Perspectivas xamânicas sobre as artes da cena: Um diálogo cosmopolítico com as culturas ameríndias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101432022e0114

Palavras-chave:

Artes Cênicas, Xamanismo ameríndio, Ontologia, Cosmopolítica, Filosofia da Arte

Resumo

Considerações teórico-práticas a respeito da performatividade ritual do/a xamã ameríndio/a e as possíveis aproximações com o campo expandido das artes cênicas, confrontando entendimentos sobre os conceitos: contemporâneo, modernidade e arcaico. Diálogo artístico-filosófico crítico entre as bases do pensamento ocidental de matriz kantiana e as metafísicas canibais sul-ameríndias. Aferições acerca das concepções sobre natureza, arte, estética da existência, representação, teatralidade, espetáculo, afeto, alteridade, corpo, cosmopolítica, espiritualidade e sonho. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Henrique Guimarães, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutor e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (PPGAC/UNIRIO). Licenciado em Educação Artística com Habilitação em Artes Cênicas pela Universidade Estadual Paulista (IA/UNESP). Professor Adjunto do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal da Paraíba (DAC/UFPB). Ator, performer, diretor, escritor.

Referências

A ÚLTIMA FLORESTA. Direção: Luiz Bolognesi. Produção: Gullane e Buriti Filmes. Brasil: Gullane Distribuidora, 2021. Espaço Itaú de Cinema.

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução Vinícius N. Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

ALBERT, B.; KOPENAWA, D. A queda do céu: Palavras de um xamã yanomami. Tradução Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

AMARAL, J. P. P. Da colonialidade do patrimônio ao patrimônio decolonial. Brasil: Dissertação (Mestrado) - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), 2015.

ANDRADE, O. Obras Completas VI: Do Pau-Brasil à Antropofagia e às Utopias. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

ARTAUD, A. Os tarahumaras. Tradução Anibal Fernandes. Lisboa: Relógio D’Água, 1985.

BAUMAN, Richard. Fundamentos da performance. Revista Sociedade e Estado, v.29, n.3, p. 727-746. Brasília: 2014.

BERTHOLD, M. História Mundial do Teatro. Tradução Maria Paula V. Zurawski, et al. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BIÃO, A. Um mesmo estado de graça - o teatro e candomblé da Bahia. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v.1, n. 2, p.003-012, 2017. Acesso em: 12 jan. 2022. DOI: 10.5965/1414573101021998003.

BOURRIAUD, N. Formas de vida: a arte moderna e a invenção de si. Tradução Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BROOK, P. A porta aberta: reflexões sobre a interpretação e o teatro. Tradução Antônio Mercado. 3a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CESARINO, P. N. Oniska: Poética do Xamanismo na Amazônia. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2011.

CLOTTES, J.; LEWIS-WILLIAMS, D. Los chamanes de la prehistoria. Tradução Javier López Cacher. Barcelona: Planeta, 2010.

DEBORD, G. A Sociedade do Espetáculo. Trad.: www.terravista.pt/IlhadoMel/1540. eBooksBrasil.com, 2003. E-book. Disponível em: https:// www.marxists.org/portugues/debord/1967/11/sociedade.pdf.

Acesso em: 12 jan. 2022.

DELEUZE, G. Nietzsche e a filosofia. Tradução Mariana de Toledo Barbosa e Ovídio de Abreu Filho. São Paulo: N-1 edições, 2018.

DIÉGUEZ, I. Um teatro sem teatro: a teatralidade como campo expandido. Tradução Eli Borges. Sala Preta, São Paulo,14(1), 125-129, 2014.

ELIADE, M. O xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. Tradução Beatriz Perrone-Moisés & Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ESPERANDIO, M. R. G. A capacidade de outrar-se – diferenças como desafio para a prática do cuidado e aconselhamento pastoral. Revista Pistis Praxis PUCPR, Curitiba, v.3, n.2, p.425-447, 2011.

ESPINOSA, B. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

FABIÃO, E. Prefácio. In: BONFITTO, M. Entre o ator e o performer. São Paulo: Perspectiva, FAPESP, 2013.

FISCHER, E. A Necessidade da Arte. Tradução Leandro Konder. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

FISHER-LICHTE, E. The Transformative Power of Performance. New York: Routledge, 2008.

FURST, P. T. Alucinogénios e cultura. Tradução Manuel Bárcia. Lisboa: Editora Ulisseia, 1976.

GARDEL, A. Poética Antropofágico-Perspectivística para uma Re-Visão do Teatro Brasileiro: a cena de origem. Revista Brasileira Estudos da Presença, Porto Alegre, v.9, n.2, p.1-27, abr. 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/presenca/article/view/78857. Acesso em: 12 jan. 2022.

GENNEP, A. Os Ritos de Passagem. Tradução Mariano Ferreira. 3a ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

GIL, J. Metamorfoses do corpo. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1997.

GRAHAM, L. R. Performance de Sonhos: Discursos de Imortalidade Xavante. Tradução Fernando de Luiz Brito Vianna. São Paulo: Edusp, 2018.

ICLE, G. O ator como xamã: configurações da consciência no sujeito extracotidiano. São Paulo: Perspectiva, 2010.

KEISERMAN, N. W. Em busca de uma pedagogia dos afetos e de uma peça-meditação. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 40, p. 1-24, 2021. Acesso em: 13 jan. 2022. DOI: 10.5965/1414573101402021e0109

KRAUSS, R. Sculpture in the expanded field. In: October 8, New York, (spring) 1979.

KRENAK, A. As alianças afetivas (entrevista a Pedro Cesarino). Incerteza Viva. Dias de estudo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LIGIÉRO, Z. (Sel/Org); SCHECHNER, R. Performance e antropologia de Richard Schechner. Tradução Augusto R. S. Junior, et al. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

LIGIÉRO, Z. Outro Teatro: Arte e educação entre a tradição e as experiências performáticas. Revista Poiésis, Niterói, v. 13, n. 19, p. 15-28, 1 out. 2018. https://doi.org/10.22409/poiesis.1319.15-28

LIMA, T. S. O que é um corpo? Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v.22, n.1, p. 9-19, 2002.

LIMA, T. S. Um peixe olhou para mim: o povo Yudjá e a perspectiva. São Paulo: Editora UNESP: ISA; Rio de Janeiro: NuTI, 2002b.

NARBY, J. A serpente cósmica: o DNA e a origem do saber. Tradução Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Dantes, 2018.

NIETZSCHE, F. W. Obras incompletas. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

OLSEN, M. As máscaras mutáveis do Buda Dourado. Tradução Nanci Fernandes. São Paulo: Perspectiva, 2004.

QUILICI, C. O campo expandido: arte como ato filosófico. Sala Preta, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 12-21, 2014. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v14i2p12-21.

QUILICI, C. O ator-performer e as poéticas da transformação de si. São Paulo: Annablume, 2015.

SCHECHNER, R. Environmental Theater. New York: Hawthorn Books, 1973.

STENGERS, I. A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n.69, pp. 442-464, 2018.

SZTUTMAN, R. Prefácio. In: VIVEIROS DE CASTRO, E. Eduardo Viveiros de Castro – Encontros. Org.: Renato Sztutman. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

TURNER, V. From Ritual to Theatre: The Human Seriousness of Play. New York: Performing Arts Journal, 1982.

TURNER, V. The ritual process: structure and anti-structure. Chicago: Aldine Publishing Co., 1969.

UCHÔA, M. V. B. O multinaturalismo ameríndio e a virada ontológica na filosofia contemporânea. Uma visão pós-correlacionista da Natureza. Ensaios Filosóficos, v.15, 2017.

VINCENT, N. Mundos incertos sob um céu em queda: o pensamento indígena, a antropologia e a 32a Bienal de São Paulo – Incerteza viva. Revista de Antropologia, v.60, n.2, pp. 653-661, São Paulo: 2017.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Eduardo Viveiros de Castro – Encontros. Org.: Renato Sztutman. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, E. A Inconstância da Alma Selvagem. São Paulo: Cosac & Naify, 2013.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Downloads

Publicado

2022-04-06

Como Citar

GUIMARÃES, C. H. Perspectivas xamânicas sobre as artes da cena: Um diálogo cosmopolítico com as culturas ameríndias. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 43, p. 1-30, 2022. DOI: 10.5965/1414573101432022e0114. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21533. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático: As artes da cena dos e com os povos indígenas