Notícias

Chamada de artigos para o número 36: As artimanhas do grotesco no contemporâneo

2022-12-04

Dossiê Palíndromo n. 36:

As artimanhas do grotesco no contemporâneo

 

Organizadores:

Afonso Medeiros (UFPA)

Marcos Villela Pereira (#leavingacademia)

 

Data limite para submissão: 01/03/2023

Publicação: maio/2023

 

Este dossiê é uma provocação, um desafio. Queremos colocar em pauta uma dimensão talvez pouco celebrada na arte e na cultura. Não pela falta de relevância, mas por essa estranha mania que a humanidade tem de lidar com o que é diferente – seja escondendo e dissimulando, seja espetacularizando. Os diferentes, por muitos séculos (milênios?) ficaram aprisionados nos porões e nas alcovas ou expostos nos circos e parques de atrações. O diferente inquieta, perturba, confronta as pessoas com aspectos que elas prefeririam guardar sob o tapete. Pois aqui queremos jogar luz sobre uma fatia, um traço dessa infinita coleção de diferentes: o grotesco.

 

Saiba mais sobre Chamada de artigos para o número 36: As artimanhas do grotesco no contemporâneo

Edição Atual

v. 14 n. 34 (2022): A terra dura: potências do sonho e arte
					Visualizar v. 14 n. 34 (2022): A terra dura: potências do sonho e arte

Oorganização: Profa. Dra. Alice Lino Lecci; Profa. Dra. Debora Pazetto, Profa. Dra. Marta Martins

Vivemos um momento de crise aguda do capital, no qual a produção e a pesquisa artísticas devem escutar os povos ou grupos que têm resistido bravamente nas margens do planeta. É preciso aprender com as práticas de resiliência, drible e luta dos povos da floresta, dos quilombolas, dos movimentos populares nas ocupações urbanas, das feministas comunitárias de Abya Yala, dos zapatistas. E uma das primeiras coisas que ensinam diz respeito à importância de alimentar “um outro lugar que a gente pode habitar além dessa terra dura: o lugar do sonho”, como diz Ailton Krenak. Sonhar, mas não como fantasia individual, e sim como método coletivo para disputar estética, teórica e politicamente pelos territórios materiais e simbólicos da imaginação e da produção de mundo. Como a arte entra nessa disputa pela libertação dos corpos e subjetividades capturados pelo sistema que os oprime e criminaliza suas diferenças?

Publicado: 2022-09-01

Expediente

Editorial

Artigos Seção aberta

Proposições, registros e relatos artísticos

Ver Todas as Edições

Revista Palindromo - ISSN: 2175-2346

 

Esta é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAV) do Centro de Artes da Universidade Estadual de Santa Catarina. Desenvolvida desde 2004, inicialmente na versão impressa e depois eletronicamente a partir de 2009. É uma revista digital sem fins lucrativos, projetada para ser um veículo para a disseminação da pesquisa e produção de conhecimento, devidamente instalada na plataforma System. Publicação de Revista Eletrônica (SEER). Atualmente, possui Qualis B1 em Artes.

 

Palíndromo é uma palavra de origem grega que indica o que pode ser lida em uma direção e também na direção oposta, de trás para frente. Ao contrário da ordem e das normas pré-estabelecidas, a pesquisa em/sobre as artes visuais refere-se não apenas a normas negadas, pois exige constante revisão de dados, processos e reorganização de idéias, acolhendo o que pode ser pensado como tráfego e cruzamento.

 

A revista recebe artigos inéditos de autores brasileiros e estrangeiros que abordam temas da área de Artes Visuais, resultantes de pesquisas sobre Processos Artísticos Contemporâneos, Ensino de Arte e História e Teoria e Arte da Arte (Crítica de Arte).

 

 É publicada a cada quatro meses, com artigos inéditos no Brasil, desde que aprovados pelo Conselho Editorial e atendam às normas indicadas na convocação. Excepcionalmente, artigos de autores brasileiros e estrangeiros publicados anteriormente em livros e revistas com circulação restrita no Brasil podem ser publicados. O envio é aberto o ano todo, com fluxo contínuo.

 

A gestão editorial é realizada por professores de cada uma das linhas de pesquisa que compõem o PPGAV , sendo elas Mara Rúbia Sant'Anna, Luana Wedekin e Sandra Favero O Conselho Editorial é formado por professores de diferentes universidades brasileiras e internacionais.