Cena, produção e moqueca: o teatro baiano contemporâneo do Dimenti (1998-2012)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102442022e0207

Palavras-chave:

Teatro, Dança, Dimenti, Bahia, Nordeste

Resumo

Este artigo buscou visibilizar parte da história recente das artes cênicas feitas na Bahia, em Salvador; abordando o caso particular do Dimenti (1998-2012), seus propósitos estéticos, práticas de ensaio e encenação – sua história. Por meio da descrição de seu itinerário de montagens, foi caracterizado um grupo de produção intensa, interessado num teatro em franco diálogo com outras linguagens. A partir da caracterização deste recorte no teatro baiano, entende-se que, no teatro feito no Nordeste, há muitos Nordestes – modos de encenação dos mais tradicionais aos mais experimentais, objetivos, modos de funcionamento e temáticas diversas – os quais injetam complexidade e dissenso nos modos pelos quais o teatro brasileiro se modernizou.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia da Rocha Lordelo, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia do CECULT (UFRB)

Doutora em Psicologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA). Graduação em Psicologia (UFBA). Professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia do CECULT - Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas. Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia.

Referências

CAETANO, Nina. A textura polifônica de grupos teatrais contemporâneos. Sala Preta, São Paulo, 6, p.145-154, 2006. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v6i0p145-154

CRUZ, Ellen Mello dos Santos. Cena, Afetos e Prótese. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

ECO, Umberto. A obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1962.

FARIA, João Roberto (dir.). História do teatro brasileiro. v. 2. São Paulo: Perspectiva; SESC, 2013.

FERNANDES, Sílvia. Teatralidade e Performatividade na Cena Contemporânea. Repertório, Salvador, n°16, p. 11-23, 2011.

FERNANDES, Sílvia. A encenação. In: FARIA, J. R. (dir.). História do teatro brasileiro. v. 2. São Paulo: Perspectiva; SESC, 2013.

FRANCO, Aninha. O teatro na Bahia através da imprensa – Século XX. Salvador: FCJA. COFIC. FCEBA. 1994.

FREITAS, R. M.; ARAÚJO, R. C. A História da Árvore Cognitiva do Bando de Teatro Olodum. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 24, p.147-156, 2015.

GARCIA, Silvana. A dramaturgia dos anos de 1980/1990. In: FARIA, J. R. (dir.). História do teatro brasileiro. v. 2. São Paulo: Perspectiva; SESC, p. 301-331, 2013.

LAGO JÚNIOR, José. Chá viajandão. Jornal A TARDE, Salvador, 6 dez. 1999. Caderno 2, p. 3,

LEÃO, Raimundo M. de. A casa de Eros e Dionísio - um projeto de ensino e encenação, Revista Cena, Porto Alegre, vol. 7, p. 42-55.

LEÃO, Raimundo M. de. Escola de Teatro (1956-1964): Repertório eclético sem concessões. Repertório, Salvador, nº 17, p. 71-81, 2011.

LEÃO, Raimundo M. Teatro experimental na Bahia: dramático ou pós-dramático. In: MENDES, Cleise (org.) Dramaturgia, ainda: reconfigurações e rasuras [online]. Salvador: EDUFBA, 2011.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro Pós-Dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

MATTEDI, Eduardo. O desvairio da rapaziada. Jornal Soterópolis, Salvador, p. 20, maio 2001.

MIRANDA, Nadja M. Jornalistas em cena, artistas em pauta: análise da cobertura jornalística dos espetáculos teatrais baianos realizada pelos jornais A Tarde e Correio da Bahia na década de 90. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001.

MOSTAÇO, Edélcio. Considerações sobre História do teatro brasileiro. Sala Preta, São Paulo, v. 15, n. 1, p.249-264, 2015.

ROMAGNOLLI, Luciana E. Convívio e presença como dramaturgia: a dimensão da materialidade e do encontro em Vida. Sala Preta, São Paulo, v. 14, n. 2, p.85-94, 2014.

ROUBINE, Jean Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998.

SAMPAIO, Jorge Luiz A. de. Do cisne-barbie ao cisne asmático: comicidade e subversão performativa de identidade em chuá-releitura cênica do balé do lago dos cisnes feita pelo grupo Dimenti. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

SANTANA, Jussilene. Martim Gonçalves: uma escola de teatro contra a província. Tese (Doutorado em Artes Cênicas), – Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

SEBIANI, L. A subpartitura corporal no processo de criação do espetáculo Batata!. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 11, p.123-132, 2018.

TROTTA, Rosyane. Autoralidade, grupo e encenação. Sala Preta, São Paulo, 6, p.155-164, 2006. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v6i0p155-164

VARGENS, Meran; ROSÁRIO, Elson. Teatro Contemporâneo na Bahia. Portal da Bahia Contemporânea. Disponível em:

https://portaldabahiacontemporanea.com.br/artigos/teatro.

Acesso em: 08 fev. 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Como Citar

LORDELO, L. da R. Cena, produção e moqueca: o teatro baiano contemporâneo do Dimenti (1998-2012): . Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 44, p. 1-16, 2022. DOI: 10.5965/1414573102442022e0207. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21007. Acesso em: 30 nov. 2022.