REVERBERAÇÕES DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO EM UM POLO SEMIPRESENCIAL DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

BOTÂNICA COMO TEMA DE INDISSOCIABILIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/259464120502202145

Palavras-chave:

Extension in EaD, Ethnobotany, Botany Day, Science teaching

Resumo

     Aliado ao desafio de ensinar e transmitir o conhecimento sobre plantas foi realizada com alunos, equipe do polo semipresencial Magé (CEDERJ/UAB) e a comunidade do entorno do polo, o 1° Dia da Botânica com intuito de promover extensão, divulgação científica e ensino. O objetivo deste trabalho é tecer considerações sobre extensão e reverberações oriundas deste evento acadêmico. Com isso testamos as seguintes hipóteses: (i) os agentes envolvidos aprimoraram o engajamento e desenvolvimento de capacidades individuais e (ii) o evento evidencia o polo Magé como espaço de multifuncionalidade dentro do município. Os percursos metodológicos foram do tipo qualitativo com observações diretas e indiretas, realizadas nas ações antes, durante e após o evento do Dia da Botânica. Todas essas ações foram registradas em caderneta de campo. Ocorreu a análise quantitativa das com fichas de controle e inscrição de todos os participantes e questionário de avaliação do evento para o público ouvinte. Os diversos participantes do evento tiveram engajamento e os alunos desenvolveram capacidades individuais, além do evento reafirmar o polo Magé como espaço de      multifuncionalidade dentro do município. O ensino e extensão de plantas teve interação dialógica e reforçou fatores intrínsecos de motivação, que auxiliou alguns participantes em questões sensíveis que perpassam a evasão da EaD.  Parte do sucesso do evento se deu no protagonismo de alunos e agentes do polo, fazendo mudança de polarização frente a eventos tradicionalmente ofertados, não sendo receptores institucionais. Eventos de extensão desta natureza em polos semipresenciais devem ser replicados e estimulados para aprimoramento de cursos EaD no Brasil.

Palavras chaves: Extensão em EaD. Dia da Botânica. Etnobotânica. Ensino de Ciências.

Referências

ARAÚJO, R. F.; CARDOSO, A. M. P. A ciência da informação como rede de atores: reflexões a partir de Bruno Latour. In: VIII ENANCIB – Encontro nacional de Pesquisa em Ciência da informação. Salvador – Bahia. 2007. Disponível em: http://www.enancib.ppgci.ufba.br/artigos/GT1--205.pdf. Acesso em: 13 mar. 2020

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 1977. Lisboa: Edições 70 Ltda.

BRANQUINHO, F. T. B.; LACERDA, F. K. D. A contribuição da Teoria Ator-Rede para as pesquisas em educação. Revista Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul, v. 25, n. 3, p. 49-67, 2017 Set/Dez.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

Disponível em: <https://goo.gl/HwJ1Q>. Acesso em: 25 jul. 2019.

BRASIL. Decreto nº 1.147, de 24 de maio de 1994. Ementa: Institui o Dia Nacional da Botânica, declara, a palmeira brasileira Carnaúba, planta símbolo do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, cria a Medalha do Mérito Jardim Botânico do Rio de Janeiro, e dá outras providências. Diário Oficial da União - Seção 1 - 25/5/1994, Página 7674 (Publicação Original) Coleção de Leis do Brasil - 1994, Página 2199 Vol. 6.

BRASIL. Decreto nº 5.800, de 8 de junho de 2006. Ementa: Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil – UAB. Diário Oficial da União - Seção 1 - 9/6/2006, Página 4 (Publicação Original).

BIELSCHOWSKY, C.; BARRETO, C.; BASTOS, E.; CONSTÂNCIO, K.; BENTO, L.; MARCHIOR, M. L.; BERNSTEIN, M.; ALENCAR, M. D.; DAHMOUCHE, M.; CUNHA, U. S. Fundação Cecierj: ontem, hoje e amanhã. 2018. 298p.; 17 x 24 cm. ISBN: 978-85-458-0154-2.

CASTRO, A. A. M.; LACERDA, F. K. D.; SABA, C. C. A. N. Ressignificando a presencialidade em tempos de pandemia: a experiência de um curso de ciências biológicas semipresencial. In: Anais do Congresso Internacional de Educação e Tecnologias: Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância (CIETEnPED). p. 1-6. 2020 a.

CASTRO, A. A. M.; LACERDA, F. K. D.; SABA, C. C. A. N. A formação do professor-pesquisador: uma experiência nos cursos semipresenciais da UERJ. In: Anais do VI Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente. p. 1-10. 2020 b.

CATRAMBY, T.; MACEDO, A. P. Ensino a distância: desafios e oportunidades na formação de professores. In: V ANPTUR. Belo Horizonte. p. 1 – 9. 2008.

CHAGAS, A. T. R. O questionário na pesquisa cientifica. FE-CAP. 1(1). 2000. Disponível em:

http://www.fecap.br/adm_on-line/art11/anival.htm. Acessado em: 11 nov. 2013

CORRADI, W. J. B.; FIDALGO, F. S. R.; PASCHOALINO, J. B. Q. Tessituras do trabalho da gestão da UAB nas instituições de ensino superior. FREITAS, Maria Teresa Menezes; ARRUDA, E. P., ARAÚJO, S. M. (orgs). Na tessitura da distância: entre políticas, docência e tecnologia na EaD. Uberlândia: EDUFU. 2015.

CUNHA, E. J. L. O Desenvolvimento das ações de extensão em educação a distância nas Universidades Públicas Brasileiras. In: Extensão universitária na EaD: Desafios e experiências da indissociabilidade entre pesquisa, ensino e extensão. Organização: CORRADI, Wagner; CUNHA, E. J. L., JÚNIOR, M. B., ALMEIDA, A. C. C., PASCHOALINO, J. B. Q. EDITORA UFMG. 2019. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2019. 171 p.: il. – (EaD para o Mundo) ISBN: 978-85-423-0284-4.

FORPROEX (Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Instituições Públicas de Educação Superior

Brasileiras). Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: FORPROEX. 2012. Disponível em: http://www.renex.org.br/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf. Acesso em: 20 MAR. 2020.

GARLAND, M. Student perceptions of the situational, institutional, dispositional, and epistemological barriers to persistence. Distance Education. 1993. V. 14, n. 2, p. 181–198.

JÚNIOR, A. B. A.; SILVA, C. C.; SOUSA, A. N.; SILVA, M. R. M. S.; SILVA, M. B. S. Pertinência e justificabilidade da Educação Ambiental na contemporaneidade. In: Educação ambiental formal e informal. Organização: SILVA, E. V., CARVALHO, R. G. (Coord.); VIANA, V. N., OLIVEIRA, W. R. MACIEL, A. N. C., SILVA, E. V. 2017. Mossoró– RN, Edições UERN.

LAGUARDIA, J.; PORTELA, M. Evasão na educação a distância. ETD – Educação Temática Digital. 2009.11(1), 349-379. https://nbn-resolving.org/urn:nbn:de:0168-ssoar-71147.

LUNA, S. B.; ANDRADE, D. S. O papel da extensão universitária na educação semipresencial através do projeto “visite seu bairro”. Revista Itinerarium v.1 2013. Escola de Turismologia – Centro de Ciências Humanas e Sociais Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). http://www.seer.unirio.br/index.php/itinerarium.

MACHADO, M. R. L. A indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão na educação a distância. In: Desafios e experiências. In: Extensão universitária na EaD: Desafios e experiências da indissociabilidade entre pesquisa, ensino e extensão. Organização: CORRADI, W., CUNHA, E. J. L., JÚNIOR, M. B., ALMEIDA, A. C. C., PASCHOALINO, J. B. Q. Editora UFMG. 2019. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2019. 171 p.: il. – (EaD para o Mundo) ISBN: 978-85-423-0284-4.

MAZO, G. Z. Grupo de estudos da terceira idade - GETI: 25 anos de atuação na extensão universitária. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura. 2014 [S. l.], v. 8, n. 1, p. 74-89. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/4613. Acesso em: 22 dez. 2020.

MENDONÇA, S. G. L.; SILVA, P. S. D. Extensão Universitária: Uma nova relação com a administração pública. Extensão Universitária: ação comunitária em universidades brasileiras. São Paulo. 2002 v. 3, p. 29-44.

MOITA, F. M. G. S. C.; ANDRADE, F. C. B. (2009). Ensino-pesquisa-extensão: um exercício de

indissociabilidade na pós-graduação. Rev. Bras. Educ. [online]. Vol.14, n.41, pp.269-280. ISSN 1809-449X.

NETO, A. A. C. Avaliação de cursos de extensão em botânica durante semanas acadêmicas de biologia na Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica. ISSN 2236-2150 – V. 05, N. 04, p. 128-141. 2015, dezembro.

NOVAIS, M. Configuração do trabalho docente na educação superior a distância: uma análise do trabalho do tutor. Trabalho & Educação. [S. l.], v. 29, n. 2, p. 225–226, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/20973. Acesso em: 30 jan. 2021.

PIVETTA, K. F. L., SILVA FILHO, D. F. Boletim Acadêmico: Série Arborização Urbana. Jaboticabal – SP, UNESP/FCAV/FUNEP. 74p. 2002.

PNUMA. CBD/WG-ABS/1/4: Report on the role of intellectual property rights in the implementation of access and benefit-sharing arrangements. 2001. Disponível em: https://www.cbd.int/doc/meetings/abs/abswg-01/official/abswg-01-04-en.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

RAMOS, D. R. M.; PEIXOTO, A. L. Os caminhos do ensino e extensão no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Rev. Ciênc. Ext.13(2): 141-153. 2017.

ROCHA, J. A.; BOSCOLO, O. H.; FERNANDES, L. R. R. M. V. Etnobotânica: um instrumento para valorização e identificação de potenciais de proteção do conhecimento tradicional. Interações (Campo Grande) [online]. Vol.16, n.1, pp.67-74. 2015. ISSN 1984-042X. http://dx.doi.org/10.1590/151870122015105.

SAÍSSE, M. V. Educação no Jardim: da botânica ao ambiente. In: Jardim Botânico do Rio de Janeiro: 1808-2008 / [Organizado por] Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro. 250 p. 2008

SANTOS, L. A. R. Parques Urbanos: uma proposta de atividades de Divulgação Científica para o Parque da Cidade do Porto. Dissertação (Mestrado em Ecologia, Ambiente e Território). Universidade do Porto, Portugal. 104p. 2013.

SOUZA, C. R.; ROSSI, L. M. B.; AZEVEDO, C. P. Paricá: Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber x Ducke) Barneby. Embrapa Amazônia Ocidental. Circular Técnica, 18. 12 p., il. color. Manaus: Embrapa Amazônia Ocidental. 2003.

SOUZA, O. C.; FARACO, M. L. O Jardim e o uso público: interpretando o ambiente. In: Jardim Botânico do Rio de Janeiro: 1808-2008. [Organizado por] Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. - Rio de Janeiro. 2008. 250 p. il. ; 27,5x28,0 cm.

OLIVEIRA-SILVA, K. L.; RAMOS, Y. J; OLIVEIRA, G. C.; FONSECA, I. C.; GONÇALVES, J.

A.; SOUZA, U. C.; DEFAVERI, A. C. A.; SILVA, J. C.; ALMEIDA, M. Z.; PANTOJA, S. C. S. Estratégia de ensino e avaliação do curso de extensão em Cultivo de Plantas Medicinais do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Vittalle – Revista de Ciências da Saúde. V. 30, n. 1.168-181. 2018.

WYLIE, J. R. Non-Traditional Student Attrition in Higher Education: A theoretical model of

separation, disengagement then dropout. In: Annual conference of Australian association for research in education. Abstracts. [S.l]: [s.n.]. 12 p. 2005. Disponível em: <http://www.aare.edu.au/05pap/wyl05439.pdf>.Acesso em: 10 dez. 2019

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

DOS SANTOS PORTUGAL, A.; DOS SANTOS MORAES, V. REVERBERAÇÕES DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO EM UM POLO SEMIPRESENCIAL DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: BOTÂNICA COMO TEMA DE INDISSOCIABILIDADE. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 45-66, 2021. DOI: 10.5965/259464120502202145. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/20732. Acesso em: 20 jan. 2022.