O Ensino Superior Artístico de Belas Artes: perspectivas e dilemas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234609192017067

Palavras-chave:

ensino superior de belas artes, ensino-aprendizagem, identidade profissional docente, perspetivas, dilemas

Resumo

Pensar o ensino superior artístico de belas artes atualmente é pensar as circunstâncias do contexto ecológico da formação dos estudantes e também na forma de trabalhar dos professores, tendo em conta as evidências resultantes quer do meio artístico, quer da sociedade atual, quer dos pressupostos enumerados pela política educativa vigente. Assim este artigo pretende refletir sobre as perspectivas de ensino-aprendizagem no ensino superior artístico de belas artes, através da percepção dos docentes, perspectivando o futuro. Este trabalho privilegia uma abordagem metodológica mista cujos objetivos passam por: compreender como os professores se percebem enquanto profissionais; que dilemas vivem atualmente e como perspectivam a formação no ensino superior artístico de belas artes. As conclusões emergentes do estudo evidenciam a necessidade de uma reforma curricular ensino superior artístico de belas artes, visando a inovação dos processos de formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Mónica Figueiredo Oliveira, Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti

Pós-doutorada em Didática das Expressões artísticas pela FBAUP. Doutora em Artes Plásticas pela FBAUS, 2000. Professora Coordenadora na Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, desde 1996. Investigadora integrada do Centro de Estudos em Desenvolvimento Humano da Universidade Católica do Porto. Investigadora colaboradora do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade – Núcleo de Educação Artística da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Colaboradora em Projetos na área da Educação e Formação com a Câmara Municipal do Porto na formação de técnicos e na dinamização de oficinas didáticas do Departamento de Arquivos e Museus e no Departamento das Bibliotecas. Autora de várias publicações na área da Educação Artística, Ilustração e Artes Plásticas. Como artista plástica participou em várias exposições coletivas e individuais no país e no estrangeiro. Destacam-se os dois últimos prémios nacionais de escultura que ganhou em 2012. Foi membro das Comissões de Especialistas na área Científica de Formação de Professores Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, de 2004 a 2006. Foi membro da Comissão de Peritos, para a Avaliação Externa de Cursos do Ensino Superior Politécnico na área da Educação do Conselho de Avaliação, de 2002 a 2004. Foi membro da Comissão de Acreditação e Certificação do Instituto Nacional de Acreditação da Formação de Professores – Ministério da Educação (INAFOP) de 2000 a 2002.

Referências

AZEVEDO, S., GONÇALVES, I. (2011), Sustentar o desenvolvimento contínuo de professores e estudantes e capacitá-los para os processos de mudança pessoal, interpessoal e institucional. In: GONÇALVES, I. (Org.). Programa de monitorização e tutorado: oito anos a promover a integração e o sucesso académico no IST/ ed. Gabinete de apoio ao tutorado. Lisboa: Instituto Superior Técnico Press, 2011.

BERNSTEIN, B. Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research, critique. Lanham, MD: Rowman & Littlefield, 2000.

BOTOMÉ, S. Pesquisa alienada e ensino alienante. Rio de janeiro: Vozes, 1996.

BRANDÃO, Z. & LELIS, I. Elites acadêmicas e escolarização dos filhos. Educação e Sociedade. São Paulo. V. 24, n. 83, p. 509-26, agosto 2003.

CASHIN, W. Evaluating college and university teaching: reflections of a practitioner. In: SMART, J. (Ed), Higher Education Handbook of Theory and Research. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2003.

CHOPP, R. ; FROST, S. & JEAN, P. What’s old in new again Alternative Strategies for Supporting Faculty. Change: The Magazine of Higher Learning. V. 33, n.6, p. 43-46, 2001 Disponível em: http://www.tandfonline.com/toc/vchn20/33/6?nav=tocList. Acesso em 15 agosto, 2017.

EÇA, T. A Educação Artística e as prioridades educativas do início do século XXI. Revista Iberoamericana de educação, Madrid: Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciência y la Cultura, n. 52, jan./abr. 2010. Disponível em: http://www.rieoei.org/rie52a07.pdf. Acesso em 1 jan. 2016.

FORMOSINHO, J. Formação contínua de professores: Realidades e perspectivas. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1991.

GRILLO, M. O lugar da reflexão na construção do conhecimento profissional. In: MOROSINI, M. (Org.). Professor de Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Plano Editora, 2011, p. 75-80.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de janeiro: DP&A, 2003.

MANCEBO, D. Trabalho docente: subjetividade, sobre implicação e prazer. Psicologia: Reflexão e Crítica, Rio Grande do Sul: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal, v. 20, n.1, 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=18820110 Acesso em 1 jan. 2016.

MARTINS, M. A urgência da criatividade. Revista Millenium, Viseu: Revista do Instituto Politécnico de Viseu, n. 9, jan. 1998. Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/pers9_vmtm.htm Acesso em: 1 jan. 21016.

MICHALKO, M. Los secretos de los genios de la creatividad. Barcelona: Ed. Gestión, 2002.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2006.

MOSQUERA, J., STOBAUS, D. Auto-imagem, auto-estima e auto-realização: qualidade de vida na universidade. Revista Psicologia, Saúde & Doenças, Lisboa: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde, v. 7, n.1, p. 83-88, jul. 2006.

PERRENOUD, P. Dez novas competências pra ensinar. Porto Alegre: Artmed editora, 2000.

SANTOS, B. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. São Paulo: Cortez, 2000.

SCHON, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SHULMAN, L. Knowledge and teaching: Foundations of the new reform. Harvard Educational Review. Cambridge, V. 57, n.1, p.1-22, fev.1987.

ZABALZA, M. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ZABALZA, M. Uma nova didática para o ensino universitário – respondendo ao desafio do espaço europeu do Ensino Superior. Porto: Universidade do Porto, 2006.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

OLIVEIRA, Sandra Mónica Figueiredo. O Ensino Superior Artístico de Belas Artes: perspectivas e dilemas. Palíndromo, Florianópolis, v. 9, n. 19, p. 67–86, 2017. DOI: 10.5965/2175234609192017067. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/8918. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta