“2021: feitiço para ser invisível”, invenção, parceria e inventividade entre artistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234615372023e0007

Palavras-chave:

Jota Mombaça, Michelle Mattiuzzi, Bienal de Arte, performance, arte contemporânea

Resumo

Este artigo analisa a performance “2021: Feitiço para ser invisível” (2019), realizada pelas artistas Jota Mombaça e Michelle Mattiuzzi e, posteriormente, exposta em 2021 na 34ª Bienal de São Paulo. A leitura partirá dos textos de Mombaça que refletem sobre a linguagem da performance, o uso da escrita e os questionamentos a respeito do processo de enquadramento das diferenças dentro do mundo da arte. A argumentação se completa com os depoimentos das próprias artistas sobre o trabalho e a forma como compreendem sua atuação. Em paralelo, trazemos a contribuição de autores como Michel Foucault, Judith Butler, Giorgio Agamben e Sílvio de Almeida para pensar sobre o lugar dos corpos racializados em ambientes institucionalizados, levando em conta políticas de visibilidade e o direito à opacidade, conceito de Édouard Glissant que aproximamos da obra das artistas. Como apontamentos finais, observamos que a performance analisada marca as tensões em torno da ocupação de corpos dissidentes e racializados em espaços de poder, que recorrentemente os querem dóceis e controlados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Lopes, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Produtor audiovisual, mestre em Linguagens, Mídia e Arte pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Graduado em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário FECAP. E-mail: jeanlopesvideo@gmail.com.

Tarcisio Torres Silva, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Professor pesquisador da Escola de Linguagem e Comunicação da PUC-Campinas. Docente do PPG em Linguagens, Mídia e Arte. Doutor em Artes Visuais pela Unicamp, com estágio no departamento do Estudos Culturais, Goldsmiths College, Universidade de Londres. E-mail: tarcisio.silva@puc-campinas.edu.br.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Tradução: Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó (SC): Argos, 2009.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019. (Feminismos Plurais).

BARTHES, Roland. O império dos signos. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero ¬– Feminismo e subversão da identidade. Tradução: Renato Aguiar. 16a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra. Tradução: Sergio Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

FOUCAULT, Michel. O belo e o perigo. Tradução: Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

GLISSANT, Édouard. Poética da relação. Tradução: Marcela Vieira e Eduardo Jorge de Oliveira. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

LEITE, Bianca. O deslocamento do corpo livre na obra das artistas Musa Michelle Mattiuzzi e Zanele Muholi. SP-Arte, Editorial, São Paulo, 07 ago. 2019. Disponível em: https://www.sp-arte.com/editorial/o-deslocamento-do-corpo-livre-na-obra-das-artistas-musa-michelle-mattiuzzi-e-zanele-muholi/. Acesso em: 10 abr. 2022

MATTIUZZI, Michelle. Michelle Mattiuzzi fala sobre a performance como ato político. [Entrevista concedida a] João Gabriel Tréz. Vida&Arte, São Paulo, 7 out. 2022. Disponível em: https://mais.opovo.com.br/jornal/vidaearte/2018/03/musa-michelle-mattiuzzi-fala-sobre-a-performance-como-ato-politico.html. Acesso em: 29 dez. 2022.

MATTIUZZI, Michelle. Merci beaucoup, blanco! Escrito experimento fotografia performance. Issuu, 9 dez. 2016. Disponível em: https://issuu.com/amilcarpacker/docs/merci_beaucoup__blanco_michelle_mat. Acesso em: 28 dez. 2022.

MIYADA, Paulo. Um verso, muitos poemas. 34ª Bienal, São Paulo, 27 fev. 2020. Disponível em: http://34.bienal.org.br/post/7462. Acesso em: 16 maio 2022.

MOMBAÇA, Jota. África nas artes. Youtube, 02 out. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=vztLJfJYPYs&ab_channel=%C3%81fricanasArtes. Acesso em: 11 abr. 2022.

MOMBAÇA, Jota. Não vão nos matar agora. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

MOMBAÇA, Jota. O curador suíço Hans Ulrich Obrist entrevista a artista Jota Mombaça. [Em entrevista a] Hans Ulrich Obrist. Zoom, 28 maio 2021. Disponível em: https://revistazum.com.br/radar/obrist-entrevista-jota-mombaca/. Acesso em: 10 abr. 2022.

Downloads

Publicado

2023-10-19

Como Citar

LOPES, Jean; SILVA, Tarcisio Torres. “2021: feitiço para ser invisível”, invenção, parceria e inventividade entre artistas. Palíndromo, Florianópolis, v. 15, n. 37, p. 1–25, 2023. DOI: 10.5965/2175234615372023e0007. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/23993. Acesso em: 1 mar. 2024.