Parques da ciência como estratégia de divulgação da ciência e tecnologia

Autores

  • Everton Luiz de Paula Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri image/svg+xml
  • Olavo Cosme da Silva
  • Keliane Tainara da Silva
  • Laysa Cristine Reis

Palavras-chave:

ciência, tecnologia, divulgação científica, extensão universitária

Resumo

O presente trabalho discorre acerca da divulgação e popularização da ciência nos Parques da Ciência de Diamantina, de Teófilo Otoni e no Centro de Ciências de Juiz de Fora. Neste trabalho, apresenta-se inicialmente o panorama dos parques elencados, sua função social nos processos educacionais observando ainda suas especificidades. Por meio da pesquisa de campo, são apresentadas as principais características e atividades desenvolvidas pelos professores e as vivências dos discentes participantes dos projetos. Os resultados da pesquisa revelam que os três locais de estudo possuem o objetivo de propagar a ciência de forma extensionista para a comunidade interna das instituições que estão inseridos e para o público em geral, englobando crianças, jovens e adultos. Por meio de experiências científicas feitas de forma dinâmica e de fácil compreensão, os espaços se caracterizam como ambientes de fácil acesso e permitem o contato com a ciência para um público que muitas vezes não teria essa opção. Conclui-se, portanto, que esses espaços são importantes para troca de saberes, especialmente no que diz respeito à contribuição das atividades desenvolvidas para a educação e a popularização da ciência e da tecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSUBEL, D. P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma Perspectiva Cognitiva. Lisboa: Plátano, 2003. 35p.

ALISON, R. B.; LEITE, Á. E. Possibilidades e dificuldades do uso da experimentação no ensino da física. Cadernos PDE, Paraná, v. 1, p.8, 2016. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2016/2016_pdp_fis_utfpr_rosanebrumalison.pdf . Acesso em: 20 set. 2021.

BARATIERI, S. M.; BASSO, N. R. S.; BORGES, R. M. R.; ROCHA FILHO, J. B. Opinião dos estudantes sobre a Experimentação em Química no Ensino Médio. Experiências em Ensino de Ciências. V. 3, n. 3, p. 19-31, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 562 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192 - Acesso em: 02 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Nacional do Livro e Material Didático. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/programas-e-acoes/programa-nacional-do-livro-e-do-material-didatico-pnld - Acesso em: 31 ago. 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1998. 174 p.

CARVALHO, A. M. P.; SASSERON, L. H. Sequências de Ensino Investigativas –SEI: o que os alunos aprendem? In: TAUCHEN, G.; SILVA, J. A. da. (Org.). Educação em Ciências: epistemologias, princípios e ações educativas. 1ed.Curitiba: CRV, 2012, v. 1 , p. 1-175.

DOMINGUINI, L.; GIASSI, M. G.; MARTINS, M. C.; GOULART, M. L. M. O ensino de ciências em escolas da rede pública: limites e possibilidades. Cadernos de Pesquisa em Educação - PPGE/UFES.Vitória, ES. a. 9, v. 18, n. 36, p. 133-146, jul./dez. 2012.

FERREIRA, M. V. S. Contribuições das atividades experimentais investigativas no ensino de Química da Educação Básica. Universidade Federal do Pampa – Campus Caçapava do Sul (Trabalho de Conclusão de Curso). Caçapava do Sul, 2018. 54 p.

FERREIRA, L. H.; HARTWIG, D. R; DE OLIVEIRA, R. C. Ensino experimental de química: uma abordagem investigativa contextualizada. Química Nova na Escola, v. 32, n. 2, p. 101-106, 2010.

FRANCO, M. V. A.; DANTAS, O. M. A. N. A. Pesquisa exploratória: aplicando instrumentos de geração de dados – observação, questionário e entrevista. 2017. Disponível em http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/25001_13407.pdf. Acesso em 03 ago. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1996. 146p.

FORQUIN, J.C. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação. n. 5, p. 28-49, 1992

GIORDAN, M. O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, n.10, p.43-49, 1999.

KOVALICZN, R. A. O professor de Ciências e de Biologia frente às parasitoses comuns em escolares. 1999. Dissertação (Mestrado em Educação) –Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Ponta Grossa, 1999.

MASULLO, V. F.; COELHO I. S. As dificuldades dos professores na Educação Infantil – questões estruturais e pedagógicas. UNISANTA Humanitas, São Paulo, v. 4 nº 1, 2015. Disponível em: http://periodicos.unisanta.br/index.php/hum/ article/view/421/431 . Acesso em 12 ago 2021.

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Coleção Mídias Contemporâneas. 2015. Disponível em . https://mundonativodigital.files.wordpress.com/2015/06/mudando_moran.pdf Acesso em 2 ago. 2021.

PAIVA, F. R. M; PARENTE, F. R. J; BRANDÃO, R. I; QUEIROZ, B. H. A. Metodologias ativas de ensino - aprendizagem: revisão integrativa. Sanare. Ceará. v. 15, n. 02, p. 145 - 153, Jun./Dez., 2016.

PINHEIRO, A. R.; CARDOSO, S. P.; O lúdico no ensino de ciências: uma revisão na Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. Revista Insignare Scientia. Rio de Janeiro. v. 3, n. 1. p. 57-76, Jan./Abr. 2020.

PIRES, R. G.; SOARES, A. P. C.; Ensino de ciências na educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental: Perspectivas de trabalho. ENCITEC. Santo Ângelo. v. 10, n. 2, p. 89-104, mai./ago. 2020.

PENAFORTE, G. S.; SANTOS, V. S. O ensino de química por meio de atividades experimentais: aplicação de um novo indicador natural de pH com alternativa no processo de construção do conhecimento no ensino de ácidos e bases. EDUCAmazônia, v. XIII, n. 2, p. 8-21, 2014.

RAMALHO, P. F. N et al.; Clubes de Ciências: educação científica aproximando universidade e escolas públicas no litoral paranaense. Atas. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciências, n. 08, p. 11, 2011.

SANTOS, L. R. dos.; MENEZES, J. A. de.; A experimentação no ensino de Química: principais abordagens, problemas e desafios. Revista Eletrônica Pesquiseduca. Santos. V. 12, n. 26, p. 180- 207, jan.-abril. 2020.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Rev. Bras. Educ., Abr 2009, vol.14, nº40, p.143-155.

SILVA, N. F. da.; SÁ, M. de S.; SOUSA, K. R. R .; Formação de professores e o uso de recursos didáticos no ensino de ciências: um estudo nos anos finais do ensino fundamental em uma escola pública. Journal of Development. Curitiba. v. 6, n. 5, p. 29603-29615, mai, 2020.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Como Citar

DE PAULA, E. L.; SILVA, O. C. da; SILVA, K. T. da; REIS, L. C. Parques da ciência como estratégia de divulgação da ciência e tecnologia. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 55-77, 2022. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/22224. Acesso em: 6 fev. 2023.