejamento e suas metamorfoses em Belém (PA). Cadernos Metrópole, São Paulo: PUC-SP, v. 18, n. 37, p. 823-844, set./dez. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2236-9996.2016-3710. Acesso em: 02 dez. 2022.

CARRASCO, Jorge Urdapilleta; AGUIRRE, Fernando Limón. Hacia una experiencia profunda dentro de la Investigación Acción Participativa. Revista Colombiana de Sociología (RCS), Bogotá: UNAL, v. 4, n. 1, p. 111-131, enero/jun. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.15446/rcs.v41n1.66559. Acesso em: 02 dez. 2022.

CASSOL, Abel; SCHNEIDER, Sergio. Construindo a confiança nas cadeias curtas: interações sociais, valores e qualidade na Feira do Pequeno Produtor de Passo Fundo/RS. In: GAZOLLA, Marcio; SCHNEIDER, Sergio (org.) Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2017. p. 195-218.

CASTRO, Marina Ramos Neves de; CASTRO, Fábio Fonseca de. Feira, forma, dom. Assimetrias da sociação numa feira de Belém. Cuadernos de Antropología Social, Buenos Aires: UBA, v. 44, p. 101-113, 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/1809/180951093007/html/. Acesso em: 02 dez. 2022

CASTRO-GÓMES, Santiago. Latinoamericanismo, modernidad, globalización. prolegómenos a una crítica poscolonial de la razón. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; MENDIETA, Eduardo (orgs.). Teorías sin disciplina. Ciudad del México: Miguel Ángel Porrúa, 1998. p. 122-153.

CERDEÑO, Victor J. Martín. Hábitos de compra y consumo de frutas y hortalizas: resultados del Observatório del Consumo y La Distribución Alimentaria. Distribución y Consumo, Madrid: Mercasa, v. 88, p. 5-28, jul./ago. 2006. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2949038. Acesso em: 02 dez. 2022.

CORONA, Hieda Maria Pagliosa; VASQUES, Samuel Tafernaberri Vasques; GODOY, Wilson Itamar. Dinâmicas socioeconômicas dos feirantes agricultores familiares de Chapecó (SC). Revista de Desenvolvimento Regional (REDES), Santa Cruz do Sul: UNISC, v. 23, n. 1, p. 237-281, jan./abr. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.17058/redes.v23i1.10532. Acesso em: 02 dez. 2022.

COSTA, Maria Regiane da; SANTOS, Dionys Morais dos. Feiras livres: dinâmicas espaciais e relações de consumo. GeoSaberes, Fortaleza: UFC, v. 6, n. 3, p. 653-665, fev. 2016. Disponível em: http://www.geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/512. Acesso em: 02 dez. 2022.

CRUZ, Pedro Pereira; MOREIRA, Gisele Rodrigues; FERREIRA, Fabiano da Silva; MORAES, Fernanda B. de; SOUZA, Francisco José L. de; MOURA, Francis James G.; COELHO, Renato F.; LIMA, Marluce P. D.; CARVALHO, Rezânio M.; ALMEIDA, Alan A. de. Perfil dos consumidores de hortaliças da feira livre de Bom Jesus, Piauí. Horticultura Brasileira, Brasília: ABH, v. 26, n. 2, p. 630-635, jul./ago. 2008. Disponível em: http://www.abhorticultura.com.br/EventosX/Trabalhos/EV_2/A982_T1471_Comp.pdf. Acesso em: 02 dez. 2022.

DIAS-JUNIOR, Carlos. Assim como o fogo, a palavra: cozinha, identidade e sociabilidade em uma feira na Amazônia. Interações Sociais, [s.l.], v. 3, n. 2, p. 9-22, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.furg.br/reis/article/view/9599. Acesso em: 02 dez. 2022.

DORNELES, Filipe Mello; CASSANEGO-JUNIOR, Paulo Vanderlei; CORSO, Kathiane Benedetti; CEZAR, Bibiana Giudice da Silva. Hoje é dia de feira!: análise das estratégias de comercialização em uma feira livre brasileira. Desafio Online, Campo Grande: UFMS, v.7, n.3, p. 553-577, set./dez. 2019. Disponível em: https://desafioonline.ufms.br/index.php/deson/article/view/7531. Acesso em: 02 dez. 2022.

DURHAN, Eunice R. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1984. 245 p.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 69-86.

GODOY, Wilson Itamar. As feiras-livres de Pelotas, RS: estudo sobre a dimensão sócio-econômica de um sistema de comercialização. 2005. Tese (Doutorado em Agronomia) − Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2005.

GONÇALVES, Gláucia Barreto; SANTANA, Ana Clara de Abreu; SANTOS, Elvis Valentim Lisboa; CARVALHO, João Gabriel da Silva; QUEIROZ, Vinicius dos Santos Santiago; SANTANA, Mariana Pereira de. Feira agroecológica da UFS: economia solidária, soberania alimentar e bem viver. Cadernos de Agroecologia, Rio de Janeiro: ABA, v. 15, n. 2, p. [1-6], 2020. Disponível em: http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/6239. Acesso em: 02 dez. 2022.

GONÇALVES, Alexandre Oviedo; ABDALA, Mônica Chaves. Na banca do ‘Seu’ Pedro é tudo mais gostoso: pessoalidade e sociabilidade na feira-livre. Ponto Urbe, São Paulo: USP, v, 12, p. [1-15], 2013. Disponível em: https://doi.org/10.4000/pontourbe.528. Acesso em: 02 dez. 2022.

GROOT, Etiénne; GROOT, Luciana Saliba. Importância dos atributos de uma feira livre ideal em Cassilândia, estado do Mato Grosso do Sul: uso do experimento de escolha discreta melhor-pior. Instituto de Economia Agrícola, São Paulo: IEA, v. 47, n. 1, p. 22-30, jan./mar. 2017. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/ie/2017/tec2-0117.pdf. Acesso em: 02 dez. 2022.

GUDYNAS, Eduardo; ACOSTA, Alberto. La renovación de la crítica al desarrollo y el buen vivir como alternativa. Utopía y Praxis Latinoamericana, Maracaibo: LUZ, v. 16, n. 53, p. 71-83, abr/jun, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=27919220007. Acesso em: 02 dez. 2022.

IBÁÑEZ, Mario Rodriguez. Ressignificando a cidade colonial extrativista: bem viver a partir de contextos urbanos. In: DILGER, Gerhard; LANG, Miriam; FILHO, Jorge Pereira. Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. São Paulo: Editora Elefante, 2020. p. 296-333.

JESUS, Pamela Natali Ferreira de; DENARDIN, Valdir Frigo; SULZBACH, Mayra Tayza. Resistência e reciprocidade: comportamento in situ de pertencimento na feira do produtor em Morretes. Emancipação, Ponta Grossa: UEPG, v. 19, p. 44-53, 2020. Número especial. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7998449. Acesso em: 02 dez. 2022.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LAURENTINO, Laysa Gabryella de Souza; SANTOS, Isleno Michel de Sousa; BRITO, Alícia Nayana dos Santos Lima; SILVA, Patrícia Ferreira da. Estratégias de comercialização do “Fubá da Paixão” produzido no Polo da Borborema, Paraíba. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal: Editora Verde, v. 16, n. 2, p. 199-205, 2021. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v16i2.8384. Acesso em: 02 dez. 2022.

MACHADO, Melise Dantas; SILVA, Andrea Lado da. Distribuição de produtos provenientes da agricultura familiar: um estudo exploratório da produção de hortaliças. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras: UFLA, v. 6, n. 1, p. 67-80, jan./jun. 2004. Disponível em: http://www.revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/230/0. Acesso em: 02 dez. 2022.

MALUF, Renato Sérgio. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, Porto Alegre: FEESEH, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004. Disponível em: https://revistas.dee.spgg.rs.gov.br/index.php/ensaios/article/view/2061. Acesso em: 02 dez. 2022.

MAMANI, Fernando Huanacuni. Buen Vivir / Vivir Bien: filosofía, políticas, estrategias y experiencias regionales andinas. Lima: Coordinadora Andina de Organizaciones Indígenas (CAOI), 2010.

ORSI, Carlos. ‘Gourmetização’ na indústria de alimentos é simbólica das diferenças sociais. Atualidades. Jornal da UNICAMP, UNICAMP, 27 abr. 2017. Disponível em: https://www.unicamp.br/unicamp/ju/noticias/2017/04/27/gourmetizacao-na-industria-de-alimentos-e-simbolica-das-diferencas-sociais. Acesso em: 10 jun. 2022.

PEREIRA, Viviane Guimarães; BRITO, Tayrine Parreira; PEREIRA, Samanta Borges. A feira-livre como importante mercado para a agricultura familiar em Conceição do Mato Dentro (MG). Revista Ciências Humanas (RCH), Taubaté: UNITAU, v. 10, n. 2, p. 67-78, dez. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.32813/rchv10n22017artigo6. Acesso em: 02 dez. 2022.

PLOEG, Jan Douwe van der. Camponeses e impérios alimentares. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2009.

POZZEBON, Luciana; RAMBO, Anelise Graciele; GAZOLLA, Marcio. As cadeias curtas das feiras coloniais e agroecológicas: autoconsumo e segurança alimentar e nutricional. Desenvolvimento em Questão, Ijuí: UNIJUÍ, v. 16, n. 42, p. 1-20, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2018.42.405-441. Acesso em: 02 dez. 2022.

RIBEIRO, Eduardo Magalhães. Feiras do Jequitinhonha: mercados, cultura e trabalho de famílias rurais no semiárido de Minas Gerais. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2007.

ROCHA, Hélio Carlos; COSTA, Carlos; CASTOLDI, Florindo Luiz; CECCHETTI, Dileta; CALVETE, Eunice de Oliveira; LODI, Betânia dos Santos. Perfil socioeconômico dos feirantes e consumidores da Feira do Produtor de Passo Fundo, RS. Ciência Rural, Santa Maria: UFSM, v. 40, n. 12, p. 2593-2597, dez. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-84782010005000196. Acesso em: 02 dez. 2022.

SABERES DO BRASIL. [S. l.: s. n.], 2008. 1 vídeo (4 min). Publicado pelo canal Núcleo Travessia. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=sBJ1XelAI5M. Acesso em: 29 nov. 2022.

SABOURIN, Eric. Comercialização dos produtos agrícolas e reciprocidade no Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura (ESA), Seropédica: CPDA/UFRRJ, v. 21, n. 1, p. 5-33, 2013. Disponível em: https://revistaesa.com/ojs/index.php/esa/article/view/357. Acesso em: 02 dez. 2022.

SACCO DOS ANJOS, Flávio; GODOY, Wilson Itamar; CALDAS, Nádia Velleda. As feiras-livres de Pelotas sob o Império da globalização: perspectivas e tendências. Pelotas: Editora e Gráfica Universitária, 2005.

SANTOS, Maria Vanda dos; SANTOS, Joelma Cristina dos. A configuração da agricultura familiar na feira do sindicato em Ituiutaba-MG. Brazilian Geographical Journal, Ituiutaba: UFU, v. 11, n. 1, p. 19-37, jan./jul. 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14393/BGJ-v11n1-a2020-56741. Acesso em: 02 dez. 2022.

SATO, Leny. Processos cotidianos de organização do trabalho na feira-livre. Psicologia & Sociedade, Recife: ABRAPSO, n. 19, p. 95-102, 2007. Edição especial 1. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-71822007000400013. Acesso em: 02 dez. 2022.

SCHNEIDER, Sergio. Ciências sociais, ruralidade e territórios: em busca de novas referências para pensar o desenvolvimento. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, Uberlândia, v. 4, n. 7, p. 24-62, fev. 2009. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/187492. Acesso em: 02 dez. 2022.

SCOTT, James C.; MENEZES, Marilda A. de; GUERRA, Lemuel. Formas cotidianas da resistência camponesa. Raízes, Campina Grande: UFCG, v. 21, n. 1, p. 10-31, jan./jun. 2002. Disponível em: https://doi.org/10.37370/raizes.2002.v21.175. Acesso em: 02 dez. 2022.

SILIPRANDI, Emma; ZULUAGA, Gloria Patricia. Género, agroecología y soberanía alimentaria. Madrid: Icaria, 2014.

SILVA, Jakson Silva da; PEIXOTO, Rodrigo Corrêa Diniz. Gentrificação e resistência popular nas feiras e portos públicos da Estrada Nova em Belém (PA). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém: Museu Goeldi, v. 10, n. 3, p. 681-697, set./dez. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-81222015000300010. Acesso em: 02 dez. 2022.

SILVA, Izabelle Trajano da; SILVA, Anieres Barbosa da. A feira livre na contemporaneidade: estudo de caso em uma pequena cidade paraibana. Revista GeoSertões, Cajazeiras: UFCG, v. 1, n. 2, p. 6-20, jul./dez. 2016. Disponível em: https://cfp.revistas.ufcg.edu.br/cfp/index.php/geosertoes/article/view/36. Acesso em: 02 dez. 2022.

SILVA, Klaus Pereira; GUEDES, Ana Lucia. Buen Vivir Andino: Resistência e/ou alternativa ao modelo hegemônico de desenvolvimento. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro: FGV, v. 14, n. 3, p. 682-693, jul./set. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1679-395162230. Acesso em: 02 dez. 2022.

SNA. Mapeamento do MDS identifica em torno de 6,4 mil feiras livres e agroecológicas em todo País. Sociedade Nacional de Agricultura, [s.l.], 19 jan. 2015. Disponível em: https://www.sna.agr.br/mapeamento-do-mds-identifica-em-torno-de-64-mil-feiras-livres-e-agroecologicas-em-todo-pais/. Acesso em: 28 jul. 2021.

SOLÓN, Pablo. Alternativas sistêmicas: bem viver, decrescimento, ecofeminismo, direitos da mãe terra e desglobalização. São Paulo: editora Elefante, 2019.

SOUSA-SANTOS, Boaventura de. Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SOUSA-SANTOS, Boaventura de. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: SOUSA-SANTOS, Boaventura de. (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: ‘um discurso sobre as ciências’ revisitado. São Paulo: Editora Cortês, 2006. p. 777-821.

SPECHT, Suzimary; BLUME, Roni; ENDE, Marta Von; SOUZA, Mylla Trisha Mello. É dia de fazer feira na Universidade: análise do perfil do consumidor da Polifeira. Revista de Desenvolvimento Regional (REDES), Santa Cruz do Sul: UNISC, v. 24, n. 3, p.183-197, set./dez. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.17058/redes.v24i3.14124. Acesso em: 02 dez. 2022.

UGUEN, Katell; BINDÀ, Suzyanne; FREITAS, Luiziani; BASSINI, Fábio; MENEZES, Márcio. A feira orgânica: um espaço de troca de conhecimento sobre soberania alimentar e construção do bem viver: uma experiência em Manaus-AM. Cadernos de Agroecologia, Rio de Janeiro: ABA, v. 10, n. 3, p. [1-5], 2015. Disponível em: https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/19620. Acesso em: 02 dez. 2022.

VEDANA, Viviane. Fazer a feira e ser feirante: a construção cotidiana do trabalho em mercados de rua no contexto urbano. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre: UFRGS, ano 19, n. 39, p. 41-68, jan./jun. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-71832013000100003. Acesso em: 02 dez. 2022.

VERANO, Thiago de Carvalho; MEDINA, Gabriel da Silva. Comercialização por agricultores familiares em feiras municipais: quantificação, participação, e localização no estado de Goiás. Interações, Campo Grande: UCDB, v. 20, n. 4, p. 1045-1056, out./dez. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.20435/inter.v20i4.1984. Acesso em: 02 dez. 2022.

VIEIRA-JUNIOR, Itamar. Torto arado. Alfragide: Grupo Leya, 2018.

WANDERLEY, Maria Nazareth Baudel. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 20., 1996, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: ANPOCS, 1996. p. [1-21].

WILKINSON, John. Os gigantes da indústria alimentar entre a grande distribuição e os novos clusters a montante. Estudos Sociedade e Agricultura (ESA), Seropédica: CPDA/UFRRJ, n. 18, p. 147-74, 2002. Disponível em: https://revistaesa.com/ojs/index.php/esa/article/view/211. Acesso em: 02 dez. 2022.

ZECA BALEIRO. Piercing. Rio de Janeiro: MZA Music, 1999. 6 (min). Publicado pelo canal Zeca Baleiro. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Ip9JnEi_Ps0. Acesso em: 28 jul. 2021.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Como Citar

PEREIRA, S. B.; BRITO, T. P.; PEREIRA , V. G. Feira-livre como experiência de Bem Viver: uma expressão pulsante das resistências cotidianas. PerCursos, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 180 - 210, 2022. DOI: 10.5965/1984724623532022180. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/22257. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua