LETRAMENTO DIGITAL COM LENDAS DA AMAZÔNIA COMO INCENTIVO À LEITURA E ESCRITA DE ALUNOS RETIDOS NO 3º ANO EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM-PA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/259464124256

Palavras-chave:

Alfabetização. Tecnologias. Letramento Digital. Leitura. Escrita.

Resumo

O uso das tecnologias é meio propício para inserir e envolver o aluno em práticas de leitura e escrita digitais. Diante disso, este relato traz parte das ações do projeto de extensão "Entre lendas e contos: o papel das novas tecnologias no processo de Alfabetização” com objetivo de contribuir para o processo de letramento digital e de lecto-escritura com lendas amazônicas de alunos do 3º ano de escolas públicas de Belém-PA. São aqui relatadas duas oficinas realizadas nos meses de agosto e novembro de 2018, com alunos do 3º ano de duas escolas públicas e sob a condução de licenciandos participantes do projeto. A primeira oficina contou com alunos das escolas A e B, e a segunda, apenas com alunos da escola A. Na oficina 1, os alunos das escolas envolvidas(A e B) participaram da contação da lenda do Curupira. Na sequência, foram orientados a recontar a lenda na forma de quadrinhos, por meio do software “HagáQuê”, produzindo a retextualização; essa dinâmica repetiu-se na oficina 2, na escola A, com a lenda do Boto. Na primeira oficina, notou-se certa destreza dos alunos quanto ao uso do aplicativo, porém com limitações na escrita convencional, na seleção e combinação das letras para digitar palavras e frases, isso mais evidente nos alunos não alfabéticos, embora todos demonstrassem o interesse em ler e escrever ou digitar, atraídos pela novidade tecnológica. Na segunda oficina, realizada como complementação na escola A, observou-se avanços no manuseio digital e melhor desempenho na escrita, comparados ao momento da oficina1, através do software Hagáquê. Conclui-se que o uso de tecnologias digitais, como ferramentas para a alfabetização e letramento dos alunos com dificuldades na leitura e na escrita, mostrou-se estratégia oportuna de enfrentamento dessa realidade desafiadora, assim como de formação do professor que necessita conhecer e saber lidar com esses desafios, em prol de um letramento digital atrelado ao processo de aquisição da leitura e da escrita em contexto social. Palavras-chave: Alfabetização. Tecnologias. Letramento digital. Leitura. Escrita

Biografia do Autor

ELIZABETH CARDOSO GERHARDT MANFREDO, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

Professora da Universidade Federal do Pará-atuando no Campus de Belém-Pará, Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI) no ensino de graduação e pós-gradução.

Yasmim Sarmanho, UFPA-IEMCI

Estudante do curso de Licenciatura Integrada em Ciências Matemática e Linguagem do IEMCI-UFPA

Mannoella Neves, UFPA-ICED

Estudante do curso de Licenciatura em Pedagogia do ICED-UFPA

Referências

ALMEIDA, Maria Elisabeth Bianconcini de. ProInfo: Informática e Formação de Professores. Vol 1. Série de Estudos Educação a Distância. Brasília: Ministério da Educação. Seed, 2000.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. In: Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra.4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BIM, S. A. HagáQuê: editor de histórias em quadrinhos. 2001. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Capinas - SP, 2001.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: Estratégias para entrar e sair da Modernidade.4 ed. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo. 2003.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: Estratégias para entrar e sair da Modernidade.4 ed. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo. 2003.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas. 1985.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 23 ed. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

GROSSI, E. P. Didática do nível alfabético (Didática da alfabetização, V. lll), Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MORAES, R. de A. Informática na educação. Rio de Janeiro: DP&A. 2000.

NUNES, L. P; TRESCASTRO, L. B. Do filme à história em quadrinhos:

um trabalho de retextualização no 4º ano do ensino fundamental. Entrepalavras, Fortaleza, v. 6, n. 2, p. 353-369, jul./dez. 2016.

PAPERT, S. Logo: Computadores e Educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ROJO, R. Gêneros discursivos do círculo de Bakhtin e multiletramentos. In: ROJO, R. Escol@ Conectad@: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009

SOARES, M. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, 2002. Disponível em:<http://www.cedes.unicamp.br> acesso: maio de 2018.

TFOUNI, L.V. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez, 1995.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

MANFREDO, E. C. G.; SARMANHO, Y. N. M.; NEVES, M. de A. LETRAMENTO DIGITAL COM LENDAS DA AMAZÔNIA COMO INCENTIVO À LEITURA E ESCRITA DE ALUNOS RETIDOS NO 3º ANO EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM-PA. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 56-50, 2020. DOI: 10.5965/259464124256. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/18631. Acesso em: 10 abr. 2021.