O corpo da mulher como morada em Habite-me

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034702232020218

Palavras-chave:

Habitar, mulher, Teatro de animação

Resumo

Este artigo é fruto de diálogo e inte(g)ração com Carolina Garcia, atriz e produtora do espetáculo Habite-me (2019). O espetáculo, definido como teatro de máscaras, dança e bonecos, possui um prólogo e três quadros e trata de temas existenciais, tais como a vida e a morte, a relação com a passagem do tempo e o cuidado com o outro. A proposta, ao vivificar esses temas e entrelaçá-los ao corpo de uma mulher, também realiza um diálogo com os demais elementos da cena, adquirindo diferenciados contornos e os expandindo. Habite-me é fruto de um intercâmbio realizado entre artistas do Brasil, do Canadá (Cie.Territoire 80) e da Bélgica.

Biografia do Autor

Joana Vieira Viana, Universidade do Estado de Santa Catarina - Udesc

Possui graduação em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (2004), Especialização em Docência no Ensino Superior pela Unopar (2014) e Mestrado em Artes Cênicas na UFRN. Cursando Doutorado em Teatro pela Udesc. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Interpretação Teatral, atuando principalmente nos seguintes temas: teatro de animação, teatro de rua, esquadrão da vida, Bertold Brecht e cultura afrodescendente.

Referências

AHLERT, Alvori. Corporeidade e educação: o corpo e os novos paradigmas da complexidade.

Revista Ibero-Americana de Educação. V.1, nº56, p.1-13, 2011.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BALARDIM, Paulo César. Desdobramentos do Ator, do Objeto e do Espaço. Florianópolis, 2013.

Tese (Doutorado) - Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina.

CORSO, Diana. O insuportável do corpo feminino. Vídeo. Canal Café filosófico da TV Cultura.

Exibido em dezembro de 2016. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=oHiLo8nTyT0&t=1079s . Acesso em 01/06/ 2020.

COSTA, Felisberto Sabino da. Máscara: corpo. Artifício. In: BELTRAME, Valmor Nini e

ANDRADE, Milton de (Org.) Teatro de Máscaras. Florianópolis: UDESC, 2010. p.11-

DICHTCHEKENIAN, Nichan. O Mundo é a casa do homem. Palestra proferida em 29/09/2006.

Disponível em: http://www.fenoegrupos.com/JPM-Article3/pdfs/Nichan_Mundo.pdf .

Acesso em 15/07/2020.

DICHTCHEKENIAN, Nichan. A poética como revelação do habitar em Heidegger e a poética

como constituição-mundo em Bachelard. Vídeo da palestra proferida em 29/09/2014.

Publicado em 16 de janeiro de 2015. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=xy7IZpCzFzU . Acesso em 22/06/2020.

ESTÉS, Clarissa Pinkola. A ciranda das mulheres sábias: ser jovem enquanto velha, velha

enquanto jovem. Rio de Janeiro: Rocco. 2007.

GARCIA, Carolina. Entrevista concedida a Joana Vieira Viana via Whatsapp. 20 de junho a 30

de julho de 2020. Entrevista.

GIL, José. Movimento Total. São Paulo: Iluminuras, 2002.

NETO, João Cabral de Melo. Habitar o Tempo. Poema. Disponível em:

https://solangef.wordpress.com/2008/12/29/joao-cabral-de-melo-neto-habitar-otempo/

. Acesso em 24/06/2020.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Ebook, 2002. Disponível em:

http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/zara.pdf . Acesso em 20/07/2020.

NOGUÈS, Joëlle. Transfiguração dos corpos. Os corpos pensantes. Móin-Móin: Revista de

Estudos sobre Teatro de Formas Animadas. Jaraguá do Sul: SCAR/UDESC, ano 13,

v.17, 2017. p.15-29.

RAGO, Margareth. Epistemologia Feminista, Gênero e História. In: PEDRO, Joana Maria;

GROSSI, Miriam Pilar (Orgs.). Masculino, feminino, plural: Gênero na

interdisciplinaridade. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.

RILKE, Rainer Maria. Elegias de Duíno. Tradução: Dora Ferreira da Silva. 6 Ed. São Paulo:

Biblioteca Azul, 2013. E-book, disponível em https://books.google.com.br/books?hl=pt-

PT&lr=&id=mVkbAgAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT3&dq=Rainer+Maria+Rilke+Elegia+de+d

u%C3%ADno+estranho+n%C3%A3o+habitar+mais+terra&ots=1AL4mKnsxe&sig=Iqlu

Om0rOA55dA8LHwDMjwrPQ#v=onepage&q=Rainer%20Maria%20Rilke%20Elegia%

de%20du%C3%ADno%20estranho%20n%C3%A3o%20habitar%20mais%20terra&

f=false . Acesso em 20/07/2020.

SUASSUNA, Ariano. O Auto da Compadecida. 19 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1983.

VASCONCELOS, Romíria Penha Turcheti. A corporeidade do artista da cena por uma

perspectiva das “peles”. In: I Semana Acadêmica do Curso de Teatro. UFSJ: 2015.

Anais da I Semana Acadêmica do Curso de Teatro. São João del-Rei, MG, p.31-41.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Vieira Viana, J. (2020). O corpo da mulher como morada em Habite-me. Móin-Móin - Revista De Estudos Sobre Teatro De Formas Animadas, 2(23), 218-234. https://doi.org/10.5965/2595034702232020218