Quatro prognoses sobre a matéria onírica em Fernando Lindote

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234614342022229

Palavras-chave:

Prognose, Fernando Lindote, Pintura Contemporânea, Figuração onírica

Resumo

A pintura de Fernando Lindote se refere a uma dimensão onírica, menos porque o artista equivale suas imagens plásticas a figurações de sonhos e mais porque realiza através da própria visualidade pictórica uma espécie de experiência onírica. A noção de prognose remete ao sentido de levar adiante certo tipo conhecimento, tornando-se um modo de interrogar como este feito acontece do ponto de vista formal e imagético, além de problematizar as implicações temporais, as referências e articulações visuais, bem como as decantações poéticas e conceituais. A reflexão se desdobra em quatro partes. Na primeira destaca o caráter delizante e escorregadio como feito pictórico deste artista, em seguida aborda os efeitos de cintilação que se valem de certas obras de Lygia Clark e Lygia Pape. Depois considera o fluxo das diferentes temporalidades que incide sobre cada trabalho e, por fim, reconhece sua pintura como uma máquina e imaginativa que tanto aciona como é acionada pela sua singularidade mnemônica e seus processos metamórficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosangela Miranda Cherem, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutora em História pela USP (1998) e Doutora em Literatura pela UFSC (2006); Profa. Titular de História e Teoria da Arte no Curso Artes Visuais e Programa de Pós-graduação em Artes Visuais no CEART- UDESC.

Luciana Knabben, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutoranda na linha de Teoria e História da Arte no Curso Artes Visuais e Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais no CEART, sob orientação de Rosângela M. Cherem.

Referências

ARTEMIDORO. Sobre a interpretação dos sonhos. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BENJAMIN, Walter. A doutrina das semelhanças In: Magia, Técnica, Arte e Política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

CASARES, Bioy. A invenção de Morel. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

CHEREM, Rosângela Miranda. In: Revista Ciclos. Florianópolis: Editora UDESC, 2013, V.1, N.1, Ano 1.

DIDI HUBERMAN, George. Diante das imagens. São Paulo: Editora 34, 2013.

DUCHAMP, Marcel. O ato criador. In: BATTCOCK, Gregory. A Nova Arte. São Paulo: Perspectiva, 2004.

FREUD, S. A interpretação dos sonhos. In: Obras completas, Volume 4. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

HESÍODO. Teogonia. São Paulo: Editora Hedra, 2013.

KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LEMINSKY, Paulo. Catatau. São Paulo: Iluminuras, 2012.

WARBURG, Aby. História de fantasmas para gente grande. Escritos, esboços e conferências. São Paulo: Cia das Letras, 2015.

Downloads

Publicado

2022-09-01

Como Citar

CHEREM, R. M.; KNABBEN, L. Quatro prognoses sobre a matéria onírica em Fernando Lindote. Palíndromo, Florianópolis, v. 14, n. 34, p. 229-248, 2022. DOI: 10.5965/2175234614342022229. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/22225. Acesso em: 28 set. 2022.