Hilma af Klint: do espírito à matéria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234611242019042

Palavras-chave:

Hilma af Klint, abstracionismo, arte, aura, espiritualidade

Resumo

As múltiplas questões a respeito do trabalho esotérico de Hilma af Klint estão cada vez mais pertinentes no contemporâneo, a movimentação em torno da artista não é à toa. De um duvidoso título de precursora da vanguarda abstracionista a um elo expressivo entre o mundo espiritual e o material, a artista ganha destaque pelas coincidentes trajetórias no universo artístico de Wassily Kandinsky e Piet Mondrian, através de conceitos e filosofias baseadas na Teosofia de Helena Blavatsky e Rudolf Steiner, a qual estaria em grande circulação a propósito de uma busca espiritual frente ao progresso modernista no final do século XIX. As potências artísticas de Hilma af Klint são ainda imensuráveis, mas é notável seu caráter ímpar diante de seus contemporâneos, a ponto de indagar o que Walter Benjamin conceituaria como caráter aurático das obras de arte, uma vez que sua obra tensiona o secular e o divino, o tradicional e o moderno, através de uma prática de inspiração mediúnica. Hilma af Klint é uma artista sacerdótica, é preciso despir-se de todo formalismo artístico para compreender sua arte fundamentalmente etérea e cósmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Carolina Cheles, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduada em Comunicação Social, Publicidade e Propaganda pela Universidade Metodista de São Paulo (2012) e com especialização em Fotografia pela Fundação Armando Álvares Penteado (2017). Atualmente fazendo uma pós-graduação Stricto Sensu em Artes, Educação e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Experiência na área de artes, com ênfase em fotografia, artes visuais e design gráfico.

Referências

ARAÚJO, Bráulio S. R. O conceito de aura, de Walter Benjamin, e a indústria cultural. Revista Pós, São Paulo, v.16, n. 28, p. 120-143, 2010.

BECHOFER-ROBERTS, C. E. Mysterious Madame Helena Petrovna Blavatsky. Kessin-ger Publishing, 2003.

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2014.

BESANT, Annie.; LEADBEATER, Charles Webster. Formas de Pensamento. São Paulo: Pensamento, 1995.

CARVALHO, José Jorge. Antropologia e Esoterismo: dois contradiscursos da moder-nidade. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v.4, n. 8, p. 53-71, 1998.

GOETHE, J.W. Doutrina das Cores. São Paulo: Nova Alexandria, 1993.

HILMA AF KLINT FOUNDATION. Disponível em: <http://www.hilmaafklint.se/hilma--af-klint- foundation/>. Acesso em: 12 Abr. 2018.

KANDINSKY, Wassily. Do Espiritual na Arte e na pintura em particular. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LEINER, Sheila. Mostra ‘Mundos Possíveis’ reúne 130 obras de Hilma af Klint, Dispo-nível em: <https://cultura.estadao.com.br/noticias/artes,mostra-mundos- possiveis--reune-130-obras-de-hilma-af-klint,70002214884>. Acesso em: 12. Março 2018.

MARCUSE, Hebert. Sobre o caráter afirmativo de cultura. Cultura e sociedade. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

PEREIRA, Wilcon. Piet Mondrian, um percurso. Revista de Letras, São Paulo, v.16, p. 231-251, 1974.

PENEDA, João et al. O espiritual na arte a partir de Kandinsky. In: ESOTERISMO OCI-DENTAL, 1., 2016, Lisboa. Anais... Lisboa: Universidade Lusófona, 2016. p. 110-123.

SCHAPIRO, Meyer. Mondrian: a dimensão humana da pintura abstrata. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

SKIDMORE, Maisie. Decoding the Spiritual Symbolism of Artist Hilma af Klint, março 2016. Disponível em: <http://www.anothermag.com/art-photography/8490/deco-ding-the- spiritual-symbolism-of-artist-hilma-af-klint>. Acesso em: 30 Jun. 2018.

TAKAC, Balasz. What Does Hilma af Klint Mean for Brazil? Pinacoteca’s Jochen Volz Explains, junho 2018. Disponível em: <https://www.widewalls.ch/hilma-af-klint-pi-nacoteca- sao-paulo/>. Acesso em: 03 Jul. 2018.

STEINER, Rudolf. Teosofia: Introdução ao conhecimento supra-sensível do mundo e do destino humano. São Paulo: Antroposófica, 1996.

VÁRALJAI, Anna et al. Theosophic Arte and Theosophic Aesthetic in Hungary In Ten Years, in the Aspect of the Theosophical Society Journal. In: ESOTERISMO OCIDENTAL, 1., 2016, Lisboa. Anais... Lisboa: Universidade Lusófona, 2016. p. 156-165.

WASSILY KANDINSKY. Disponível em: <http://www.wassilykandinsky.net/>. Acesso em: 20 Jun. 2018.

Downloads

Publicado

2019-06-06

Como Citar

CHELES, Anna Carolina. Hilma af Klint: do espírito à matéria. Palíndromo, Florianópolis, v. 11, n. 24, p. 42–58, 2019. DOI: 10.5965/2175234611242019042. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/13326. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção temática