Cabaré nas engrenagens da máquina cidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102412021e0108

Palavras-chave:

Cabaré, Coletivo, Precariedade, Processual, Espaço público

Resumo

Este artigo trata do entrecruzamento de temporalidades e remapeamento do processo de ocupação urbana desenvolvido durante a criação de Cabaret Macchina - uma pós-ópera anti-edipiana da Casa Selvática. A imagem da erva daninha, esse tipo de vegetação preterida que surge entre as fendas da cidade, aparece como desdobramento poético-visual, o cabaré - linguagem do submundo, do que está abaixo da terra (underground) e na noite - emerge em praça pública, no dia a dia, a luz do sol. Para dar vazão às ramificações desta estranha vegetação, mescla-se relatos de três criadoras, mas que aqui foram reunidas como uma única conferencista, com o intuito de mover as peças, e borrar onde começaria e onde terminaria cada engrenagem dessa máquina-cabaré.

Biografia do Autor

Ricardo Bertola Nolasco da Silva, Universidade Federal do Estado do Janeiro (Unirio)

Mestrando em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Bacharelado em Artes Cênicas pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Integrante-fundador da Selvática Ações Artísticas (2011). Artista de cabaré.

Amabilis de Jesus da Silva, Universidade do Estado do Paraná - UNESPAR - FAP

Doutora em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (2010). Professora do Programa  de  Pós-Graduação  em  Artes  e  do  curso  de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Estadual do Paraná  (UNESPAR – Campus de Curitiba II – FAP). Figurinista.

Gabriel Matheus Lopes Machado, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Mestrando em Artes da Cena pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bacharelado em Artes Cênicas pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) Integrante-fundador da Selvática Ações Artísticas (2011). Artista e pesquisador da dança.

Referências

AKSELI, Virtanen. O discreto charme do precariado, posfácio a Máquina Kafka. In: GUATTARI, Félix. Seleção e notas de Stéphane Nadaud. Trad. e prefácio de Peter Pál Pelbart. São Paulo: n-1 edições, 2011.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. Trad. Denise Bottmann e Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre o conceito da história. In: Walter Benjamin- obras escolhidas. Vol. 1. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BEY, Hakim. TAZ - Zona Autônoma Temporária. Trad. Alexandre Barbosa de Souza. São Paulo: Veneta, 2018.

BOURRIAUD, Nicolas. Radicante. Trad. Michèlle Guillemont. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2009.

BÜRGER, Peter. Teoria da Vanguarda. Trad. José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

COHEN, Renato. Work in Progress na Cena Contemporânea. São Paulo: Perspectiva, 2004.

DEBORD, Guy. La société du spectacle (A sociedade do espetáculo). Documentário legendado em português. Paris: Simar Films, 1973. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=A4FAJsFqHe0 Acesso em: 01 jun. 2021.

EAGLETON, Terry. As Ilusões do Pós Modernismo. Trad. Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

ECO, Umberto. Obra Aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2005.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e Diálogo - as idéias línguisticas do círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar Edições, 2003.

FORTIN, Sylvie. Contribuições possíveis da etnografia e da auto-etnografia para a pesquisa na prática artística. Revista Cena, Porto Alegre, n. 7, p. 77-88, 2006.

GUATARRI, Felix. Máquina Kafka. Seleção e notas: Stéphane Nadaud. São Paulo: n-1 edições, 2011.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: TADEU, Tomaz. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. 2 e.d. - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

LEPECKI, A. Coreo-política e coreo-polícia. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 13, n. 1,2, p. 041-060, jan. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/2175-8034.2011v13n1-2p41/23932 Acesso em: 14 mai. 2021.

MARGULIS, Lynn. Planeta simbiólico: uma nova perspectiva da evolução. Trad. Laura Neves. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

MARCONDES, Renan. Breve Apontamento sobre Hamlet-Ofélia em ‘Hamlet-Máquina’. Revista Performatus, Inhumas, ano 2, n. 12, out. 2014. ISSN: 2316-8102. Disponível em: https://performatus.com.br/estudos/hamlet-ofelia-heiner-muller/ Acesso em: 01 jun. 2021.

MARX, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. Trad. e notas Nélio Schneider ; prólogo Herbert Marcuse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MÜLLER, Heiner. Quatro textos para teatro. Mauser; Hamlet-máquina; A missa̋o; Quarteto. Trad. F. Peixoto. São Paulo: Hucitec, 1987.

MÜLLER, Heiner. Medeamaterial e outros textos. Trad. M. Renaux. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1993.

PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Trad. Cleiton Zóia Münchow e Viviane Teixeira Silveira. In: Estudos Feministas, Florianópolis, 19(1): 312, janeiro-abril/2011.

ROCHA, Lucía Naser. De la politización de la danza a la dancificación de la política. In: Trans-in-corporados: Costruindo redes para a internacionalização da pesquisa em dança, 2017, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos. Campinas, Galoá, 2017. Disponível em: <https://proceedings.science/trans-in-corporados-2017/papers/de-la-politizacion-de-la-danza-a-la-dancificacion-de-la-politica-?lang=pt-br> Acesso em: 10/05/2021.

RUSSO, Mary. O grotesco feminino: risco, excesso e modernidade. Trad. Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SEJANES, Thalita Alves. Trajeto-processos de uma criação selvática pela cidade. Dissertação (Mestrado em educação em ciências e em matemática). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

STREVA, Christina. Por um ator-provocador e um professor-criador: uma pesquisa-ação sobre a performance de cabaré. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://cabareincoerente.com/referencias/bibliografia/

SONTAG, Susan. Sob o signo de saturno. Trad. Ana Maria Capovilla e Albino Poly Jr. São Paulo: L&PM, 1986.

SOTRES, Cecilia. Introducción al cabaret (con albur). Paso de gato. Cidade do México: Realizada em coedição com Ediciones Chulas, 2016.

SUDARE, Lívia. Die Höchste Eisenbahn: Um aviso do cabaré alemão diante da ameaça nazista. Sala Preta, São Paulo, vol. 19, n. 2, p. 48-63, 2019.

TRÓI, Marcelo de. Cidade, ferida aberta: uma etnografia urbana com o coletivo Selvática. In: Artivismos das dissidências sexuais e de gênero / Leandro Colling, organizador. Salvador: EDUFBA, 2019.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

SILVA, R. B. N. da .; SILVA, A. de J. da .; MACHADO, G. M. L. Cabaré nas engrenagens da máquina cidade. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 41, p. 1-26, 2021. DOI: 10.5965/1414573102412021e0108. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20406. Acesso em: 8 dez. 2021.