Técnica, experiência e invenção no baile de dança de salão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101502024e0203

Palavras-chave:

dança de salão, experiência, baile, técnica, performance

Resumo

O artigo a seguir discorre a respeito dos bailes de dança de salão como um espaço de invenção e aprendizagem. Entende-se, pois, as danças de salão (DS) como um campo social que se organiza a partir do interesse por essa técnica específica de dança. Para tal conceituação, parte-se dos escritos de Tonial (2011) e Dickow (2020), que pesquisam a respeito de dança de salão. A noção de técnica é delimitada através de Mauss (2003) e Ortega y Gasset (1963), além disso, conta-se com os escritos de Taylor (2013) e Schechner (2003) a respeito da performance, o que permite observar as DS como um sistema de aprendizagem e como contexto e prática social que pode ser delimitado pelo seu sentido social e por sua história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giancarlo Martins, Universidade Estadual do Paraná

Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestrado em Comunicação e Semiótica (PUC/SP). Especialização em Fundamentos Estéticos para a arte e educação pela Faculdade de Artes do Paraná (FAP/PR). Graduação em Dança na PUC/PR. Prof. Dr. Adjunto da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR).

Fernanda Goya Setúbal, Universidade Estadual do Paraná

Graduação em Dança pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Graduação em Letras – Espanhol pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Referências

DEWEY, J. Arte como Experiência. ed. 1, São Paulo/SP: Editora Martins Fontes, 2010.

DICKOW, K. M. C. Capital corporal: um estudo sobre a relação entre corpo e gênero na dança de salão a partir de uma perspectiva sociológica de Pierre Bourdieu. Educação, arte e inclusão. Santa Catarina, v. 16, n. 2, p. 122-141, 2020/04.

KATZ, H.; GREINER, C. A natureza cultural do corpo. In: PEREIRA, R.; SOLTER,S. (org.). Lições de dança 3. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2001. p. 77-102.

KASTRUP, V. Aprendizagem, arte e invenção, Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 1, p. 17-27, jan./jun. 2001.

KEIBER, T. A. A autonomia da mulher que dança a dois para a atuação nas relações sociais e de ensino. O Mosaico. Paraná, edição especial, n. 21, p. 37-56, 2021.

LEITE, A. R. N. L. Estética da experiência, corpo e democracia: uma abordagem do Contato Improvisação a partir das considerações filosóficas de John Dewey. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Departamento de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte, p. 178, 2017.

MAUSS, M. As técnicas do corpo. In: MAUSS, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003. p. 399-423.

MOREIRA, V. B.; SATLER, L. L. Correlações entre recepção e experiência tecidas a partir de Jesús Martín-Barbero, Jacques Rancière, Walter Benjamin e John Dewey, Educação, Cultura e Comunicação, Lorena/SP, v. 12, n. 23, p. 33-47, jun./2021.

ORTEGA Y GASSET, J. Meditação da Técnica. Rio de Janeiro: Livro Ibero-Americano, 1963.

PEREIRA, E. A. T. O conceito de campo de Pierre Bourdieu: possibilidade de análise para pesquisas em história da educação brasileira. Revista Linhas. Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 337–356, set./dez 2015.

PRETOS, P. N. E de T. Diana Taylor conversa com a Pele Negra Escola de Teatros Pretos. Live (66 min). Pele Negra Escola de Teatro(s) Preto(s), 2021. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=fvCurNcsHPY&t=1861s&ab_channel=PeleNegra-EscoladeTeatro%28s%29Preto%28s%29. Acesso em: 27 out. 2022.

RANCIÉRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2005.

RIBEIRO, M. M. Improvisação no teatro, na dança e no Hip Hop. Pós, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 162-172, nov./2015.

SILVEIRA, P. de V. Os bailes de dança de salão contemporâneos e queer: criações coletivas de modos de existência rebelde. In: CONGRESSO CIENTÍFICO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA – 2ª Edição Virtual, 6, 2021. Anais… Salvador, 2021. p. 1531-1545.

SETUBAL, F. G. O tradicional e o contemporâneo nas danças de salão. Revista Científica/FAP. Paraná, n. 2, v. 26, p. 300-313, jul./2022.

SCHECHNER, R., O que é performance?, O Percevejo, Rio de Janeiro/RJ, n. 12, p. 25-50, 2003.

TAYLOR, D. Atos de transferência. In: TAYLOR, D. O arquivo e o repertório, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013, p. 25-90.

TONIAL, T. Dança de salão e o lazer na sociedade contemporânea: um estudo sobre academias de Belo Horizonte. 164 p. Dissertação (Mestrado em Lazer) - Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

ZENICOLA, D. M. Dança, samba e performance. In: Congresso da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas, V, 2008. Anais… Belo Horizonte, 2008. p. 1-5.

Publicado

2024-04-28

Como Citar

MARTINS, Giancarlo; SETÚBAL, Fernanda Goya. Técnica, experiência e invenção no baile de dança de salão. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 50, p. 1–23, 2024. DOI: 10.5965/1414573101502024e0203. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/24284. Acesso em: 18 jul. 2024.