Notas sobre o Teatro Musical de Eduardo Dussek

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102412021e0107

Palavras-chave:

Eduardo Dussek, Teatro Musical, Teatro de Revista no Brasil

Resumo

O artigo estuda duas canções criadas por Eduardo Dussek e Luiz Carlos Góes para o Teatro Musical Brasileiro. São analisadas as canções Alô, Alô, Brasil, composta por Dussek para o show Feiticeira, protagonizado por Marília Pêra, em 1975, e A Loura do Carteado, engendrada por ele em parceria com Góes. Esta foi escrita para a travesti Rogéria cantar em Rio Gay, encenação que estreou no Teatro Alaska, no Rio de Janeiro. A montagem possuía um elenco composto por travestis e sua concepção estética revivia os áureos tempos do Teatro de Revista no Brasil.  No artigo também há a descrição do começo da carreira teatral de Dussek, revisitando sua atuação, quando ainda era adolescente, no espetáculo As Desgraças de uma Criança, de Martins Pena, sob direção de Antônio Pedro.

Biografia do Autor

Luís Francisco Wasilewski, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Pós-Doutor em Estudos Culturais pelo Programa Avançado de Cultura Contemporânea(PACC) da UFRJ. Doutor em Literatura Brasileira pela USP (2015). Mestre em Literatura Brasileira pela USP (2009). Possui graduação em Letras Licenciatura Português e Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004).

Referências

AMARAL, Maria Adelaide. Dercy de cabo a rabo. São Paulo: Globo, 1994.

BIVAR, Antônio. Longe daqui aqui mesmo. São Paulo: Best Seller, 1995.

BRAYAN, Guilherme. Quem tem um sonho não dança: cultura jovem brasileira nos anos 80. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2004.

CARVALHO, Tania. Charles Möeller e Claudio Botelho: os reis dos musicais. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Trad. de Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 1985.

KHOURY, Simon. Bastidores. Rio de Janeiro: Ed. do autor, 2016, v. 16.

MARINHO; Flávio. Quem tem medo de Besteirol? A história de um movimento teatral carioca. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

MARINHO, Flávio. Teatro é o melhor programa – um painel da cena carioca de 1973 a 2014. São Paulo: Giostri, 2016.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. Trad. de J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. 3a. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PÊRA, Marília; SOUZA, Flávio de. Vissi d’arte: 50 anos vividos para a arte. São Paulo: Escrituras, 1999.

RODRIGUES, Walace. Laura de Vison: um(a) artista de nossos tempos de discussão sobre gênero. Revista História e Diversidade, Cárceres, v. 7, n. 2, p.102-116, 2015.

SOLIVA, Thiago Barcelos. Sobre o talento de ser fabulosa: os “shows de travesti” e a invenção da “travesti profissional”. Caderno Pagu, Campinas, n. 53, 2018.

VENEZIANO, Neyde. O Teatro de Revista no Brasil: Dramaturgia e Convenções. Campinas: Ed. da Unicamp, 1991.

VENEZIANO, Neyde. Não adianta chorar: Teatro de Revista Brasileiro... Oba!. Campinas: Ed. da Unicamp, 1996.

VENEZIANO, Neyde. As Grandes Vedetes do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

VENEZIANO, Neyde. O Teatro de Revista no Brasil: Dramaturgia e Convenções. São Paulo: SESI, 2013.

WASILEWSKI, Luís Francisco. Isto é Besteirol: A obra dramatúrgica de Vicente Pereira no âmbito do Teatro Besteirol. 2009. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

WASILEWSKI, L. F. Notas sobre o Teatro Musical de Eduardo Dussek. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 41, p. 1-17, 2021. DOI: 10.5965/1414573102412021e0107. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20424. Acesso em: 8 dez. 2021.