Teatres da Decolonialidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102442022e0211

Palavras-chave:

Teatro, Decolonialidade, Caranguejo Overdrive

Resumo

O estudo faz abordagem sobre a produção recente do teatro brasileiro, a partir da mostra de espetáculos Verão Sem Censura (2020), a fim de mapear traços de Decolonialidade que parecem se impor no panorama mais amplo. Propõe, então, como gesto criativo diante dessa cena que vem desafiando e confrontando princípios básicos do teatro, a emergência da palavra/conceito Teatre, historiando seus antecendentes sócio-culturais e observando seus modos poético-políticos de ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Carvalho Marques Dourado, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Graduação em Jornalismo pela UFPE. Professor do Departamento de Teoria da Arte e Expressão Artística da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

BELÉM, Elisa. Afinal, como a crítica decolonial pode servir às artes da cena? Campinas, ILINX - Revista Científica do LUME, Campinas, n. 10, p. 99-106, 2016.

BISIAUX, Lîlâ. Deslocamento epistêmico e estético do teatro decolonial. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, V.8, n.4, p.644-664, 2018.

FÉRAL, Josette. Além dos limites: teoria e prática do teatro. Trad. Jacó Guinsburg et al. São Paulo: Perspectiva, 2016.

FISCHER-LICHTE, Erika. Estética de lo performativo. Trad. Diana González Martín, David Martínez Perucha. Madrid: Abada Editores, 2011.

FLORENTINO, Adilson. Apresentação do Dossiê Teatro, Epistemologia, Decolonialidade e Outras Reflexões Estéticas. Revista Ouvirouver, Uberlândia, v.14, n.1, p.12-13, 2018.

ICLE, Gilberto. HAAS, Marta. Gesto decolonial como pedagogia: práticas teatrais no Brasil e no Peru. Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cências, Florianópolis, v.3, n.36, p.96-115, 2019.

KOSOVSKI, Pedro. Caranguejo Overdrive e os territórios da geoficção. In: SMALL, Daniele Avila; Oliveira, Dinah de (Orgs). 3º Encontro Questão de Crítica. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016. p. 94-101. Disponível em: http://www.questaodecritica.com.br/wp-content/uploads/2016/06/3-Encontro-Questa%CC%83o-de-Cri%CC%81tica-livro.pdf. Acesso em: 29 mar. 2020.

KOSOVSKI, Pedro. Caranguejo Overdrive.

LEAL, Dodi Tavares B. Performatividade transgênera: equações poéticas de reconhecimento recíproco na recepção teatral. 2018. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro Pós-Dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

MIGNOLO, Walter. La désobéissance épistemique: rhétorique de la modernité, logique de la colonialité et grammaire de la décolonialité. Bruxelles: P.I.E Peter Lang, 2015.

PAVIS, Patrice. A encenação contemporânea: origem, tendências, perspectivas. Trad. Nanci Fernandes. São Paulo: Perspectiva, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: Bonilha, Heraclia (Dir.). Los conquistadores. Bogota: Tercer Mundo, 1992, p.437-447.

QUIJANO, Aníbal. Eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, Edgardo (Dir.). Colonialidad del saber e eurocentrismo. Buenos Aires: Unesco-Clasco, 2000, p.122-151.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Como Citar

DOURADO, R. C. M. Teatres da Decolonialidade. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 44, p. 1-29, 2022. DOI: 10.5965/1414573102442022e0211. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20851. Acesso em: 30 nov. 2022.