Dramaturgias crip: o ambíguo desfazimento do corpo-organismo em cenas anti-antropocêntricas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103482023e0109

Palavras-chave:

Cripistemologias, dramaturgias crip, micropolítica não antropocêntrica

Resumo

O objetivo deste artigo foi apresentar as dramaturgias crip como uma lógica operativa e política para criar dança. Desde os anos 1990, as principais pesquisas da área, já haviam reconhecido a importância do corpo e do movimento, para além da linguagem verbal e dos textos teatrais. Mas o que se instaura após 2000 com as teorias crip é a ênfase no fracasso, no descentramento da vida humana e na desfuncionalização do corpo-organismo como uma potência de criação aberta a outros corpos (animados e inanimados). Artistas de diversos contextos culturais têm criado suas dramaturgias da dança como dispositivos para evidenciar singularidades, incluir outras vidas e ativar estratégias de criação não antropocêntricas.  Neste sentido, destacamos a pesquisa da coreana Jeong Geumhyung, da chilena Manuela Infante e do brasileiro Eduardo Fukushima.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christine Greiner, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Livre-docente pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Pós-doutorado na New York University – EUA. Pós-doutorado na Internacional Research Center for Japanese Studies – Japão. Pós-doutorado na Universidade de Tóquio – Japão. Doutorado e Mestrado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Graduação em Jornalismo.

Thany Sanches, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutoranda junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Referências

ADOLPHE, J.-M. (ed.). Nouvelles de Danse. Bruxelas: Contredanse, n. 31,1997.

BLEEKER, Maaike. Dramaturgy as a mode of looking. In: BRIZELL, Cindy and Lepecki, André (eds.), On Dramaturgy, the labor of the Question. Women & Performance: a journal of femininst theory. Vol. 13:2, Issue 26. New York: NYU, 2003, p.163-172.

BRIZELL C.; LEPECKI, A. (ed.). On Dramaturgy, the labor of the Question. Women & Performance: a journal of feminist theory, New York, v. 13, n. 2, p. 15-16, 2003.

COCCIA, Emanuele. A Virada Vegetal. Trad. Felipe Augusto Vicari de Carli. São Paulo: ed. n-1, 2018.

DUGGAN, Lisa. Merri Girl in need of a torniquete: memoir of a borderline personality. Berkeley: Seal Press, 2010.

ECKERSALL, P.; GREHAN, H.; SCHEER, E. (ed.). New Media Dramaturgy, Performance, Media and New-Materialisms. New York: Palgrave MacMillan, 2017.

HALBERSTAM, Jack. Arte Queer do fracasso. Trad. Bhuvi Libanio. Recife: Ed Cepe, 2020.

HANSEN, P.; CALLISON, D. (ed.). Dance Dramaturgy Modes of Agency, Awareness and Engagement. New York: Palgrave MacMillan, 2015.

LEPECKI, A. Choreography as Apparatus of Capture. TDR: The Drama Review, Cambridge, v.51, n. 2, p.119-123, 2007.

MBEMBE, A. Necropolítica. Trad. Renata Santini. São Paulo: ed n-1, 2018.

MORAGA, Cherri e Gloria Anzaldúa (org.). This bridge called my back: writings by radical women of color. Berkeley: Third Women Press, 1981

McRUER, Robert. Crip theory: cultural signs of queerness and disability. New York: New York University Press, 2006.

ROMANSKA, M. (ed.). The Routledge Compagnion to Dramaturgy. New York: Routledge, 2015.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. Epistemology of the closet. Berkeley: University of California Press, 1990.

UNO, K. Hijikata. Tatsumi, pensar o corpo esgotado. Trad. Christine Greiner e Ernesto Filho. São Paulo: ed n-1, 2012.

Publicado

2023-09-19

Como Citar

GREINER, Christine; SANCHES, Thany. Dramaturgias crip: o ambíguo desfazimento do corpo-organismo em cenas anti-antropocêntricas. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 48, p. 1–13, 2023. DOI: 10.5965/1414573103482023e0109. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/24008. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: As práticas da dramaturgia da dança em contexto