Moda para meninas adolescentes:

seria um vestuário efetivamente para meninas reais?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/18083129152021e0010

Palavras-chave:

Moda - Estilo, Obesidade em adolescentes, Roupas de meninas, Vestuário - Indústria

Resumo

O presente artigo reflete sobre a produção de peças de vestuário para adolescentes com obesidade mórbida de 12 a 14 anos, tendo em vista o número crescente de usuários na condição de excesso de peso e a forma como as marcas elaboram seus produtos de moda. O objetivo é ampliar o debate sobre os padrões de beleza do mercado, refletir sobre a práxis do designer, além de indagar se o vestuário oferecido atende às adolescentes em questão. O método utilizado foi revisão bibliográfica, levantamento de lojas do setor, aplicação de questionários às meninas estudadas e aos seus responsáveis, além de entrevistas com os profissionais responsáveis pelo atendimento médico delas no Hospital Pedro Ernesto, localizado em Vila Isabel, campo escolhido por reunir maior número de adolescentes em situação de obesidade. Para entender o mercado de moda, realizamos entrevista com a dona de uma marca carioca de moda feminina infantojuvenil estabelecendo um paralelo com outra marca do setor feminino, encerrando com uma reflexão acerca da prática profissional do Designer dentro do modo de produção capitalista, e a atividade laboral de desenhar roupas para os usuários. A pesquisa é relevante por convidar os pares a refletir sobre os padrões estabelecidos de beleza e de produção, que materializados na forma como estão elaborando os produtos de vestuário, de acordo com as condições materiais de produção não atendem as usuárias em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tais Oliveira Ventura Pereira, PUC Rio

Bacharel em Design - Habilitação Moda pelo Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil - Senai Cetiqt (2013), Mestre em Design Pela Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio (2018) e doutoranda em Design pela Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio. Seus interesses de pesquisa estão no Campo do Design, especialmente na moda, nas relações com o corpo e na sociologia.

Alberto Cipiniuk, PUC Rio

Possui Licenciatura com Habilitação Plena em História da Arte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1978), mestrado em Filosofia Estética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985) e doutorado em Filosofia e Letras - Université Libre de Bruxelles (1990). Professor Associado e aposentado do Departamento de Teoria e História da Arte do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Desenho Industrial, com ênfase em Desenho de Produto e Comunicação Visual, atuando principalmente nos seguintes temas: campo do design, design, historia social da arte, comunicação visual e representação social da imagem. Líder de grupo de pesquisa registrado no Diretório do CNPq.

Irina Aragão dos Santos, PUC Rio

Pós-Doutora em História da Ciência e Tecnologia, no Núcleo de Estudos Históricos de Artefatos da Ciência e Tecnologia, Museu de Astronomia e Ciências Afins ? MAST, em 2019; Doutora em História Comparada, pelo Instituto de História ? IH / UFRJ, em 2014; Mestre em História Comparada, pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais ? IFCS / UFRJ, em 2009; Mestre em Design pela PUC-Rio, em 2003; graduada em História, pelo IFCS / UFRJ, em 2007; e Desenho Industrial na Escola de Belas Artes ? EBA / UFRJ, em 1989, quando já criava objetos de prata no atelier de Jefferson Zanon e Paulo Accorsi. No mesmo ano, ingressou em Curso de Extensão em Ourivesaria na Escola Superior Artístico-Industrial Strogonov em Moscou / Rússia, onde desenvolveu peças com esmalte e filigrana. Desde o seu retorno ao Brasil em 1990, vem trabalhando junto ao setor de joias e gemas. Há vinte anos está envolvida com o meio acadêmico. Ministra disciplinas de História e Projeto de Design, e Design de Adornos Pessoais, no Curso de Graduação em Desenho Industrial na PUC-Rio. Tem interesse na reflexão e pesquisa sobre cultura material e história; o objeto, em particular o adorno pessoal, como mediador das relações sociais, seus vários significados e usos.

Referências

ABESO. Diretrizes brasileiras de obesidade. 4.ed. São Paulo : ABESO, 2016. Disponível em: https://abeso.org.br/wp-content/uploads/2019/12/Diretrizes-Download-Diretrizes-Brasileiras-de-Obesidade-2016.pdf. Acesso em: 21 nov. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 15800: Vestuário: Referências de medidas do corpo humano – Vestibilidade de roupas para bebê e infanto-juvenil. Rio de Janeiro: ABNT, 2009.

BASSETTE, F. Número de cirurgias plásticas entre adolescentes aumenta 141% em 4 anos. O Estado de São Paulo, São Paulo, 01 jul. 2013. Website: Estadão. Disponível em: https://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,numero-de-cirurgias-plasticas-entre-adolescentes-aumenta-141-em-4-anos-imp-,1048786. Acesso em: 28 ago. 2016.

BOURDIEU, P. A distinção: Crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2015.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2015.

BOURDIEU, P. A metamorfose dos gostos. In: BOURDIEU, P. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CALLIGARIS, C. A adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000.

CIPINIUK, A. O livro dos porquês: o campo do Design compreendido como produção social. São Paulo: Editora Reflexão, 2014.

DE ACORDO com a ISAPS, Brasil lidera ranking de cirurgias plásticas no mundo. São Paulo : SBCP, 29 jul. 2014. Website: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Disponível em: http://www2.cirurgiaplastica.org.br/de-acordo-com-a-isaps-brasil-lidera-ranking-de-cirurgias-plasticas-no-mundo/. Acesso em: 28 ago. 2016.

INDUSTRIAL design definition history. Website: World Design Organization. Disponível em: http://wdo.org/about/definition/industrial-design-definition-history/ Acesso: 14 nov. 2018.

RODRIGUES, J. C. Tabu do corpo. 7.ed. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2006.

Publicado

2021-02-18

Como Citar

PEREIRA, T. O. V.; CIPINIUK, A.; SANTOS, I. A. dos. Moda para meninas adolescentes: : seria um vestuário efetivamente para meninas reais?. DAPesquisa, Florianópolis, v. 16, p. 01-22, 2021. DOI: 10.5965/18083129152021e0010. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/16695. Acesso em: 5 dez. 2021.