O Sexting como marcador de identidade de grupo em redes sociais: aspectos desenvolvimentais e interface pragmático-interacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723824542023411

Palavras-chave:

sexting, sexting e adolescência, sexualidade tecnologicamente mediada, identidade, interação social e pragmática

Resumo

Este artigo discute a prática do sexting por adolescentes em redes sociais com o objetivo de avaliar o processo de interação tecnologicamente mediada e algumas de suas implicações para o estabelecimento de laços sociais e para a construção de marcadores de identidade. Foram utilizados nessa discussão princípios teóricos da Psicologia Evolucionista do Desenvolvimento e da Pragmática Interacional. Os dados apresentados foram coletados junto a um grupo de estudantes de duas escolas da cidade de Salvador/BA, por meio de um questionário semiaberto construído para obter informações sobre a concepção que esses estudantes apresentavam sobre o sexting, a rede de interação na qual esse comportamento ocorria e as formas de lidar com os riscos inerentes a esse comportamento. Os resultados demonstram que falar sobre sexualidade ainda é um tabu. Isso é evidenciado tanto na esquiva dos adolescentes em assumir a prática do sexting, especialmente frente aos seus pais, quanto nas respostas aparentemente contraditórias registradas no questionário. É fundamental que mais pesquisas sobre sexting sejam desenvolvidas para compreender uma vivência consciente da sexualidade tecnologicamente mediada para que seus benefícios sejam aproveitados e minimizem-se seus riscos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARRERE, Luana Lisboa. Face e polidez linguística em reclamações online: uma análise sob o viés pragmático. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 383-405, jan./jun, 2017.

BAUER, Martin. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, Martin; GASKEL, George (org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 189-217.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

CARDOSO, André Tavares; FALCKE, Denise; MOSMANN, Clarisse Pereira. Sexting: percepções de adolescentes sobre o fenômeno e acerca do papel das relações familiares. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 665-685, 2019.

CERQUEIRA-SANTOS, Elder; MELO NETO, Othon Cardoso.; KOLLER, Silvia Helena. Adolescentes e adolescências. In: HABIGZANG, Luísa Fernanda; DINIZ, Eva; KOLLER, Silvia Helena (orgs.). Trabalhando com adolescentes: teoria e intervenção psicológica. Porto Alegre: ARTMED, 2014. p. 17-29.

CRYSTAL, David. Dicionário de linguística e fonética. Tradução e adaptação: Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

DA ROCHA, Fátima Niemeyer.; RIBEIRO, Carlos Alberto. Escolhas na adolescência: implicações contemporâneas dos grupos sociais e da família. Revista Mosaico, Vassouras, v. 8, n. 2, p. 39-47, 2017.

DODAJ, Arta; SESAR, Kristina. Sexting categories. Mediterranean Journal of Clinical Psychology, Messina, v. 8, n. 2, p. 1-26, 2020.

DRUMONT, Mary Pimentel. Elementos para uma análise do machismo. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais, São Paulo, v. 3, p. 81-85, 1980.

DUBOIS, Jean. Dicionário de linguística. São Paulo: Cultrix, 1973.

FERNANDEZ, Jorge Flores. Sexting, sextorsão e grooming. In: ABREU, Cristiano Nabuco de; EISENSTEIN, Susana.; ESTEFENON, Bruno (orgs.). Vivendo esse mundo digital: impactos na saúde, na educação e nos comportamentos sociais, 2014. p. 72-92.

GOMIDE, Paula Inez Cunha et al. Correlação entre práticas educativas, depressão, estresse e habilidades sociais. Psico-USF, Campinas, v. 10, n. 2, p. 169-178, 2005.

GUMPERZ, John Joseph. Discourse strategies. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALL, Stuart. Identity: the real me: postmodernism and the question of identity. London: Institute for Contemporary Arts, 1987. (ICA Document 6)

KERNER, Ina. Tudo é interseccional? Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 93, julho, p. 45-58, 2012.

LING, Rich. Mobile communications vis-à-vis teen emancipation, peer group integration and deviance. In: HARPER, Richard; TAYLOR, Alex; PALEN, Leysia. The inside text: social perpectives on SMS in the mobile age. London: Klewer, 2004. p. 175-189.

MANO, Maíra Kubík; DE SOUZA, Fabrício. Sexting, adolescência e relações de gênero. In: DENEGA, Alessa Montalvão Oliveira et al. (orgs). Gênero na psicologia: transversalidades. Salvador: CRP-03, 2020. p. 74-85.

MURARI, Karina Stangherlin; DORNELLES, Patrícia Paludette. Uma revisão acerca do padrão de autoimagem em adolescente. Revista Perspectiva: Ciência e Saúde, Osório, v. 3, n. 1, p. 155-168, 2018.

OLIVEIRA, Jair Antônio de. Pragmática & comunicação. Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 2, p. 53-68, 2010.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira. Aquisição de segunda língua. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

PAIXÃO, Jairo Antônio da et al. Adolescência e autoimagem corporal: um estudo de caso em Muriaé. Revista Científica da FAMINAS, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 11-17, 2016.

MASCARENHAS, Ygor Silva; CINTRA, Fernanda de Oliveira; BONINI, Luci Mendes de Melo. A pornografia de vingança e o sexting entre adolescentes e jovens no Brasil: reflexões acerca da dignidade humana. Revista Científica UMC, Mogi das Cruzes, v. 3, n. 3, p. 1-4, 2018.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SOUZA, Fabrício de; ALVES BANACO, Roberto. A prática cultural do sexting entre adolescentes: notas para a delimitação do objeto de estudo. Acta Comportamentalia, Guadalajara, v. 26, n. 1, p. 127-141, 2018.

SOUZA, Fabrício de; BECKER, Bianca. Para além da infância: adolescência também é tempo de brincar. In: BICHARA, Ilka Dias; SOUZA, Fabrício de; BECKER, Bianca (org.). Crianças e adolescentes em redes: tecnologias digitais e culturas lúdicas. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 181-205.

ULLMANN, Stephen. Semantic universals. In: GREENBERG, Joseph. Universals in language. Massachusetts: MIT Press, 1966.

WALRAVE, Michel et al. Sharing and caring? The role of social media and privacy in sexting behavior. In: WALRAVE, Michel et al (eds.). Sexting: motives and risk in online sexual self-presentation. Nottingham: Nottingham Trent University, 2018. p. 1-14.

WOLAK, Janis; FINKELHOR, David. Sexting: a typology. Bulletin, Durham, NH: Crimes Against Children Research Center, 2011. p 1-11.

Downloads

Publicado

2023-03-20

Como Citar

SOUZA, Fabricio de; VALADARES, Flávio Biasutti. O Sexting como marcador de identidade de grupo em redes sociais: aspectos desenvolvimentais e interface pragmático-interacional. Revista Linhas, Florianópolis, v. 24, n. 54, p. 411–430, 2023. DOI: 10.5965/1984723824542023411. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/19193. Acesso em: 15 abr. 2024.