A estética relacional e a experiência estética do Hip-hop: o eu e o outro no fazer artístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234612272020310

Palavras-chave:

hip-hop, educação, conhecimento

Resumo

Este trabalho pretende introduzir o leitor ao conceito de estética relacional a partir de um relato de experiências como oficineiro no CREAS - Centro de Referência Especializado de Assistência Social e pesquisador da cultura hip hop em um espaço de ensino não formal. É um trabalho biográfico que analisa a trajetória do artista e reflete sobre conceitos de arte encontrados nas produções com hip hop. O texto se apresenta com um breve histórico da cultura hip hop nos Estados Unidos – onde os indícios apontam como o lugar onde nasceu á cultura – e também no Brasil. Foram utilizados autores como Nicolas Bourriaud que dialoga diretamente com os conceitos de estética relacional que é objeto de estudo neste artigo. Aborda a trajetória de um artista engajado no movimento cultural hip hop e como ele se reconhece a partir de sua própria produção. Analisa também, a existência da experiência estética contida nas oficinas de hip hop, que faz com o outro crie relações também com esta cultura. E também sobre os espaços de ensino, materiais e metodologias utilizadas nos encontros e como estes acabam fornecendo uma experiência estética relacional para os participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins, 2009.

__________________ Pós-produção: como a arte reprograma o mundo. São Pau-lo: Martins, 2009.

MOURA, Thiago, Resenha do rap. Pelotas: Bradamente Livros, 2017.

PILLAR, Analice. Leitura & releitura, Arte na escola. Porto Alegre, v. 1, n. 15, 1996.

RAMOS, Celia Maria Antonacci. Grafite & pichação: por uma nova epistemologia da cidade e da arte. CEART/UDESC, 2008.

____. Grafite Pichação & Cia. São Paulo: Annablume, 1994.

REY, Sandra. O meio como ponto zero. Porto Alegre: Universidade/UFRGS 2002.

RUSH, Michael. Novas mídias na arte contemporânea. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

TAPERMAN, Ricardo.Se liga no som. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

ARTHUR (2012). História do Rap.Disponível em: http://artuzinhu.tripod.com/id26.html. Acesso em: 19 de fevereiro de 2018.

BOROVA (2008). Origem do rap. Disponível em: http://origenrap.blogspot.com.br/2008/02/origem-do-rap.html. Acesso em: 16 de janeiro de 2018 RIBEIRÃO (2018) Origem do rap. Disponível em: http://carrocacultural.com.br/pai--do-hip-hop-jamaicano-kool-herc-vem-a-ribeirao-na-block-out/ Acesso em: 22 de fevereiro de 2018.

SOCIEDADE, Reféns (2011). História do Rap. Disponível em: http://artuzinhu.tripod.com/id26.html. Acesso em: 12 de janeiro de 2018.

TOPS, Sempre (2013). A origem do rap brasileiro. Disponível em: http://www.sem-pretops.com/curiosidades/a-origem-do-rap-brasileiro/. Acesso em: 19 de fevereiro de 2018.

Rhyme and Reason. Direção: Peter Spirer. [S.I]: Miramax, 1997. 1Dvd (94 min).

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

GOMES, André Marques; CHAVES, Larissa Patron. A estética relacional e a experiência estética do Hip-hop: o eu e o outro no fazer artístico. Palíndromo, Florianópolis, v. 12, n. 27, p. 310–328, 2020. DOI: 10.5965/2175234612272020310. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/12499. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta