Cena, produção e moqueca: o teatro baiano contemporâneo do Dimenti (1998-2012)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102442022e0207

Palavras-chave:

Teatro, Dança, Dimenti, Bahia, Nordeste

Resumo

Este artigo buscou visibilizar parte da história recente das artes cênicas feitas na Bahia, em Salvador; abordando o caso particular do Dimenti (1998-2012), seus propósitos estéticos, práticas de ensaio e encenação – sua história. Por meio da descrição de seu itinerário de montagens, foi caracterizado um grupo de produção intensa, interessado num teatro em franco diálogo com outras linguagens. A partir da caracterização deste recorte no teatro baiano, entende-se que, no teatro feito no Nordeste, há muitos Nordestes – modos de encenação dos mais tradicionais aos mais experimentais, objetivos, modos de funcionamento e temáticas diversas – os quais injetam complexidade e dissenso nos modos pelos quais o teatro brasileiro se modernizou.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia da Rocha Lordelo, Federal University of Recôncavo da Bahia

Doutora em Psicologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA). Graduação em Psicologia (UFBA). Professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia do CECULT - Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas. Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia.

Referências

CAETANO, Nina. A textura polifônica de grupos teatrais contemporâneos. Sala Preta, São Paulo, 6, p.145-154, 2006. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v6i0p145-154

CRUZ, Ellen Mello dos Santos. Cena, Afetos e Prótese. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

ECO, Umberto. A obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1962.

FARIA, João Roberto (dir.). História do teatro brasileiro. v. 2. São Paulo: Perspectiva; SESC, 2013.

FERNANDES, Sílvia. Teatralidade e Performatividade na Cena Contemporânea. Repertório, Salvador, n°16, p. 11-23, 2011.

FERNANDES, Sílvia. A encenação. In: FARIA, J. R. (dir.). História do teatro brasileiro. v. 2. São Paulo: Perspectiva; SESC, 2013.

FRANCO, Aninha. O teatro na Bahia através da imprensa – Século XX. Salvador: FCJA. COFIC. FCEBA. 1994.

FREITAS, R. M.; ARAÚJO, R. C. A História da Árvore Cognitiva do Bando de Teatro Olodum. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 24, p.147-156, 2015.

GARCIA, Silvana. A dramaturgia dos anos de 1980/1990. In: FARIA, J. R. (dir.). História do teatro brasileiro. v. 2. São Paulo: Perspectiva; SESC, p. 301-331, 2013.

LAGO JÚNIOR, José. Chá viajandão. Jornal A TARDE, Salvador, 6 dez. 1999. Caderno 2, p. 3,

LEÃO, Raimundo M. de. A casa de Eros e Dionísio - um projeto de ensino e encenação, Revista Cena, Porto Alegre, vol. 7, p. 42-55.

LEÃO, Raimundo M. de. Escola de Teatro (1956-1964): Repertório eclético sem concessões. Repertório, Salvador, nº 17, p. 71-81, 2011.

LEÃO, Raimundo M. Teatro experimental na Bahia: dramático ou pós-dramático. In: MENDES, Cleise (org.) Dramaturgia, ainda: reconfigurações e rasuras [online]. Salvador: EDUFBA, 2011.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro Pós-Dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

MATTEDI, Eduardo. O desvairio da rapaziada. Jornal Soterópolis, Salvador, p. 20, maio 2001.

MIRANDA, Nadja M. Jornalistas em cena, artistas em pauta: análise da cobertura jornalística dos espetáculos teatrais baianos realizada pelos jornais A Tarde e Correio da Bahia na década de 90. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001.

MOSTAÇO, Edélcio. Considerações sobre História do teatro brasileiro. Sala Preta, São Paulo, v. 15, n. 1, p.249-264, 2015.

ROMAGNOLLI, Luciana E. Convívio e presença como dramaturgia: a dimensão da materialidade e do encontro em Vida. Sala Preta, São Paulo, v. 14, n. 2, p.85-94, 2014.

ROUBINE, Jean Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998.

SAMPAIO, Jorge Luiz A. de. Do cisne-barbie ao cisne asmático: comicidade e subversão performativa de identidade em chuá-releitura cênica do balé do lago dos cisnes feita pelo grupo Dimenti. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

SANTANA, Jussilene. Martim Gonçalves: uma escola de teatro contra a província. Tese (Doutorado em Artes Cênicas), – Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

SEBIANI, L. A subpartitura corporal no processo de criação do espetáculo Batata!. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 11, p.123-132, 2018.

TROTTA, Rosyane. Autoralidade, grupo e encenação. Sala Preta, São Paulo, 6, p.155-164, 2006. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v6i0p155-164

VARGENS, Meran; ROSÁRIO, Elson. Teatro Contemporâneo na Bahia. Portal da Bahia Contemporânea. Disponível em:

https://portaldabahiacontemporanea.com.br/artigos/teatro.

Acesso em: 08 fev. 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Como Citar

LORDELO, Lia da Rocha. Cena, produção e moqueca: o teatro baiano contemporâneo do Dimenti (1998-2012): . Urdimento: Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 44, p. 1–16, 2022. DOI: 10.5965/1414573102442022e0207. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21007. Acesso em: 25 fev. 2024.