Performances com musicares enquanto performances de existência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530407022022e0103

Palavras-chave:

Performances, Performances musicais, Performances com Musicares

Resumo

Este texto se estrutura como uma interface entre as áreas de Performance e de Educação Musical. O seu objetivo é apresentar a ideia de Performances com Musicares enquanto Performances de Existência. A ideia de musicar faz referência à concepção de Christopher Small (1999). O texto faz parte de uma pesquisa de Doutorado em andamento que se realiza por meio da etnografia, a autoetnografia e a cartografia como métodos de trabalho. A investigação contou com a pesquisa de campo, sendo realizadas entrevistas on-line com doze professores de violoncelo de oito espaços musicais de ensino e aprendizagem de estudantes iniciantes no Brasil. Entre os resultados apontados pela investigação, se incluem a ideia de que as performances se estruturam sobre contextos sobrepostos e dialógicos. Como reflexões, a pesquisa aponta que as performances com práticas musicais podem ser interpretadas como processos pedagógicos de representação de formas de existir que se ampliam à vida cotidiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Brietzke, Universidade de São Paulo

Mestra e Doutoranda em Artes pela Universidade de São Paulo (bolsista CAPES), professora violoncelista performer.

Mário Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestre em Música pela Universidade Federal da Paraíba, Doutor em Música pela Universidade Federal
do Rio Grande do Sul, Professor Doutor na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Fabio Presgrave, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestre em Música pela Julliard School, Doutor em Música pela Universidade Estadual de Campinas,
Professor Doutor na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Professor Colaborador na Universidade de São Paulo e na Universidade Federal do Rio de Janeiro, professor violoncelista performer. 

Referências

BOAL, Augusto. A Estética do Oprimido. Rio de Janeiro: Editora Garamond Ltda, 2009.

CARLSON, Marvin. Performance: uma introdução crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

CLARK, Lygia. A propósito da magia do objeto. In: CLARK, Lygia. Textos de Lygia Clark, Ferreira Gullar e Mário Pedrosa. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1980. p. 25-26.

CONE, Edward. Musical Form and Musical Performance. New York: W.W. Norton & Campany, 1968.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 69. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Terra e Paz, 2019.

FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: Um ensaio sobre música e educação. 2 ed. São Paulo: Editora UNESP; Rio de Janeiro: Funarte, 2008.

GOHN, Daniel Marcondes. Aulas on-line de instrumentos musicais: novo paradigma em tempos de pandemia. Revista da Tulha, Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 152-171, 2020.

ICLE, Gilberto. Da performance na educação: perspectivas para a pesquisa e a prática. In: PEREIRA, Marcelo de Andrade (Org). Performance e Educação: (des)territorializações pedagógicas. Santa Maria: Editora UFSM, 2013, p. 9-22.

PEREIRA, Marcelo de Andrade. Performance docente: sentidos e implicações pedagógicas. In: Performance e Educação: (des)territorializações pedagógicas. Santa Maria: Editora UFSM, 2013. p. 23-36.

PINEAU, Elyse. Nos Cruzamentos entre a Performance e a Pedagogia: uma revisão prospectiva. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 89-113, 2010.

RESTREPO, Eduardo. Etnografía: alcances, ténicas y éticas. Bogotá: Envión Editores, 2016.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: Transformações Contemporâneas do Desejo. 2 ed. Porto Alegre: Editora Meridional: Editora da UFRGS, 2016.

ROTHSTEIN, William. A análise e o ato da performance. In: Chueke, Zélia (Org). Leitura, Escuta e Interpretação. Curitiba: Ed. UFPR, 2019. p. 81-122.

SANTOS, Silvio Matheus Alves. O método da autoetnografia na pesquisa sociológica: atores, perspectivas e desafios. PLURAL, Revista do Programa de Pós‑Graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 214-241, 2017.

SCHECHNER, Richard. 2006. O que é performance? In: SCHECHNER, Richard.

Performance studies: an introduccion. 2 ed. New York & London: Routledge, 2006.

SMALL, Christopher. El Musicar: Un ritual en el Espacio Social. Revista Transcultural de Música, n. 4, 1999. p. 1-16.

TARASTI, Eero. A música como arte narrativa. In: Chueke, Zélia (Org). Leitura, Escuta e Interpretação. Curitiba: Ed. UFPR, 2019. p. 49-80.

YING, Liu Man. O ensino coletivo direcionado ao violino. 2007. 227 f. Dissertação (Mestrado em Artes - Musicologia) – Escola de Comunicações e Artes,

Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Downloads

Publicado

2022-08-11

Como Citar

BRIETZKE, M.; OLIVEIRA, M. .; PRESGRAVE, F. Performances com musicares enquanto performances de existência. Orfeu, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. e0103, 2022. DOI: 10.5965/2525530407022022e0103. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/22045. Acesso em: 28 set. 2022.