Design como processo complexo: uma reflexão sobre potenciais relações entre acaso, Design e funções dos produtos

Autores

  • Fernanda de Souza Quintão Universidade Federal de Santa Catarina
  • Ricardo Triska Universidade Federal de Santa Catarina
  • Richard Perassi Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312907092012429

Palavras-chave:

acaso, funções do produto, design, complexidade, Edgard Morin

Resumo

Na análise das formas de interação dos cidadãos com as metrópoles no século passado, em um momento dominado pelo racionalismo, quando a forma dos produtos deveria seguir a sua função prática, tentou-se excluir o acaso do processo de Design. Este trabalho, resultado de uma pesquisa teórica no campo de Design, procura refletir acerca de potenciais relações entre acaso, Design e complexidade, mediadas pela questão da funcionalidade de produtos, interpretando Design como processo inserido no pensamento complexo de Edgar Morin. Para tanto, conceitua-se complexidade; apresenta-se a participação do acaso no processo criativo; destacam-se racionalidade e objetividade, presentes no funcionalismo; e apresenta-se o desdobramento das funções do produto. Por fim, discute-se de que maneira Design pode ser visto como processo complexo.  Conclui-se que isso se dá quando o design, mesmo partindo de uma metodologia objetiva, reconhece o acaso como parte de seu processo; também a definição das funções estética e simbólica rompe com o reducionismo anterior, que via apenas a objetividade da função prática, e confirma a inserção do design na complexidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-10-23

Como Citar

Quintão, F. de S., Triska, R., & Perassi, R. (2018). Design como processo complexo: uma reflexão sobre potenciais relações entre acaso, Design e funções dos produtos. DAPesquisa, 7(9), 429-443. https://doi.org/10.5965/1808312907092012429

Edição

Seção

Design