“Odeio coletivos e vou de carro que comprei à prestação”: humor e crítica social em “Classe média”, de Max Gonzaga

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530408022023e0109

Palavras-chave:

Max Gonzaga, classe média, canção popular, crítica

Resumo

O presente artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que tomou como objeto a canção “Classe média”, de Max Gonzaga. Composta e lançada em 2005, a canção não só obteve repercussões à época de seu lançamento, mas também em períodos posteriores, o que gerou o interesse em estudá-la de modo mais detido. Para isso, foi realizada uma análise documental de sua gravação tendo como principal referencial a semiótica da canção para desvelar as relações que se estabelecem entre letra e música para a produção de seus sentidos. As análises mostram que a canção constrói, através da chave do humor, uma crítica ao alinhamento de setores inter­mediários da sociedade brasileira à ideologia das elites, revelando ainda a importância da me­lodia, da harmonia e das escolhas interpretativas para o estabelecimento de seu caráter irônico e caricatural. Adicionalmente, foi possível perceber que a canção possui ainda uma segunda voz poética, que se inscreve no cantar do próprio enunciador e traz uma dimensão autorrefle­xiva, em tom mais lamentoso. Diante disso, entendeu-se que a presença dessas duas vozes poé­ticas se constituiria como uma forma de exprimir um certo pensamento cindido que se faria presente em indivíduos de classe média.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Carvalho Pereira Campos, Universidade Estadual de Campinas

É mestranda no Programa de Pós-Graduação em Música do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É graduada em Licenciatura em Música pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Adelcio Camilo Machado, Universidade Federal de São Carlos

Adelcio Camilo Machado é professor do Departamento de Artes e Comunicação (DAC) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), sendo responsável pela área de Música e Sociedade, e atual Vice-Diretor do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Doutorou-se em Música pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com tese sobre Nelson Gonçalves e os conflitos simbólicos na música popular brasileira das décadas de 1940 e 1950. Realizou seu Mestrado em Música pela mesma universidade, com dissertação sobre o samba nos anos 1970 pela perspectiva de suas relações com a indústria fonográfica e com os embates simbólicos. É Bacharel em Música também pela UNICAMP na área de música popular. É co-líder do "Grupo de Estudos da Canção Popular" (UFSCar) em parceria com a Profa. Dra. Thais dos Guimarães Alvim Nunes e membro dos seguintes grupos de pesquisa: "Música Popular: história, produção e linguagem" (UNICAMP), "História e Música" (UNESP-Franca), "Grupo de Estudos Culturais" (UNESP-Franca) e "Núcleo de Estudos Literários e Musicológicos" (UFES). Tem atuação regular no âmbito da extensão universitária, sendo membro da equipe de trabalho do programa de extensão "Música Popular: História, Performance e Ensino", coordenado pela Profa. Dra. Thais dos Guimarães Alvim Nunes, através do qual oferece atividades como cursos de atualização, seminários e ciclos de debates.

Referências

MÚSICAS sobre desigualdade social no Brasil. Jornal da Paraíba, [s. l.], 25 mar. 2023. Disponível em: https://jornaldaparaiba.com.br/qualeaboa/musicas-sobre-desigualdade-social/. Acesso em: 14 jun. 2023.

ARAÚJO, Emerson César Lemos. Estratégias de sucesso no mercado de viagens: um estudo de caso da CVC operadora de turismo. 2011. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade FUMEC, Faculdade de Ciências Empresariais, Belo Horizonte, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2010.

BIANCARELLI, André M. A Era Lula e sua questão econômica principal: crescimento, mercado interno e distribuição de renda. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 58, p. 263-288, jun. 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i58p263-288. Acesso em: 13 jun. 2023.

BODART, Cristiano. Música Classe Média - MAX Gonzaga. Café com Sociologia, [s. l.], 11 ago. 2013. Disponível em: https://cafecomsociologia.com/musica-classe-media-max-gonzaga/. Acesso em: 12 jun. 2023.

BOITO JR., Armando. As relações de classe na nova fase do neoliberalismo no Brasil. In: CAETANO, Gerardo (Org.). Sujeto sociales y nuevas formas de protesta en la historia reciente de América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 1. ed., v.1, p. 271-297, 2006.

BRITO, Brasil Rocha. Bossa Nova. In: CAMPOS, Augusto de (org.) Balanço da Bossa: antologia crítica da moderna música popular brasileira. São Paulo: Perspectiva, 1968, p. 13-40. (Coleção Debates, v. 3)

CAMPOS, Roberta Carvalho Pereira. “Eu quero é que se exploda a periferia toda”: análise da crítica à ideologia neoliberal expressa na canção “Classe média”, de Max Gonzaga. 2021. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de Música) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/16406. Acesso em: 03 nov. 2023.

CAMPOS, Roberta Carvalho Pereira; MACHADO, Adelcio Camilo. “Só pago impostos, estou sempre no limite do meu cheque especial”: análise da crítica à ideologia neoliberal expressa na canção Classe média, de Max Gonzaga. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 31., 2021, João Pessoa. Anais [...]. [s. l.]: ANPPOM, 2021. Disponível em: https://anppom-congressos.org.br/index.php/31anppom/31CongrAnppom/paper/viewFile/539/325. Acesso em: 03 nov. 2023.

CANDIDO, Antonio. Radicalismos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 4, n. 8, p. 4-18, 1990. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/8540. Acesso em: 28 jun. 2022.

CARDOSO, Helena Schiessl. Discurso criminológico da mídia na sociedade capitalista: necessidade de desconstrução e reconstrução da imagem do criminoso e da criminalidade no espaço público. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito do Estado) - Programa de Pós-Graduação em Direito, Setor de Ciências Jurídicas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

CORAL da UFJF comemora aniversário com espetáculo “Já que sou… Resisto!”. Universidade Federal de Juiz de Fora, [s. l.], 25 nov. 2022. Disponível em: https://www2.ufjf.br/noticias/2022/11/25/coral-da-ufjf-comemora-aniversario-com-espetaculo-ja-que-sou-resisto/. Acesso em: 11 jun. 2023.

FENERICK, José Adriano. Premeditando o Breque e Língua de Trapo: a dimensão política da Vanguarda Paulista por meio do humor. ArtCultura, Uberlândia, v. 22, n. 40, p. 151-164, jan.-jun. 2020. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/56969. Acesso em: 10 jun. 2023.

FREITAS, Sérgio Paulo Ribeiro de. Que acorde ponho aqui? Harmonia, práticas teóricas e o estudo de planos tonais em música popular. 2010. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

GRASSINI, Paula Cambraia. Hay que endurecer siempre: o caso Liana Friedenbach e a campanha do jornal O Globo pelo endurecimento penal. 2004. Artigo (Trabalho de Conclusão de Curso em Comunicação Social - Jornalismo) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004. Disponível em: https://www.bocc.ubi.pt/pag/grassini-paula-liana-friedenbach.pdf. Acesso em: 15 jul. 2021.

GUIMARÃES, Eduardo. Max Gonzaga, autor do hit “Classe Média”, fala ao blog da cidadania. Blog da cidadania, 2013. Disponível em: https://blogdacidadania.com.br/2013/05/max-gonzaga-autor-do-hit-classe-media-fala-ao-blog-da-cidadania-2/. Acesso em: 15 set. 2020.

HARVEY. David. O Neoliberalismo: história e implicações. São Paulo, Edições Loyola, 2008.

MACHADO, Regina. Da intenção ao gesto interpretativo: análise semiótica do canto popular brasileiro. 2012. Tese (Doutorado em Semiótica e Linguística Geral) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

MOEHN, Frederick. Music, Citizenship, and Violence in Postdictatorship Brazil. Latin American Music Review / Revista de Música Latinoamericana, [s. l.], v. 28, n. 2, p. 181-219, outono-inverno 2007.

MÚSICA com crítica à classe média faz sucesso na web. O Estado de São Paulo, São Paulo, 24 mai. 2006. Disponível em: https://www.estadao.com.br/brasil/musica-com-critica-a-classe-media-faz-sucesso-na-web/. Acesso em: 03 mai. 2023.

NAVES, Santuza Cambraia. Canção popular no Brasil: a canção crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. (Coleção contemporânea: Filosofia, literatura e artes)

PEARSON, Samantha. Middle class starts to lose ground. Financial Times, [s. l.], p. 2, 12 mai. 2015. Disponível em: https://link.gale.com/apps/doc/A413151125/AONE?u=capes&sid=AONE&xid=6dbd12ef. Acesso em: 8 nov. 2020.

SALLUM JR., Brasilio. O Brasil sob Cardoso: neoliberalismo e desenvolvimentismo. Tempo social, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 23-47, out. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20701999000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 set. 2020.

SANDRONI, Carlos. Feitiço decente: transformações do samba no Rio de Janeiro, 1917-1933. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed./Ed. UFRJ, 2001.

SANTOS, Daniela Vieira dos. Do Lamento à Paródia: considerações histórico-musicais da canção “Chão de Estrelas”. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 23., 2013, Natal. Anais [...]. [s. l.]: ANPPOM, 2013. Disponível em: https://anppom.org.br/anais/anaiscongresso_anppom_2013/2122/public/2122-6939-1-PB.pdf. Acesso em: 29 mai. 2023.

SANTOS, Daniela Vieira dos. Não vá se perder por aí: a trajetória dos Mutantes. São Paulo: Annablume, 2010.

“SOU CLASSE média, papagaio de todo telejornal…”. Pragmatismo político, [s. l.], 01 ago. 2013. Disponível em: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/08/sou-classe-media-papagaio-de-todo-telejornal.html. Acesso em: 09 jun. 2023.

SOUZA, Jessé. A classe média no espelho: sua história, seus sonhos e ilusões, sua realidade. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2018.

TELES, José. Caiubi, um clube de autores que aprendeu a lidar com a crise. Jornal do Commercio, Recife, 12 jan. 2015. Disponível em: https://jc.ne10.uol.com.br/canal/cultura/noticia/2015/01/12/caiubi-um-clube-de-autores-que-aprendeu-a-lidar-com-a-crise-163841.php. Acesso em: 03 mai. 2023.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Prova de Conhecimentos Gerais. [S. l.]: Universidade Estadual de Goiás, 11 nov. 2007. Disponível em: https://www.nucleodeselecao.ueg.br/processos_t.asp?ct=3. Acesso em: 20 mai. 2023.

ZAN, José Roberto. Do fundo de quintal à vanguarda: contribuição para uma história social da música popular brasileira. 1997. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

Downloads

Publicado

2023-11-21

Como Citar

CAMPOS, Roberta Carvalho Pereira; MACHADO, Adelcio Camilo. “Odeio coletivos e vou de carro que comprei à prestação”: humor e crítica social em “Classe média”, de Max Gonzaga. Orfeu, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. e0109, 2023. DOI: 10.5965/2525530408022023e0109. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/23842. Acesso em: 13 abr. 2024.